14 de janeiro, de 2022 | 18:31

Estudo aponta 10 novas profissões para quem quer se especializar no setor de energia

Segmento promete crescente demanda por profissionais especializados

Divulgação
Até 2026, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) estima a criação de aproximadamente 200 mil novos empregos diretos e indiretos somente no mercado de energia eólica.Até 2026, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) estima a criação de aproximadamente 200 mil novos empregos diretos e indiretos somente no mercado de energia eólica.

Até 2026, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) estima a criação de aproximadamente 200 mil novos empregos diretos e indiretos somente no mercado de energia eólica. Uma das explicações para isso seja a necessidade de ampliar as soluções para o mercado energético brasileiro que atualmente enfrenta uma crise hídrica e uma ameaça de falta de energia.

A possível criação de novos postos de trabalho encontra outra necessidade: trabalhadores especializados no ramo. "A demanda por modernização do setor requer, além de investimentos, mão de obra especializada, com foco em eficiência energética e fontes renováveis. A recente crise hídrica só confirma essa necessidade", explica o coordenador dos cursos de Engenharia da Faculdade Anhanguera, Jads Victor Paiva dos Santos.

De olho nessa demanda, o Ministério de Minas e Energia publicou o estudo "Profissões do Futuro na Área de Energia e Implicações para a Formação Profissional". De acordo com o órgão, o objetivo da publicação é "sistematizar a pesquisa da demanda por formação profissional do setor produtivo e da oferta de qualificação por instituições de ensino, realizando uma análise de matchmaking com foco em ocupações futuras prioritárias na área de energia". A análise foi realizada baseada em quatro frentes: geração de energias renováveis, redes inteligentes de transmissão e distribuição, mobilidade elétrica, eficiência energética e resposta da demanda.

Segundo o levantamento, para que as transformações do setor sejam concretizadas, é necessário que também que ocorra uma estruturação na educação que forma profissionais na área. “Para concretização das transformações energéticas é fundamental o fortalecimento das capacidades das estruturas educacionais existentes, além da inserção de novos conhecimentos e habilidades nas ofertas educacionais”, aponta o material.

Da parte do profissional, o professor Jads aconselha atenção com as mudanças e novas tendências para o ramo. "O profissional que deseja atuar nesse setor deve estar inteirado das mudanças e tendências do mercado de energia. É um novo perfil, exigindo mais competências e conhecimento em novos modelos de negócios e gestão energética", avalia. "Certamente é um cenário promissor, com remuneração atrativa. Quem apostar nesse setor não vai se arrepender da decisão", conclui.

Confira, abaixo, as 10 profissões do futuro e suas formações na área de energia listadas pelo estudo do Ministério de Minas e Energia.

1. Gestor de Regulação e Políticas Públicas (Engenharias, Administração e Direito)

2. Analista, Especialista e Gerente de Inteligência de Mercado (Engenharias e Economia)

3. Especialista de Gestão Energética (Engenharias e Arquitetura)

4. Gerente de Infraestrutura de Recarga e Instalação de Eletropostos (Engenharias: Civil, Elétrica e Automação; e
Administração)

5. Consultor de Novos Negócios (Engenharias)

6. Engenheiro Automotivo (Engenharias: Elétrica, Mecânica, Automação e Automotiva)

7. Especialista de Operação de Redes (Engenharias: Elétrica e de Energia)

8. Analista e Gerente de Frotas (Engenharias: Transporte e Civil; e Administração)

9. Analista e Gerente de Projetos (Engenharias: Elétrica, Mecânica e Automação)

10. Desenvolvedor de Aplicações (Engenharias: Elétrica e Automação; e Computação)

Fonte: Agência Educa Mais Brasil
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário