19 de outubro, de 2021 | 14:16

Solidariedade, visão sistêmica e inclusão: Empreendedorismo Social a nova chave para a educação básica

Raphael Ozawa *

Se existe um aspecto que ganhou força nos últimos tempos é o senso de empatia e coletividade. Em meio a maior pandemia das últimas gerações, surgiu uma rede de pessoas com um único propósito: a preservação da vida. O olhar para o próximo, tido sempre como um pressuposto essencial para o funcionamento de qualquer sociedade, parecia ter se perdido na corrida desenfreada por avanços mercadológicos. Mas, com o inesperado surgimento do coronavírus, em dezembro de 2019, a visão sistêmica para combate e enfrentamento da crise sanitária e financeira voltou-se para questões primordiais de sustentabilidade. Afinal, como podemos criar um mundo melhor? Ficou claro que uma das respostas é a busca por soluções para preservação do meio ambiente e outras problemáticas da sociedade.

Pensando nisso, nota-se um fortalecimento da prática de Empreendedorismo Social, com o desenvolvimento de ações capazes de gerar impactos positivos e transformações no mundo. Adotar essa prática no ensino básico é um movimento inerente da revolução que estamos vivenciando na área da educação.

Desde a década de 1980, especialmente quando as iniciativas socioambientais resultaram em negócios rentáveis, o termo Empreendedorismo Social vem ganhando força no Brasil. Nesse período, houve uma queda nos investimentos públicos em programas de assistência social, o que acarretou um crescimento da desigualdade e uma maior participação do setor privado em ações no campo social. Essa movimentação filantrópica passou a ser planejada e monitorada por empresas e cidadãos.

Agora, diante de uma nova realidade, o universo da educação incorpora essa vertente e se propõe a engajar as pessoas desde a infância nesse objetivo, que contempla perspectivas históricas, culturais e sociais, para proporcionar um mundo em que todos tenham acesso a direitos básicos e a uma vida digna.

Mas, como implementar o Empreendedorismo Social no ensino básico? O primeiro passo é pensar na educação como uma comunidade formada por grupos diversos e multietários, com crianças de diferentes idades, realidades sociais e étnicas.

“Engajar estudantes no modelo
de ensino, com propósito, requer
um trabalho diário para mantê-los
informados sobre o cotidiano
global e regional”


O impacto transformacional na educação ocorre a partir do momento em que a escola é repensada como um todo em quesitos de locação, papel do professor e trajetória do estudante. Por exemplo, porque não criar um coletivo de mestres, tutores e especialistas de diversas áreas que será responsável por orientar projetos que apresentam soluções sustentáveis? Trata-se da transformação de uma educação conteudista para uma educação com propósito.

Engajar estudantes nesse modelo de ensino requer um trabalho diário para mantê-los informados sobre o que está acontecendo no cotidiano global e regional. Quais são as principais problemáticas mundiais e do país em que vivem? Como a comunidade mais próxima está vivendo? O bairro e arredores da escola estão enfrentando dificuldades? Essas questões interligam os alunos à realidade e, consequentemente, os aproximam de pontos fundamentais para o desenvolvimento humano.

Somado a isso é essencial descobrir os principais interesses e necessidades de cada estudante e oferecer autonomia para que, no coletivo de mestres, colegas e familiares, eles proponham soluções para os principais dilemas socioambientais. A tecnologia e a inovação são peças indispensáveis nesse processo transformacional.

Quem atua na área de educação sabe o quanto é gratificante ver crianças e jovens motivados e envolvidos em um projeto. Ainda mais quando esse planejamento proporciona mudanças significativas para o mundo. Os 17 objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU visam solucionar problemas relacionados à pobreza, fome, desigualdade social e falta de saneamento básico e devem ser atingidos até 2030. As chances de juntos alcançarmos essas metas não seriam muito maiores se ensinarmos nossas crianças, desde cedo, a terem um pensamento crítico, coletivo, solidário e empático?

Mas seria até irônico tentar promover essa mudança significativa considerando apenas o ensino em âmbito privado. Por isso convido vocês a repensarmos a educação como um todo e para todos!

Vamos apoiar as escolas públicas, oferecer consultorias e plataformas inovadoras que proporcionem uma metodologia ativa, gestão participativa e, juntos, construiremos uma educação para um mundo melhor.

* Empreendedor, especialista em tecnologia educacional e CEO da Lumiar Educação.

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Tião Aranha

20 de outubro, 2021 | 14:19

“Desenvolver qualquer projeto sem começos, meio e fim, fica difícil. E o princípio da empatia deveria começar de casa. Risos. 2030 tá logo ali.”

Envie seu Comentário