19 de novembro, de 2021 | 14:03

Salário dos comerciários tem reajuste de 8.8% em Ipatinga

Emmanuel Franco
O salário-base da categoria passa de R$ 1.240 para R$ 1.349O salário-base da categoria passa de R$ 1.240 para R$ 1.349

Chegou ao fim na tarde desta quinta-feira (18), após mais de três meses, as negociações que definiram o reajuste salarial – previsto em lei – para os empregados no comércio de Ipatinga. O salário-base da categoria passa de R$ 1.240 para R$ 1.349, ou seja, foi corrigido em 8.8%, aumento que é retroativo à data-base de 1º de outubro. Para quem ganha acima do piso, o acréscimo será de 8.18%, também retroativo a 1º de outubro. A informação foi divulgada na sexta-feira (19) pelo Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista de Bens e Serviços (Sindcomércio) do Vale do Aço.

De acordo com os representantes patronais, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) é um dos balizadores das negociações com os empregados. E o acumulado dos últimos 12 meses do INPC, esclarecem os empresários, foi divulgado no último dia 10: está em 11,07%.

“Uma inflação muito alta, que tem penalizado a população e também a nós, que precisamos empreender, mas acabamos de mãos atadas. Lutamos para negociar o menor reajuste possível, pois entendemos as muitas dificuldades que as empresas têm enfrentado já há um bom tempo”, comentou José Maria Facundes, presidente do Sindcomércio.
Conforme os representantes da entidade patronal, foram debates calorosos à mesa de negociação com o Sindicato dos Empregados no Comércio e Serviços de Ipatinga (Seci) e chegar a um consenso foi possível só após muito diálogo. “As negociações foram pesadas e se estenderam mais do que o previsto, pois temos enfrentado um momento econômico conturbado e o comerciante não aguenta mais despesas. Entendemos, também, que essa era a hora de finalizar os debates e assinar a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), pois arrastar mais essas discussões poderia ser pior para o empresário, pois a tendência, nos próximos meses, é que a inflação cresça vertiginosamente”, explica Facundes.

O Seci avalia que, após meses de negociação sem avanços, a assinatura da Convenção representa uma conquista para a categoria. “Esse reajuste não chega nem perto do salário ideal, que segundo o Dieese deveria ser de R$ 5.886,50. Mas o Seci considera essa negociação um avanço. Ainda mais considerando que a maioria dos reajustes analisados pelo Dieese na primeira quinzena de outubro ficaram abaixo da inflação. Então, o sindicato é um dos poucos que conseguiu pelo menos repor a inflação e isso, com certeza, é uma conquista em tempos de tanto desemprego e retirada de direitos”, destaca o coordenador Geral do Seci, Claudio Marconi.

Reajuste em janeiro

Além do reajuste imediato de 8.8% para o salário-base, e de 8.18% para os demais salários, os comerciários terão um novo aumento em janeiro. Será aplicado sobre o novo salário comercial o percentual de 2.67%, passando a vigorar o valor de R$ 1.385 em 2022. Também em janeiro, quem ganha acima do salário-base receberá um aumento de 2.60%, detalhou o sindicato.

“Fracionamos o reajuste e consideramos que praticamente não houve ganho real para a categoria. As partes entenderam que, neste momento, só era possível a reposição salarial”, conclui o presidente do Sindcomércio. Mais informações sobre a CCT assinada estão disponíveis em www.sindcomerciova.com.br ou podem ser obtidas por meio dos telefones 3821-9020, 3842-2040 ou 3849-4490.

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário