19 de janeiro, de 2022 | 14:20

Na Itália, Robinho é condenado em última instância por estupro

Divulgação
Robinho e seus amigos embriagaram e estupraram uma mulher de 23 anosRobinho e seus amigos embriagaram e estupraram uma mulher de 23 anos

Pouco mais de um ano depois de ser condenado pela Corte de Apelação de Milão, na Itália, a nove anos de prisão por violência sexual de grupo, na segunda instância, Robinho foi condenado em definitivo nesta quarta-feira (19), na terceira e última instância do judiciário italiano. Também foi condenado o amigo de Robinho, Ricardo Falco, que participou do crime.

Os dois foram condenados por participação em ato de violência sexual ocorrido em 2013, quando Robinho jogava no Milan. A vítima, à época com 23 anos, disse que foi embriagada e abusada sexualmente por seis homens enquanto estava inconsciente.

Os defensores dos brasileiros dizem que a relação foi consensual e, durante o julgamento, tentaram desqualificar a vítima e questionar as condições psíquicas da mulher. As teses foram desconsideradas pelo tribunal italiano.

Prisão
Apesar da condenação não caber mais recurso, Robinho não deverá cumprir pena, já que a Constituição de 1988 não permite a extradição de brasileiros. Além disso, um tratado judiciário entre Brasil e Itália não prevê que uma condenação imposta pela justiça italiana seja aplicada em território brasileiro.

Com isso, o jogador não pode pisar na Itália ou em outro país que tenha acordo de extradição com o governo italiano, pois será preso. Isso pode dificultar a carreira internacional dele, já que será impedido de pisar em diversos países que possuem esse acordo com a Itália.

Também há a possibilidade de Robinho cumprir a pena no Brasil, o que deverá ser solicitado pela justiça italiana, já que o crime cometido também é tipificado pela legislação brasileira.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário