12 de outubro, de 2021 | 17:02

A caminho do hospital policial militar teve que fazer o parto do próprio filho

Mãe e menino, que nasceu com quase 4 quilos, estão hospitalizados e passam bem, sem riscos

 O cabo PM Willian Siqueira e a esposa, Ana Luíza Dias O cabo PM Willian Siqueira e a esposa, Ana Luíza Dias

Neste 12 de outubro, dia das crianças, a Polícia Militar conta uma história de coragem, calma e fé. O cabo PM Willian Siqueira e sua esposa, Ana Luíza Dias, estavam esperando o pequeno Arthur, já com 8 meses de gestação. E nesta madrugada de chuva Arthur resolveu nascer.

Por volta de 1h da madrugada a bolsa estourou e então eles rapidamente pegaram suas coisas e começaram a se deslocar, do Córrego Guarani, zona rural em Reduto, na Zona da Mata mineira, onde residem, com destino ao hospital e maternidade César Leite, em Manhuaçu, a cerca de 18 quilômetros de distância, dos quais, 6 quilômetros em estrada de chão.

Mas Arthur estava com pressa e, durante o trajeto, o cabo Siqueira teve que parar o veículo, no meio da estrada, ainda no córrego Guarani.
Arthur não esperou os pais chegarem ao hospital e veio à luz no meio da viagem para a maternidade Arthur não esperou os pais chegarem ao hospital e veio à luz no meio da viagem para a maternidade

"Tem que ter muita calma, muita calma, muita fé, e Deus sabe, Deus sabe as coisas que faz... então de baixo de chuva, no meio da estrada, mata de um lado, mata do outro, a gente com muita oração, com muita fé, depois de cinco minutinhos Arthur já tinha nascido”, disse o militar.

Depois de fazer o parto do próprio filho, Willian Siqueira terminou o trajeto e conseguiu chegar ao Hospital César Leite em Manhuaçu. O guerreirinho Arthur e a mãe, Ana Luíza, receberam atendimento médico e estão passando bem. O menino nasceu com 3,775 quilos e 49 centímetros.

Entrevistado no hospital, o cabo Siqueira disse que “foi super tranquilo, minha esposa me agarrava pelo pescoço, puxava meu braço, me dava tapa na cabeça, e quando ela falou pra eu parar o carro que o neném ia nascer, eu não pensei duas vezes, parei o carro, Deus lavou minhas mãos... e quando ele saiu no meu colo... enrolei ele numa toalhinha e na minha jaqueta, coloquei ele nos braços dela, ela estava quase apagando, mas ela se manteve forte, e graças a Deus conseguimos chegar ao Hospital”, detalhou.

O militar, que não escondia a alegria, afirmou que os conhecimentos adquiridos durante o curso de formação na Polícia Militar, em aulas de pronto socorrismo, foram úteis para que conseguisse manter a calma e ajudar sua esposa a realizar o parto de seu filho.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário