27 de julho, de 2021 | 10:00

''Sommelier'' de vacina vai para o fim da fila em Coronel Fabriciano

Cidadão que fizer questão de escolher o imunizante contra a covid-19 precisará esperar toda a população se vacinar para voltar aos postos em busca de uma dose

Reprodução Facebook
Escolha de imunizante será combatida pela administração municipalEscolha de imunizante será combatida pela administração municipal

Quem acompanha a vacinação contra a covid-19 no Brasil certamente já ouviu falar do termo “sommelier”, palavra de origem francesa utilizada popularmente durante a pandemia para classificar os cidadãos que querem escolher qual imunizante será aplicado em seu braço. Em Coronel Fabriciano, quem fizer questão de tomar essa ou aquela vacina será destinado ao fim da fila. A informação foi divulgada pelo prefeito Marcos Vinicius Bizarro (PSDB) e pelo secretário de Governança da Saúde, Ricardo Cacau, durante transmissão ao vivo nesta segunda-feira (26), já tradicional no início da semana.

O procurador-geral do município, Denner Franco Reis, adiantou ao Diário do Aço que o documento regulamentando a decisão será publicado em breve. Conforme declaração do Secretário de Saúde, Ricardo Cacau, e do prefeito Marcos Vinicius, aquele que escolher o imunizante vai para o fim da fila. O assunto será tratado junto ao Conselho Municipal de Saúde e será regulamentado por meio de resolução, em caso de aprovação.

Denner Franco Reis explicou que esta foi uma sugestão da Procuradoria-Geral. “As pessoas que estiverem com data agendada para tomar a dose e ao chegar quiserem escolher qual, ou se recursarem a receber, serão colocadas em fila de espera. A ideia é que essas pessoas assinem um termo esclarecendo que estão optando e terão que esperar toda a população para voltar a uma nova triagem. Precisamos chamar a atenção da população, porque essa escolha interfere no direito do outro de ser imunizado. É uma medida com caráter pedagógico, visa à conscientização sobre a importância do ato de se vacinar, que significa cuidar de si e do próximo”, alerta.

Discriminação

Questionado sobre a legalidade da determinação, Denner explica que não há discriminação da administração municipal com aqueles que escolherem vacina, mas o contrário. “Quem estará discriminando será o próprio cidadão, recusando a vacina que foi disponibilizada para ele. A partir do momento em que se recusa a receber a dose, interfere em todo um planejamento, ocupa um lugar na fila, o tempo útil dos profissionais e por isso que, se teve oportunidade e optou por não ser vacinado, é mais do que justo que esse cidadão aguarde uma próxima oportunidade e vá para o fim da fila. Além disso, não temos garantia alguma de que a vacina que deseja esteja ou estará disponível. O município recebe as doses, não tem como exigir quais”, esclarece o procurador.

“Sommelier”

Conforme consta no site da Associação Brasileira de Sommeliers, este é o profissional responsável pelas bebidas (principalmente, mas não unicamente, vinho) no estabelecimento, que pode ser um restaurante, bar ou um comércio - loja ou importadora de bebidas.

Quando da popularização dos restaurantes em Paris, no final do século XVIII, convencionou-se que quem trazia ou transportava o vinho ficava com a obrigação de prová-lo, garantindo também se o produto era de boa qualidade. Assim, paulatinamente, nasceu a profissão como é conhecida hoje.

Atualmente, diante de pessoas leigas que escolhem qual vacina tomar alegando que esta ou aquela é melhor por determinado motivo, a palavra “sommelier” começou a ser usada ironicamente pela população para se referir a quem quer escolher/recomendar qual é a “melhor” vacina.


Município tem 95% da população idosa vacinada



Ainda durante a transmissão ao vivo de ontem, foi informado pelo secretário Ricardo Cacau que mais de 95% das pessoas acima de 60 anos já tomaram a primeira e a segunda doses da vacina contra a covid. “Ficamos surpresos que conseguimos atingir nosso objetivo, que é imunizar completamente todos os idosos acima de 60 anos em Fabriciano, destes, 95% têm imunização completa contra a covid. Isso é um dado surpreendente, mas fruto de muita organização e só foi possível porque Fabriciano não saiu vacinando aleatoriamente. Organizamos, sabíamos quem estávamos imunizando e isso é fundamental”, assegura.

Cacau acrescenta que a administração municipal tem dados de quem está sendo imunizado, pois faz esse acompanhamento de perto, não por meio de drive-thru. “Neste esquema eu não conheço as pessoas, mas em Coronel Fabriciano eu sei o endereço, CPF e onde mora. Quando o prefeito disse para ter cuidado de como avançar na vacinação, não usamos dose 2 para isso, outros fizeram sem garantir a segunda dose. Aqui não avançamos em quantidade, sim em qualidade e imunização completa”, afirma o secretário.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Angela m a s Araujo

27 de julho, 2021 | 12:32

“? justo. Assim a fila anda e os mais jovens serão vacinados mais rápido.”

Envie seu Comentário