04 de junho, de 2021 | 09:00

Planejamento sucessório pode evitar gastos e problemas familiares, afirma advogada

Arquivo DA
Marysol Tostes informou que houve um aumento de 134% da lavratura de testamento público durante a pandemiaMarysol Tostes informou que houve um aumento de 134% da lavratura de testamento público durante a pandemia

Com a pandemia de covid-19, milhares perderam a vida na luta contra a doença, o que gera um medo entre muitas pessoas de que podem falecer a qualquer momento. Diante dessa constatação do quanto a vida é perecível, cada vez mais as pessoas buscam formas de elaborar um testamento ou mesmo um planejamento de sucessão familiar, no caso das pessoas que possuem empresas.

Em entrevista ao Diário do Aço, a advogada ipatinguense Marysol Tostes, especialista em Direito de Família e Sucessões, explica que para um testamento ser considerado válido, tem que cumprir os requisitos e formalidades legais, ou poderá ser declarado nulo. “O testamento só pode ser feito pelo próprio testador, ou por pessoa por ele designada, desde que o testador concorde por escrito. Mas o Superior Tribunal de Justiça (STJ) admite que, para a preservação da última vontade do autor do testamento, é possível flexibilizar alguns requisitos formais no registro do documento”, afirmou.

A advogada também acrescenta que para que um testamento tenha validade, deve ser feito por uma pessoa capaz, que pode dispor da totalidade dos seus bens, ou de parte deles, para depois de sua morte. “O testamento também é um ato personalíssimo, podendo ser mudado a qualquer tempo. Também pode ser feito de três formas: público, particular ou cerrado (sigilo), sendo proibido o testamento conjuntivo, seja simultâneo, recíproco ou correspectivo”, informou.

Princípios

Marysol Tostes ressalta que para ser respeitada a eficácia do testamento, devem ser seguidos os princípios da autonomia privada e da boa-fé. “Observado esses pontos, os herdeiros podem questionar a validade do testamento judicialmente, caso não sejam respeitados. Um exemplo seria a inobservância da legítima, quando o testador doou um bem ultrapassando a reserva dos herdeiros necessários, o que chamamos de doação inoficiosa”, afirmou.

Aumento

Conforme a advogada, houve um aumento de 134% da lavratura de testamento público durante a pandemia, no âmbito nacional, porém, ela acredita que o número é baixo. “As pessoas têm um preconceito cultural, folclórico ou psicológico, acreditando que fazendo um testamento estariam ‘chamando ou antecipando a morte’. No entanto, é importante conscientizar que o planejamento sucessório é a melhor opção, evitando gastos e problemas familiares pós morte do autor da herança. Por isso, o direito preventivo é a melhor opção, uma vez que a única certeza que temos é que um dia morreremos”, concluiu.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Jussara de Oliveira Silva

04 de junho, 2021 | 12:37

“Maravilhosa advogada, pleno conhecimento no direito de família e sucessões! Além de ter um carisma extraordinário!”

Envie seu Comentário