20 de novembro, de 2021 | 08:24

Moradores de áreas rurais que reivindicam energia elétrica organizam protesto em Cava Grande

Foto enviada por leitor
Falta de escrituras das chácaras também dificulta ligação da rede elétricaFalta de escrituras das chácaras também dificulta ligação da rede elétrica

Um grupo de moradores e chacreantes de comunidades rurais de Marliéria organiza uma manifestação para a próxima quarta-feira (24), no distrito de Cava Grande, quando pretendem fechar o acesso à MG-760. O motivo é a longa espera pela ligação de energia elétrica nas propriedades, que em alguns casos já dura cerca de sete anos. A falta de escritura dos terrenos também se tornou um problema e dificulta o fornecimento do serviço.

No dia do ato, os moradores pretendem fazer uma reunião com representantes da Companhia Energética de Minas Gerais – Cemig, políticos e demais autoridades para reivindicarem o fornecimento da energia elétrica. As localidades chamadas de Goiabeira, Sapucaia, Garrincha, Lagoa Seca, Alto Pimenta, Chácara Boa Vista, Derrubadinha II e III estão nas proximidades de Cava Grande seguindo pelo acesso da rodovia MG-760, em direção a São José do Goiabal.

Mesmo com projetos já autorizados e com a ordem de serviço expedida pela Cemig, a maioria dos sitiantes não consegue a ligação da energia para suas casas. José Geraldo Gomes é um dos moradores que esperam pela energia, e mostra o documento quando fez a primeira solicitação em julho de 2016. “Neste pedido fala que está tudo liberado para fazer e depois vai alguém e fala que é parcelamento de solo e que não poderia fazer, mas meu sítio tem mais de 20 mil metros e por isso não é parcelamento de solo. Como não temos direito se há terrenos bem próximos já com energia?”, questiona.

O morador conta como improvisa para viver na localidade sem o serviço de energia elétrica. “A gente usa lamparina, lanterna e gerador aqui, para passar a noite em um lugar tão perto de Cava Grande que tem energia elétrica”, contou. Ele falou ainda sobre pessoas que esperam há 20 anos na comunidade do Garrincha pela ligação da Cemig.

Grupo também pede escrituras dos terrenos

Eudes da Silva, morador da localidade de Goiabeira, também já passou pelo problema e depois de muitos anos de espera conquistou a energia em sua casa. Hoje ele ajuda os moradores com as solicitações e afirma ter uma lista de cerca de 300 pessoas que já fizeram o pedido junto à Cemig. A maioria é recusada e um dos motivos é a falta de escritura do terreno, o que impede que o serviço seja feito gratuitamente. “Esse pessoal está à luz de vela e gerador com a gasolina no preço que está... E aqui tão próximo de Cava Grande... E tudo em volta dos terrenos já tem luz. E ainda tem a GPM enrolando com as escrituras”, contou.

O terreno que já pertenceu à antiga Companhia Acesita foi loteado pela empresa de empreendimentos imobiliários que, segundo Eudes da Silva, atrasa a entrega das escrituras. O Diário do Aço tentou contato com os representantes da empresa, por meio dos telefones informados em sua página, na internet, porém não conseguiu atendimento.

Cemig alega falta de regularização dos terrenos

Já, a Cemig, por meio de nota enviada ao jornal, informa que a regulamentação do setor elétrico e o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) firmado com o Ministério Público impedem que a empresa faça a ligação de energia elétrica não apenas em loteamentos considerados irregulares, como também em ocupações em terrenos de terceiros, em parcelamento irregular do solo, em área de preservação ambiental, em loteamentos regulares - mas sem a infraestrutura urbana necessária, como calçamento, ou com rede de distribuição de energia clandestina, ausência de documentação válida, entre outros motivos. E por isso, é necessário que os interessados busquem a regularização do loteamento junto à prefeitura.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Marcus Vinicius de Sousa Lacerda

21 de novembro, 2021 | 19:52

“Sou proprietário de uma chácara na lagoa seca já dei início na minha chácara já fiz vários investimento esperei o tempo que pediram por lei que era de 18 meses já quitamos o pagamento e agora estou precisando de energia pra fazer mais melhorias no terreno”

