19 de novembro, de 2021 | 13:56

Mudança de comportamento na mineração

Henrique Costa de Seabra *

O que esperar como reação do setor minerário após a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 26)? Essa pergunta instiga os atores que fazem parte do setor mineral. Em uma das coletivas de imprensa do evento, o Ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, defendeu que a mineração pode ser “verde”, mesmo diante dos desafios intrínsecos da atividade. Ainda na mesma coletiva, o ministro foi taxativo ao cobrar que países ricos assumam compromissos até o fim da COP 26, principalmente em relação à concessão de financiamentos a países em desenvolvimento e apoio a projetos sustentáveis.

Vale destacar que a produção mineral no país é positiva e está em franca expansão. De acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), a produção de minério em toneladas cresceu 14% no terceiro trimestre desse ano em comparação ao trimestre passado. Em faturamento, comparando ao terceiro trimestre de 2020, houve um aumento de 114% no terceiro trimestre de 2021.

"É fundamental que os novos
projetos de mineração passem
a se preocupar de forma mais
ativa com a sustentabilidade"


Ainda, em se tratando de exportação mineral, para que o país tenha maior participação no mercado exterior, não restam dúvidas que são necessárias mudanças na política ambiental brasileira, considerando que o mercado internacional está cada vez mais preocupado e voltado para as questões ambientais.

Nesse sentido, é fundamental que os novos projetos de mineração passem a se preocupar de forma mais ativa com a sustentabilidade. Como bons exemplos temos a Vale, que tem como princípio de atuação três dimensões: o Operador Sustentável, o Catalisador do Desenvolvimento Local e o Agente Global de Sustentabilidade e a Sigma Lithium que garante buscar maneiras de tornar as suas operações mais sustentáveis seguindo os princípios de ESG (referentes a critérios ambientais, sociais e de governança).

* Especialista e mestre em Direito Ambiental

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Tião Aranha

19 de novembro, 2021 | 18:33

“O texto já vinha até bem, com bom entendimento, mas esse final aí logo com a Vale, matou a pau. Se os acidentes ambientais tivessem ocorrido nos USA ou Canadá, as indenizações de cada pessoa seria acima de cinco milhões de dólares cada.”

Envie seu Comentário