15 de setembro, de 2021 | 15:10

Brasil: nação polarizada

Walber Gonçalves de Souza *

Querer e buscar a qualquer custo a unanimidade talvez não seja o melhor caminho para se resolver qualquer situação. O contraditório é sempre salutar, pois provoca inquietações, permite o desenvolvimento dos argumentos que se opõem, propicia crescimento intelectual, possibilita o surgimento de novas ideias, de novas possibilidades.

A unanimidade, mesmo demonstrando ser algo positivo, pois teoricamente evitaria conflitos, pode esconder outras situações não tão positivais assim, como já descritas no parágrafo anterior.

O oposto da unanimidade seria a divisão. Grupos com pensamentos e ações distintas que convivem em uma mesma realidade e se opõem frequentemente e em muitos casos freneticamente. São muitos os casos e exemplos que podemos citar mundo afora desta situação, desde os xiitas e sunitas no Oriente Médio, os democratas e republicanos nos Estados Unidos, e aqui na nossa terra os ditos “conservadores” e “progressistas”. Todos estes grupos apresentam algo em comum, são rivais ferrenhos.

A divisão, mesmo com ares de negatividade, pois teoricamente provoca conflitos, pode também esconder situações positivas, as mesmas já mencionadas no primeiro parágrafo.

Então onde está o X da questão? Conquistar a unanimidade ou estimular a divisão? Seria conveniente chegarmos a um denominador comum ou as ideologias dos grupos devem sempre prevalecer?

Vivemos hoje uma nação polarizada, uma democracia capenga, e pode até parecer estranho o que vou escrever, mas até mesmo em meio à divisão existem situações que deveriam ser unânimes.

Na opinião deste escriba a divisão deveria ser a forma de se chegar ao objetivo, pois realmente os caminhos podem ser diversos para realizamos os nossos objetivos. Agora, os objetivos deveriam ser unânimes: justiça social, saúde de qualidade, educação, moradia, qualidade de vida e tantas outras coisas deveriam ser o fim pelo qual existem todos os grupos que insistem em liderar uma nação.

"A unanimidade, mesmo
demonstrando ser algo
positivo, pode esconder
outras situações não tão
positivais assim”


Mas pelo visto não é isto que estamos vendo no Brasil. Nossa nação está dividida em grupos até mesmo naquelas situações que deveriam ser unânimes. Os grupos esbravejam entre si, vivem num mar de mentiras e/ou “falsas verdades”, criam ilusões populares, discursos maravilhosos e em outros acalorados, que se contradizem da prática e induzem o “nós contra eles”; os “pobres contra os ricos”; os “conservadores” contra os “progressistas”; gerando uma nação fragmentada de princípios e valores políticos e sociais.

E nós, o povo, brigamos por quem? Defendemos qual bandeira? Dos grupos? Ou daquilo que deveria ser unânime em todos eles? Seja qual grupo for, se ele não está de fato do lado da nação, de todos que dela fazem parte, ele não passa de um engodo travestido de uma grande ilusão.

Nossa maior bandeira deveria ser a união em torno dos princípios que edificam uma nação. Defender cegamente pessoas ou grupos é contribuir para a manutenção do caos social pelo qual o Brasil está vivendo.

* Professor e escritor

Obs: Artigos assinados não reproduzem, necessariamente, a opinião do jornal Diário do Aço
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Tião Aranha

16 de setembro, 2021 | 23:19

“A questão é saber quem foi que criou esse " nós contra eles" já que todos trabalham em cima da mentira e da demagogia. Tinha um aí que gostava da alcunha de Vargas, se dizia representante da classe trabalhadora, só que depois que pegou o poder entrou na mutreta dos grandes empreiteiros da nação.”

Envie seu Comentário