09 de outubro, de 2021 | 08:40

''Desculpe-me''

Daniel Medeiros *

Um empresário bilionário, jovem, branco, heterossexual, fez um comentário jocoso e homofóbico sobre um senador da República. O senador rebateu diante dele, olho no olho, dizendo, entre outras coisas: “Como o senhor espera que seus filhos o vejam?”. O empresário então, pediu desculpas. Fim do ato.

O Brasil é o país campeão mundial de violência de natureza sexual contra mulheres e contra a comunidade LGBTQIA+. Violência de toda ordem, física e moral, econômica e social. Mas a pior das violências é a naturalização da violência. No caso do senador, foi possível ver em vários meios de comunicação e nas redes sociais a perplexidade de muitos diante de um assunto que veio à tona “sem ter nenhuma relação com a CPI”, para concluírem: “O senador só quis aparecer.”

A ideia de que a defesa do senador é que foi exagerada, tresloucada ou, no mínimo, inapropriada, revela o tamanho da crise de reconhecimento do "outro" na qual nos encontramos. E a essência da Democracia está justamente nessa capacidade de reconhecer o "outro" como alguém dotado de direitos que não precisam coincidir com os nossos para ser respeitado ou pelo menos tolerado na esfera pública, já que ninguém pode controlar o que as pessoas pensam, mas, sem dúvida, pode-se coibir a forma como as pessoas agem, na medida em que essa ação inflige sofrimento aos outros, entendendo-se sofrimento como qualquer forma de constrangimento às escolhas que essa pessoa fez para viver, desde que essas escolhas, por sua vez, não firam, humilhem ou ameacem ninguém.

A Democracia funciona ou deveria funcionar como uma rede de cuidado e reconhecimento mútuos, fundada em uma premissa básica: posso existir e atuar no espaço público da forma que me aprouver, desde que não ponha em risco a integridade de ninguém. Tal postura não implica ter a simpatia dos outros, nem mesmo a aprovação, mas sim, o respeito e a tolerância. Viva e deixe viver, a igualdade é o direito de todos viverem nas suas diferenças.

"A pior das violências é
a naturalização da violência"


Mas, como sabemos, não tem funcionado assim. A ideia de que uma suposta maioria tem o direito de determinar como a minoria deve ou pode viver ganhou força e libertou os pensamentos duros das cabeças mais moles. A pessoa entende que é seu direito dizer o que pensa e é a minoria que tem de se conformar. Recentemente, um jornalista chegou a dizer: “Quem determina o que é falso ou não?”. Isto é, até o direito de dizer mentiras, sem base e sem fatos, passou a ser direito, não importa se isso expõe pessoas ao risco, ao medo, às doenças.

Mas eis que surge uma tênue luz no fim do túnel, frágil e sem qualquer garantia, mas, mesmo assim, uma luz. A frase do senador, dita olho no olho de seu detrator: “Como o senhor espera que seus filhos o vejam?”. E o pedido de desculpas do homem branco, rico, jovem, heterossexual. Uma vitória do reconhecimento, uma vitória da compreensão, uma vitória do futuro, dos filhos que olharão esse pai com um pouquinho mais de orgulho. Uma vitoriazinha. Que seja!

Na herança bilionária que os filhos desse homem vão receber, esse pedido de desculpas terá um lugar especial. O da transmissão patente de que, apesar de tudo, ele sabe o que deveria ter feito o tempo todo.

* Doutor em Educação Histórica e professor no Curso Positivo.
[email protected]
@profdanielmedeiros

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário