11 de setembro, de 2021 | 15:00

Enfrentamento de homicídio e outros crimes violentos é tratado em seminário que envolveu polícia e Poder Judiciário

Divulgação
Encontro reuniu policiais de forma presencial e online, para discutir melhores formas de enfrentamento de crimes violentos Encontro reuniu policiais de forma presencial e online, para discutir melhores formas de enfrentamento de crimes violentos

O comando da 12ª Região de Polícia Militar (12ºRPM) promoveu no fim de semana, no auditório do 14º BPM, em Ipatinga, um Simpósio de Defesa Social, com participação de representantes do Poder Judiciário, Ministério Público e Polícia Civil. O objetivo do evento foi discutir ações para melhoria do trabalho realizado pelos militares na coleta e registro de informações dos homicídios e de outros crimes violentos. O simpósio contou com participação presencial de 40 policiais militares na função de comando e, de forma online, de mais 130 militares das 97 cidades que integram a 12ª RPM.

Comandante da área, coronel Gildásio Rômulo Gonçalves, explicou que a finalidade de um encontro com os outros representantes do sistema de Justiça Criminal é tentar melhorar o desempenho operacional com a redução dos índices criminais e aumento da sensação de segurança da sociedade.

Rômulo acrescentou que, a partir de um estudo foi possível detectar que mais de 25% dos homicídios na área da 12ª RPM tinham o envolvimento de condenados em gozo de prisão domiciliar, livramento condicional e saída temporária. “Esse levantamento despertou a necessidade de uma intervenção pontual. Procuramos nossos parceiros do Poder Judiciário e Ministério Público e hoje estamos acompanhando 3.800 beneficiários da Lei de Execução Penal. Essa fiscalização não é aleatória, já que fizemos uma classificação de prioridade. Com isso já experimentamos uma redução dos homicídios em 15%”.

Divulgação
Simpósio teve participação de representantes da PM, PC, Judiciário e Ministério Público Simpósio teve participação de representantes da PM, PC, Judiciário e Ministério Público

Coronel explicou que, não obstante as estratégias adotadas, é possível otimizar ainda mais o trabalho, começando por pensar como o registro de uma ocorrência realizado por um policial militar, pode ajudar no desenvolvimento dos trabalhos dos demais órgãos. “Temos que refletir sobre a qualidade do nosso trabalho, e como isso vai incidir na redução da criminalidade e na ressocialização desses indivíduos que cometeram delitos. O trabalho da Polícia Militar e dos outros órgãos se complementam”.

No simpósio, o juiz da 2ª Vara Criminal de Ipatinga, Antônio Augusto Calaes de Oliveira enfatizou a importância do diálogo. “Hoje se eu tiver um email ou um telefone no boletim de ocorrência é possível encontrar uma pessoa em qualquer lugar do mundo. Então é importante vocês saberem com mais detalhes o que acontece depois que uma ocorrência é entregue”.

O promotor de justiça da Comarca de Ipatinga, Jonas Junio Linhares Costa Monteiro, avaliou que o acompanhamento dos beneficiários da Lei de Execuções Penais é relevante no combate os crimes violentos e destacou que um boletim de ocorrência bem redigido é uma boa base para uma ação judicial futura. “O militar também é um profissional jurídico. Então o quanto mais ele colher de informações em oitivas, adiantando diligências e dar atenção especial ao boletim de ocorrência é importante”.

O chefe do 12º Departamento de Polícia Civil, delegado Gilmaro Alves Ferreira, destacou que a conversa entre aos agentes de segurança em uma cena de crime é primordial, para que o boletim de ocorrência tenha uma narrativa muito precisa, o que facilita uma base para uma resposta imediata para sociedade, principalmente, em casos como o homicídio.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Valdecir Vieira dos Santos

13 de setembro, 2021 | 11:13

“Teve um aí que criticou o reds. Seria vantajoso ele correr atrás para melhorar o sistema. Vc não consegue puxar a cativara de alguém de outro estado.”

Roberto5

11 de setembro, 2021 | 17:22

“'Não interessa a cor do gato interessa se ele pega o rato'

ditado chinês.”

Roberto

11 de setembro, 2021 | 17:20

“Para a população ordeira ésimples, 'não interessa a cor do gato interessa se ele pega o rato'.
parabéns pela iniciativa!”

Cidadão Que Paga Impostos

11 de setembro, 2021 | 16:38

“Adianta nada a polícia participar de um seminário e quando receber um chamado não enviar nenhuma viatura ao local, mesmo que seja por perturbação de sossego inclusive no bairro Canaãzinho, onde também tem trabalhadores e pagadores de impostos, inclusive que é de onde saí o pegamento dos salários dos policiais.”

Envie seu Comentário