Rosangela Duarte

21 de novembro, 2021 | 17:19

“Temos uma chacara pronta , na Regiao fazenda Boa vista, cava grande.A anos ja reivindicando junto a cemig, sem sucesso..
O transformador esta bem perto da nossa chacara, 90 metros aproximadamente..
Infelismente nao conseguimos usufrir da nossa chacara, devido a falta d energia..
Tomara que com o protesto nos conseguimos.
Sonhamos muito em ter uma chacara..”

Cleber Camargo

21 de novembro, 2021 | 09:50

“Vamos fazer uma manifestação totalmente legal pelo nossos direitos de energia elétrica e as escrituras dos terrenos que compramos da GPM .”

Cleber Camargo

21 de novembro, 2021 | 09:37

“Tenho o terreno há 6 anos, quitado e não a escritura nem energia elétrica. É um absurdo e por isso estamos lutando de todas as formas legais para adquirir a energia elétrica e a escritura do terreno.”

Cristóvão Folgado Paulino

21 de novembro, 2021 | 09:14

“Também sou proprietário de um terreno no garrincha a muito tempo estamos esperando ligação da Ernegia elétrica, samos trabalhadores
Compramos pagamos somos cidadão de bem em busca nosso sonhos. Muitas promessas feita para ligação da Ernegia elétrica cumprimento sem sucesso alguns lugares muitos foram beneficiados com Ernegia elétrica nosso grupo garrincha goiabeira e outros vamos ficar esperando até quando ?”

Jane

21 de novembro, 2021 | 08:06

“Não temos que dá ideia a comentários impróprios de pessoa que não entende de DIREITO ou talvez não tenha o que fazer.
Somos cidadãos trabalhadores, lutadores e como muitos buscamos adquirir nosso cantinho, espaço, nosso terreno que PAGAMOS com promessa de recebemos as escrituras pós término da quitação o que a grande maioria já fizeram e até o momento não receberam as referidas escrituras,
Outros que já estão com escrituras em mãos e solicitaram energia elétrica um "direito de todos" que não está sendo cumprido.
Nossa indignação é a falta de comprometimento dos órgãos responsáveis, são desses órgãos que aguardamos respostas concretas e que garantam a nós o que necessitamos por direito.”

Edmar

21 de novembro, 2021 | 06:47

“Bom dia sou proprietário de uma chácara na região também todos nós estamos reinvindicando o que é de direito nosso. Compramos e pagamos nosso terreno precisamos de energia elétrica.”

Shesley

20 de novembro, 2021 | 21:35

“Essa situação é uma falta de respeito. Somos proprietários e contribuintes, andamos com nossas obrigações legais em dia e temos um sistema que não funciona da maneira que deveria, é um jogando para o outro e não resolvem o problema. Queremos ter direito de usufruir da melhor maneira dos nossos bens. Com dignidade e com todos os recursos disponíveis que estiver no nosso alcance. Vamos lutar por isso.”

Oliveira

20 de novembro, 2021 | 17:04

“Contrato de compra e venda não é escritura pública. Reitero: quem não registra não é dono. Cobrem de quem lhes vendeu a regularização da documentação bem como o uso da energia elétrica. O Brasileiro "experto" poder ser o vendedor bem como o comprador que não exige o devido título da terra ou de seu direito. " O Direito não socorre aqueles que dormem".”

Hugo

20 de novembro, 2021 | 16:57

“Esperta são as grandes empresas que vendem , fazem o chacreamento , cerca tudo e ninguém fala nada , depois fala que não pode ter luz , as chácaras que tem ali ninguém invadiu , paguei por ela , comprei de uma empresa , e a energia vai chega pode ter certeza . Se Deus é por nós quem será contra nós”

Sérgio Costa

20 de novembro, 2021 | 16:20

“Não invadimos terra de ninguém,compramos e pagamos e o documento e a energia é direito de todos nós,muito ajuda quem não atrapalha.”

