08 de setembro, de 2021 | 17:02

Dicas de leitura para o restante da semana


Alma Armênia


Madga Tagtachian faz parte da terceira geração de armênios na Argentina. A escritora e jornalista empresta a descendência para Alma, protagonista de “Alma Armênia”. Reconhecida internacionalmente pelo trabalho de valorização da história do povo armênio, Magda reflete na obra publicada pela VR Editora as experiências pessoais sobre a cultura. Depois de se apaixonar pelo filho do editor-chefe do jornal no qual ela trabalha, um homem casado, Alma decide viajar ao Oriente Médio para se reconectar com suas raízes e se desvincular deste amor proibido. É neste movimento ousado que encontra muito mais do que imagina: conflitos internos e externos com uma infinitude de possibilidades. Conflitos políticos contornam a narrativa e enriquecem a produção com a realidade histórica do Oriente Médio. Amor, autoconhecimento, história e cultura envolvem as 464 páginas de “Alma Armênia”.
Divulgação


Uma Ponte para Istambul


Em 1929, um fragmento do mapa-múndi foi encontrado em uma prateleira empoeirada do Palácio Topkapi, em Istambul. Confeccionado em 1513, sobre couro de gazela, o objeto suscitou muitas questões. Por exemplo, a Ilha de Marajó que aparece em destaque só seria descrita oficialmente pelos portugueses em 1530. Como, então, um almirante turco poderia saber tantos detalhes da costa brasileira quase duas décadas antes? O Mapa de Piri Reis é um dos enigmas do mundo real transplantados para a ficção “Uma Ponte para Istambul”. O romance da escritora Maria Filomena Bouissou Lepecki tem o enredo entrelaçado a este e outros quatro objetos arqueológicos: o helicóptero de Abydos, do Egito; o aeroplano de Saqara, que se encontra no Museu do Cairo; as baterias de Bagdá; e a moeda fenícia com um possível mapa-múndi microscópico disfarçado de grama sob as patas do cavalo. Estes artefatos ajudam a contar a trajetória de Catarina, ou Arzu, uma jovem professora de História do Brasil que viaja para Istambul à procura das próprias origens. Com 208 páginas, o livro é da Editora SGDZ.

Divulgação


Batendo o Mercado


Peter Lynch transformou Wall Street com as melhores estratégias de investimento. O grande legado desse gênio do mercado foi desenvolver estratégias poderosas, com altas taxas de retorno e, ao mesmo tempo, acessíveis ao investidor comum. É com este público que o autor dialoga em “Batendo o Mercado”, novidade que chega ao leitor brasileiro por meio da editora Edipro. A obra resume as lições mais importantes vivenciadas por Peter Lynch em duas décadas de investimento, e é a segunda publicação da editora sobre o mercado financeiro, após o best seller instantâneo “O Mais Importante para o Investidor”. As duas obras inauguram um catálogo totalmente dedicado aos grandes clássicos do investimento. O livro tem 378 páginas.

Divulgação


Voltar para Mim


Um romance envolvente para quem procura uma leitura contemporânea e também um lembrete que é possível recomeçar em qualquer momento da vida. Gina, protagonista de “Voltar para Mim”, representa grande parte das mulheres em todo o mundo: profissional, esposa e mãe. É aos 45 anos que se percebe presa em um mundo que não a preenche mais e decide fazer uma viagem que provoca incerteza em todos que ficam. Este é o enredo da escritora argentina Laura G. Miranda, reconhecida e premiada internacionalmente. A obra, publicada no Brasil pela VR Editora, questiona a própria realidade conforme as dores da protagonista são apresentadas, como a falta de conexão com o marido depois de anos de relação, a dificuldade de se colocar em primeiro lugar e não saber o que fazer após o crescimento dos filhos. O livro inaugura a Coleção Romântica da VR Editora e tem 502 páginas.

Divulgação
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário