21 de setembro, de 2021 | 13:50

Psiquiatra alerta para uso de antidepressivos sem acompanhamento médico

Além dos efeitos já conhecidos que a pandemia de covid-19 causou, outro indicativo da mudança foi o aumento alarmante no uso de ansiolíticos sem supervisão médica. Um indicativo desse aumento vem da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Em um estudo com 1.460 pessoas de 23 estados, constatou-se o aumento de casos de depressão em 90%, estresse agudo em 40% e crises de ansiedade cresceram 71% durante a pandemia.

Uma pesquisa encomendada pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF) apontou um crescimento de quase 14% nas vendas de antidepressivos e estabilizadores de humor, usados nos casos de transtornos afetivos, como depressão, distimia (neurose depressiva) e transtorno afetivo bipolar. O número de unidades vendidas pulou de 56,3 milhões para 64,1 milhões, apenas nos primeiros seis meses do ano.

Riscos

Segundo o psiquiatra da Fundação São Francisco Xavier (FSFX), Juliano Dantas de Menezes, o uso de ansiolíticos sem supervisão e prescrição médica podem induzir à forte dependência. “Estas medicações possuem o risco potencial de gerar dependência química. Às vezes você está tratando esse sintoma, mas o sintoma não melhora com a mesma dosagem e a pessoa vai necessitando de aumentos sucessivos de doses, progredindo para um quadro problemático, que virá, em última instância, com dificuldades de abstinência”, exemplifica.

“Como são remédios tranquilizadores, diminuem a capacidade de reflexo, de reação, podendo alterar o equilíbrio estático. No paciente idoso podem acarretar confusão mental”, afirma.

Como evitar a dependência

A principal forma de evitar a dependência por ansiolíticos é o acompanhamento médico constante. “O médico especialista irá orientar a pessoa, informando quando e como utilizar a medicação: quando vai ser introduzida, quando será diminuída, quando vai ser tirada. Ele também irá perceber se está ocorrendo algum tipo de indício ou possibilidade de dependência. Assim, podemos rapidamente fazer uma intervenção terapêutica, se for o caso”, analisa.

Outro problema muito frequente relatado pelo psiquiatra é o uso dos ansiolíticos com álcool. Segundo ele, isso é totalmente desaconselhado, já que um potencializa o efeito do outro. “Acaba que causa uma tranquilização e uma sedação muito mais profunda, se tornando algo perigoso para o sistema nervoso central. Além dos riscos para o cérebro, também aumentam as chances de queda, de alteração do sistema nervoso central que possa contribuir para uma parada respiratória, além de uma lentificação motora severa podendo causar inclusive a morte”, reforça o especialista.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Antonio Jose

21 de setembro, 2021 | 15:00

“Fica complicado não se automedicar.. HMC por exemplo so dispõem de atendimento profissional com agendas para depois de 35+ dias”

Envie seu Comentário