Werculys Alves Bitencourt

20 de novembro, 2021 | 15:57

“Em 2015 comprei 02 hectares conforme a legislação Brasileira!
Até hoje não tenho escritura e nem energia elétrica!
De quem é a culpa não sei !
Minha que não é !”

Gilson

20 de novembro, 2021 | 14:55

“Se o pessoal do meio ambiente está barrando a instalação de energia elétrica na região, então porque permitiram que a empresa GPM, vendesse as glebas de terra? Não deveriam ter autorizado a venda das terras. No Brasil só os empresários é que tem direito. Um absurdo. Temos que reinvindicar essa energia, é nosso direito. A GPM é obrigada a fornecer a escritura para quem já quitou a terra.”

Jhone Santos

20 de novembro, 2021 | 13:25

“Inadmissível uma situação dessa. Compramos e pagamos um imóvel que pertenceu a uma empresa que há décadas é uma dos "carros chefe" da economia da região, negociação efetuada pela GPM, empresa legalizada diante dos órgãos públicos, e agora não conseguimos usufruir de um direito básico garantido pela Constituição Federal com a tese de estarmos ilegais??? Inconcebível isso!! Queremos apenas que os componentes envolvidos honre seus compromissos de forma que conquistamos nosso direito de viver no local que adquirimos com grande sacrifício.”

Marlierense

20 de novembro, 2021 | 12:54

“E qual a culpa se quem transita na Estrada? É documento necessário? Façam protesto na GPM. Na hora de comprar ninguém pensa. Compra no alto do morro, no buraco, na grota. Ah tá barato! Vou comprar e lotear depois... Regra é regra.... Quem não registra não é dono.”

Vinicius Silva Machado

20 de novembro, 2021 | 12:50

“GPM e CEMIG, mais atenção,bom senso e respeito com todos os cidadãos com propriedade rural na cidade de Marliéria, Distrito de Cava Grande.”

Maria Helena

20 de novembro, 2021 | 12:28

“Incrível como as pessoas se acham no direito de fazer certos comentários , sem saber da situação e sem ter ciência dos fatos é muito fácil julgar sem antes saber e sair ?acusando? os outros . Por isso que o Brasil não cresce , por conta de pessoas que acham que sabem demais e no final não sabem de nada . É o Brasileiro ?mais entendido que os outros ?”

Castro

20 de novembro, 2021 | 11:54

“Compramos e pagamos o nosso terreno agora que a GPM e a Cemig entra em acordo com cada um de nós para resolver este problema temos nossos direitos que sejam respeitado”

Castro

20 de novembro, 2021 | 11:51

“E uma vergonha a empresa GPM e a Cemig ficar com este jogo de empurrar pois todos nós compramos nossas terras queremos apenas oque temos direito energia estão tentando enganar mais de 300 pessoas com este jogo de empurrar que Deus tenha misericórdia destes enganadores.”

Tamiris

20 de novembro, 2021 | 11:50

“Muito triste ver pessoas que se dispoem a tirar um "precioso" tempo para criticar e não tiram um tempo para se informar de todo o contexto.Essas pessoas ao meu ver vivem no Brasil que merecem,uma pena que não vivem nele sozinhos!”

Fabricio

20 de novembro, 2021 | 11:33

“Infelizmente a burocracia, incompetência , ideologias políticas e muita má vontade tem feito do nosso Brasil um país atrasado, sei que alguns realmente fizeram parcelamento de solo de forma indevida, porém a maioria está dentro do escopo da lei, a um grupo de gestores na reserva florestal que não estão nem ai para os moradores no entorno da reserva que já vivem naquela região muito antes dela se tornar patrimônio histórico e de preservação , falam em preservação ambiental mas parecem nunca terem ouvido falar de turismo ecológico, sou proprietário moro fora do Brasil e no país onde resido atualmente vejo como o turismo ecológico não só protege as áreas de preservação como também estimula a economia local trazendo desenvolvimento e bem estar social produzindo assim uma melhor consciência ecológica pois o contato com a natureza desperta nos seus visitantes e moradores essa consciência, precisamos mudar essa realidade, vamos lutar por um Brasil melhor e pelos nossos direitos!!!.”

