24 de novembro, de 2021 | 09:00

Intervalo entre doses da Pfizer é reduzido para 21 dias, em Minas

Bruna Lage
Até então, a orientação do Estado era que o intervalo das doses da Pfizer fosse de 56 dias   Até então, a orientação do Estado era que o intervalo das doses da Pfizer fosse de 56 dias

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) anunciou que reduzirá o intervalo entre a primeira e a segunda dose da Pfizer para 21 dias. Até o momento, o intervalo entre as doses era de 8 semanas (56 dias).

Em Ipatinga, o governo municipal já havia anunciado, no dia 19 deste mês, que iria reduzir o intervalo para 21 dias entre a primeira e a segunda dose da vacina da Pfizer para pessoas acima de 18 anos. Assim, todos os adultos que tomaram a primeira dose, há 21 dias, estão aptos a receber a segunda dose do imunizante.

Conforme a subsecretária de Vigilância em Saúde da SES-MG, Janaina Passos, a segunda dose é fundamental para evitar o aumento de casos graves e garantir proteção coletiva. “O objetivo da redução do intervalo entre a primeira e a segunda dose é acelerar a vacinação dos mineiros, aumentando a quantidade de pessoas com esquema vacinal completo. Dessa forma, conseguimos reduzir os índices de transmissão da doença e as internações, principalmente os casos graves”, explica.

A implementação da medida entrou em vigor após publicada a deliberação aprovada pela Comissão Intergestores Bipartite (CIB), instância de gestão que reúne representantes da SES-MG e dos municípios.

Vacinas

Até o momento, segundo dados do Vacinômetro, a cobertura vacinal em Minas Gerais das pessoas acima de 12 anos com a primeira dose (D1) é de 90,05%, e com a segunda dose (D2) ou dose única é de 73,62%. Além disso, já receberam a dose de reforço, 1.609.282 pessoas.

Dose de reforço

A deliberação também oficializa a orientação do Ministério da Saúde (MS), sobre a aplicação da dose de reforço da vacina contra a covid-19 para todos os indivíduos com mais de 18 anos de idade. Conforme o novo protocolo, a dose deve ser administrada após cinco meses da última dose do esquema vacinal primário, com os imunizantes Pfizer, Astrazeneca e Coronavac. No caso de pessoas com imunossupressão, a dose adicional deverá ser administrada 28 dias após a última dose do esquema vacinal primário.

Imunizante específico

Conforme a SES-MG, a vacina a ser utilizada para a dose de reforço deverá ser, preferencialmente, da Pfizer ou, de maneira alternativa, da Janssen ou da Astrazeneca, independente de qual tenha sido o imunizante aplicado no esquema vacinal primário. A ampliação da dose de reforço para a população acima de 18 anos depende do envio das doses por parte do Governo Federal.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Observador

24 de novembro, 2021 | 15:48

“Mas não era para ser dose única ?

Acho que o povo foi enganado mais uma vez.”

Envie seu Comentário