22 de janeiro, de 2022 | 15:00

Novo ensino médio

Divulgação

Renata Lucia de Abreu Pimenta *

A partir deste ano começam a vigorar as mudanças no ensino médio, tanto para as escolas particulares quanto para as públicas em todo o Brasil, conforme previsto na lei 13.415 sancionada a 5 anos.

Foram alteradas as bases da Educação Nacional juntamente com a Lei de diretrizes em um novo modelo de ensino a partir da reestruturação curricular.

Além disso no novo formato a ampliação da carga horária proporcionará aos estudantes, que antes tinham a carga de 800h, um aumento para 1000h obrigatórias ao ano, o que representa um total de 3000h durante os três anos do ensino médio.

Em 2022 entrará em vigor para os alunos do primeiro ano e será implantado em sua integralidade até 2024 para todos os alunos no país.

A nova carga horária foi dividida em base nacional curricular com as competências, conhecimentos essenciais e habilidades previstas em até 1800 h e 1200 h para os chamados itinerários formativos compostos por um conjunto de disciplinas, oficinas, núcleos de ensino, projetos e outras situações de trabalho que os estudantes poderão optar no ensino médio, a partir de interesse próprio ampliando e aprofundando em aprendizagens.

“Foram alteradas as bases
da Educação Nacional com a
Lei de diretrizes em um
novo modelo de ensino”


O novo Ensino Médio tem o objetivo de interligar as disciplinas e permitir ao aluno uma maior consciência da área que ele pretenda seguir ao concluir este ciclo.

Dentre os fundamentos básicos para esta modificação estão o aspecto generalista de ensino que gera baixa qualidade e aproveitamento restrito ocasionando altos índices de evasão escolar, distorção de idade com a séria cursada e reprovação. Assim pretende-se beneficiar tanto alunos quanto professores já que os conhecimentos específicos permitirão ao aluno optar pela formação profissionalizante ou técnico.

Entretanto vale observar que dentre os principais desafios estão a realidade atual dos jovens e a necessidade de reestruturação da escola para atender as novas exigências para o período integral, tais como infraestrutura, planejamento pedagógico e capacidade de oferta de maior conteúdo, sendo necessário investimentos na alocação de professores especializados nas áreas afins.

* Especialista em educação do Instituto Pedagógico de Minas Gerais (Ipemig)

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Tião Aranha

23 de janeiro, 2022 | 20:56

“Os conteúdos terão que ser planejados de acordo com a realidade econômica de cada comunidade. Sempre faltam investimentos para a Saúde, Educação e Saneamento básico que são os setores prementes do desenvolvimento básico de qualquer nação. Risos.”

Envie seu Comentário