20 de outubro, de 2021 | 13:49

Com a mentira não se brinca

Isabel Rodrigues *

Mentir é um erro. Mentir sobre assunto sério, que pode gerar danos à sociedade, por vezes irreversíveis, vai muito além do simples erro, pode ser crime. E grave. Não se doura a mentira chamando-a de fake news, glamourização de uma palavra gringa que no Brasil já é quase que uma piada, usada não raro para aliviar uma situação difícil, também para o disseminador, o mentiroso. Com a mentira não se brinca. Informação exata, correta e verdadeira previne doenças, acidentes, enfim, salva vidas.

Expressar inverdades, principalmente sobre temas relacionados a áreas consideradas sensíveis, que tem a informação como única ferramenta eficaz de prevenção, nada tem a ver com liberdade de expressão, como querem alguns. Trata-se, novamente, de uma falácia, o que obriga a todos os cidadãos a permanecerem atentos, pois não são raros os discursos bem elaborados, mas sem qualquer fundamento relacionado à verdade.

A mentira, que segue sendo usada com frequência nessa pandemia, por exemplo, pode induzir o indivíduo ao erro de não se cuidar e, a partir daí, levá-lo à contaminação, hospitalização e até a morte. Além de poder contaminar outros ao seu redor. Um círculo vicioso irresponsável.

Líderes de opinião, aqueles especialistas que interpretam cenários, artistas de TV, comunicadores de rádio e famosos de reality shows, que estão a todo instante se comunicando em suas mídias sociais com fãs e seguidores, ou mesmo quando questionados pela imprensa, precisam agir com responsabilidade, ter consciência do papel que desempenham e do poder de suas palavras. Eles sabem que podem influenciar pessoas.

Essa mesma conscientização e responsabilidade deve ser exigida dos jovens que hoje buscam a fama e tudo o que ela pode oferecer (glamour, bajulação e dinheiro) atuando pelas plataformas de vídeo da Internet. Estes também possuem forte capacidade de influenciar as suas audiências. Não é por outra razão que são denominados de "influencers".

"A disseminação da mentira
traz danos sérios à sociedade,
alguns podem ser irreversíveis.
O compromisso com a verdade
não é apenas da imprensa"


Infelizmente, alguns disseminam conceitos que contrariam a verdade, ou seja, espalham mentiras. E não vale dizer, para desculpá-los e preservar os números de clicks da audiência, de que erram porque são jovens ansiosos, inexperientes, desinformados etc. Nenhum público gosta de ser enganado, nem mesmo os que dão clicks para influencers. Eles precisam saber que isso acontece.

Jornalistas também erram, não são donos da razão. E independentemente da plataforma de atuação, o compromisso profissional tem que ser com a realidade dos fatos. Eles sabem quais caminhos trilhar para confirmar qualquer informação duvidosa. No entanto, pela pressão do tempo e desencontros provocados por este mesmo tempo escasso, equívocos ou erros escapam. Porém, dificilmente este erro é cometido de forma deliberada, com a intenção de enganar o público; quando o erro é percebido, não raro é corrigido imediatamente.

É importante saber separar o joio do trigo. Com a liberação da Internet para o público e o surgimento das redes sociais, foram criados muitos veículos virtuais de comunicação. Contudo, alguns desses nada têm a ver com os veículos sérios e profissionais da comunicação, que valorizam a ética, o compromisso com a notícia e o cuidado na sua busca, elaboração e publicação. E tudo isso em respeito ao público, que precisa confiar no que lê, ouve e assiste nos veículos de comunicação de sua preferência. Credibilidade, cabe reafirmar, é vital para qualquer veículo, da mídia tradicional ou não, que deseja ser considerado de forma positiva por seu público consumidor.

A maioria dos indivíduos que compartilham informações enganosas pelas redes sociais certamente o fazem sem saber de que se trata de inverdades e, não só isso, dos possíveis danos da sua disseminação. Recentemente foram criados alguns veículos de checagem, mas estes, lamentavelmente, ainda são insuficientes para retratar o volume de inverdades que circulam por aí. Diante desse cenário, o que resta a todos em caso de dúvidas é sempre buscar a veracidade da informação. E se não a encontrar, jamais compartilhá-la. A dúvida pode ser uma mentira e causar algum tipo de dano à sociedade.

* Mestre em Comunicação e Cultura Midiática e professora da FAAP e Unisantos

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Tião Aranha

20 de outubro, 2021 | 14:07

“Tenho os pés atrás no que tange a influencers, esses caras deveriam ter um melhor preparo da vida já que cada um deles tem um público alvo. Cadeia pros mentirosos. Tem de começar lá de cima.”

Envie seu Comentário