29 de abril, de 2021 | 14:31

Aniversário de Ipatinga é celebrado em cerimônia atípica, por causa pandemia

Divulgação
Celebrações precisaram ser feitas com distanciamento social e outros protocolos, em virtude da pandemiaCelebrações precisaram ser feitas com distanciamento social e outros protocolos, em virtude da pandemia

Ao som do hino de Ipatinga, executado por educadores musicais da rede de ensino local após um minuto de silêncio em homenagem às vítimas de covid-19, o prefeito Gustavo Nunes (PSL) abriu na manhã desta quinta-feira, 29 de abril, na Praça dos Três Poderes, com hasteamento da bandeira do município, as celebrações pelo 57º aniversário de emancipação da cidade, que neste ano ocorrem de maneira atípica em função das limitações impostas pela pandemia.

A solenidade contou ainda com a presença do vice-prefeito Alexsandro Espírito Santo, vários secretários e adjuntos, além do presidente do Legislativo, vereador Toninho Felipe, informou o governo local.

Tradicionalmente entoada em datas festivas nas escolas municipais, a música que homenageia Ipatinga é um marco da história da cidade. Sob encomenda para a posse do interventor Délio Baeta – ocorrida no antigo Cine Ipanema –, que foi indicado para a chefia do Executivo em 1964, ano do Golpe Militar, a letra foi escrita por uma professora pioneira, Maria Weber de Oliveira, hoje com 89 anos de idade. Conhecida como dona “Bizuca”, ela também lecionou e foi diretora do primeiro educandário pós-emancipação, a Escola Manoel Izídio, no Centro, que recebeu este nome em tributo ao carvoeiro da Belgo-Mineira e dono da fazendinha que a abrigava. A melodia é de Ana Letro Staacks, também professora e pianista, natural de Jaguaraçu. Apesar da canção ter se tornado praxe em eventos do município desde o início da década de 1960, somente em 2013 foi oficializada como hino, por meio de projeto votado na Câmara, uma iniciativa do então presidente Arcanjo Evangelista Pascoal, filho do pioneiro João Valentim Pascoal.

Momento emocionante

“Com o apoio de uma equipe muito comprometida, temos trabalhado intensamente para proporcionar melhor qualidade de vida para a população, alcançando bons resultados em diversas áreas, como demonstramos na prestação de contas de nossos primeiros 100 dias de governo. Mas diante do contexto que estamos vivendo hoje, com tantas vidas ceifadas por essa doença terrível que abala o mundo, não faria o menor sentido promovermos festa e tampouco desrespeitar os protocolos sanitários, até mesmo em respeito ao luto de inúmeras famílias. De qualquer forma, como filho desta cidade, devo dizer que esta é para mim uma ocasião emocionante”, refletiu o prefeito.

Corrida no Parque

Concluído o hasteamento da bandeira de Ipatinga, o prefeito e demais autoridades se deslocaram para o Parque Ipanema, onde foi dada a largada, próximo à entrada do estádio João Lamego Netto, para uma Corrida Simbólica com participação de representantes de diversos segmentos da comunidade. Concluído no viveiro municipal, onde Gustavo Nunes recepcionou os corredores, o percurso foi feito em revezamento, no entorno do principal cartão postal da cidade, com o apoio de equipes da fiscalização de trânsito e SAMU, além de batedores da Polícia Militar.

Para retratar a importância do setor industrial e especialmente da Usiminas para o desenvolvimento do município, o primeiro trecho foi cumprido pelo diretor da Usina Intendente Câmara, Helton Muzzi, filho do pioneiro Helvécio Thomaz Martins. A atleta Lucimar Moura, medalhista olímpica na prova de revezamento 4x100m feminino de atletismo na olimpíada de Pequim 2008, fechou a corrida.

Participaram ainda do evento representantes da Associação Nipo-Brasileira de Ipatinga (ANBI), o tradicional Clube Japonês; integrantes do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Polícia Civil, Executivo, Legislativo e Judiciário; ACIAPI e CDL; um agente de limpeza pública; um estudante, um idoso e um cadeirante, entre outros.

Bolo de aniversário

Ofertado pela iniciativa privada, o tradicional bolo de aniversário, que nos últimos anos era distribuído aos munícipes em eventos no Parque Ipanema, desta vez foi repartido a entidades assistenciais, tendo sido eleitas preferencialmente Instituições de Longa Permanência (ILP) que atendem idosos, além de outras de acolhimento a crianças.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Gildázio Garcia Vitor

29 de abril, 2021 | 18:04

“Muito obrigado por ter alterado o texto e empregado a denominação mais adequada no que se refere ao ano de 1964. Parabéns!”

Marcos

29 de abril, 2021 | 15:56

“No momento de distanciamento,o parque Ipanema liberado,bares abertos,escolas fechadas,somente em Ipatinga mg está situação.”

Flavio Cesar Araujo

29 de abril, 2021 | 15:55

“Impressionante como tem bobo manipulado vão trabalhar
Procurar voto impresso coisa do passado.”

Gildázio Garcia Vitor

29 de abril, 2021 | 15:03

“"1964, ano da Revolução"?! Essa expressão era utilizada pelos governantes até 1985. Com a redemocratização e o fim da censura nós, os "esquerdopatas", passamos a empregar Ditadura Militar, enquanto os das direitas utilizam um eufemismo, o Regime Militar. O mais correto é Ditadura Civil-Militar para denominar o período da História brasileira que vai de 1°/4/1964 a 14/3/1985. Sugestão de leitura: "Os Anos de Chumbo: a militância, a repressão e a cultura6 de um tempo que definiu o destino do Brasil", de Luiz Octávio de Lima, lançado em 2020.”

Envie seu Comentário