Tião Aranha

20 de novembro, 2021 | 11:18

“A comunidade tem que unir e cobrar mesmo dos políticos, porque ano que vem tem eleição. Risos. Terreno com energia elétrica fica mais mais fácil de vender. Eu mesmo sei de muitos que querem vender.”

Eudes

20 de novembro, 2021 | 10:59

“Somos proprietários,temos documentos registrado em cartório, não invadimos nen roubamos”

Eudes

20 de novembro, 2021 | 10:56

“Somos todos proprietários,temos documentos registrado em cartório, não invadimos nen roubamos,queremos apenas energia elétrica pois temos o direito como toda a região vizinha tem energia”

Tamiris

20 de novembro, 2021 | 10:55

“O meu jovem, não tem nada de brasileiro esperto. Todos as chácaras foram vendidas e pagas com documentação e dinheiro trabalhado e suado. Estamos correndo atrás de nossos direitos e documentação perante a empresa gpm - chácaras grandes próximas tem energia e por que as nossas não podem? Infelizmente e o poder e a política intervindo. Mas vamos batalhar juntos para conseguir nossa energia que é direito”

Cassio

20 de novembro, 2021 | 10:53

“minha chacara fica 600m do ultimo poste energia que atende aras serra negra la todos tem energia, ja tem quase 1 ano que paguei cemig um contrato particular ficou quase 12mil reais para ligar energia na minha chacara, cemig ja esteve no local tirou as medidas marcou onde vai ficar transformador, mas para minha surpresa recebi uma carta avisando que obra estava suspensa devido a uma licença ambiental que cemig prescisa conseguir, desde entao estou sem dinheiro e sem minha energia e um descaso total porque menos 600m todos tem energia e eu nao posso???? nao estou pedindo favor quero somente o que paguei simples!!!!!!!!!!!!!!!!!”

Léo

20 de novembro, 2021 | 10:18

“Sou o dono sim . Comprei e paguei o meu terreno de 20.000 metros quadrados e tem as medidas necessárias para que se possa fazer a escritura . Tenho o contrato de compra e venda que é aceito pela Cemig e estou aguardando o grupo GPM que foi o empreendimento que me vendeu o terreno me liberar a escritura . Sendo assim : peço que leiam a reportagem e ajudem o Brasileiros honestos que pagam seus devidos impostos a lutar pelos seus direitos .”

Léo

20 de novembro, 2021 | 10:08

“Sou o dono sim . Comprei e paguei , tenho registro de compra e venda e estou aguardando a liberação do empreendimento que me vendeu para fazer a escritura do terreno que tem os 20.000 metros exigidos pela lei para que se possa registrar . Leiam a reportagem pessoal , e ajudem os Brasileiros honestos pagadores de seus impostos a lutar pelos seus direitos .”

Léo

20 de novembro, 2021 | 09:55

“Sou proprietário de uma chácara na região das chácaras Boa Vista . Fiz o pedido de ligação de rede elétrica com a Cemig e fizemos um contrato de valor próximo a 10.000 reais após o pagamento me pediram um prazo de 120 dias para a conclusão da obra e quando estava pra finalizar o prazo , recebi uma correspondência da Cemig informando q a obra seria paralisada isto antes de começar aguardando liberação do Meio Ambiente . O que eu não entendo é que tem chácaras ao lado da minha que existe rede elétrica e a alta tenção passa sobre a minha chácara e muitas destas chácaras foram ligadas as rede depois q eu comprei minha chácara e várias estão mais próximas do Parque Estadual do que a minha . Então como me explicam : porque que para alguns pode ser feita a ligação e para outros não ?”

Oliveira

20 de novembro, 2021 | 08:44

“Quem não registra não é dono. Quem não tem documento como prova ser o dono do imóvel? A propriedade rural tem medidas mínimas para serem reconhecidas como tais. É o Brasileiro "experto"!”

Envie seu Comentário