27 de abril, de 2021 | 14:00

A CPI do século

Jonair Cordeiro* Rodrigo Martins**

Nesta semana, os meios políticos estão efervescentes. Começam em 27 de abril, os trabalhos da CPI da Covid-19.

Este frisson é causado porque historicamente as CPI’s já mudaram o rumo da política e por que não dizer, da história do país.

O julgamento do Mensalão e o caso Cachoeira, no passado, mostraram a força das comissões parlamentares de inquérito. As CPIs, criadas há quase um século no país, ganharam fôlego com a Constituição de 1988.

Em 2012 dois escândalos mobilizaram a atenção do país. Um envolvia a prisão de um empresário de Goiânia que tinha amigos no mundo político e público, mas que a Polícia Federal dizia chefiar um esquema de jogos ilegais e de corrupção. Os desdobramentos das investigações sobre Carlinhos Cachoeira revelam uma organização criminosa ampla de desvio de dinheiro público via empresas-fantasmas. Esta investigação gerou a queda do Senador Demóstenes Torres, um promotor de justiça levado ao cargo com a bandeira de combate à corrupção fora pego em grampos telefônicos, em ampla aliança com Carlinhos Cachoeira.

O outro caso que concentrou a atenção da sociedade brasileira foi o desfecho do episódio de compra de apoio parlamentar conhecido como Mensalão, que mais tarde transformara-se na ação penal 470 no Supremo Tribunal Federal e encarceraria figurões da política nacional.

Mas afinal o que é uma CPI? Quais seus poderes?

No sistema jurídico brasileiro o Poder Legislativo possui duas funções típicas: Legislar e fiscalizar.

A função legislatória consiste na criação de leis e normas que irão reger o Estado e as relações sociais como um todo, o que é inerente à democracia.

Já o poder/dever fiscalizatório consiste na atividade do parlamento de “vigiar” os atos dos demais poderes, sobretudo do poder Executivo a quem compete exercer a função administrativa do Estado.

Essa fiscalização, como forma de acompanhamento dos atos administrativos pode ser intensificada à luz do que dispõe a Constituição Federal quando verificados atos ilegais ou contrários ao interesse público em geral. E é aí que entra a CPI – Comissão Parlamentar de Inquérito.

Para se formar uma comissão parlamentar de inquérito são necessários alguns requisitos: requerimento de um terço dos membros componentes da respectiva Casa Legislativa que vai investigar o fato (requisito formal); que haja fato determinado (requisito substancial); que tenha prazo certo para o seu funcionamento (requisito temporal); e que suas conclusões sejam encaminhadas ao Ministério Público, se for o caso.

Embora presentes estes requisitos, na Comissão atual, que tem como pai o Senador Randolfe Rodrigues, o presidente do Senado recusava-se a instaurá-la, sendo forçado a fazê-lo por determinação do Supremo Tribunal Federal que reconheceu a CPI como ferramenta da minoria e de implantação obrigatória, se cumpridos os requisitos.

A importância da CPI se deve ao fato de que ela “No exercício de suas atribuições, poderão as Comissões Parlamentares de Inquérito determinar diligências que reputarem necessárias e requerer a convocação de Ministros de Estado, tomar o depoimento de quaisquer autoridades federais, estaduais ou municipais, ouvir os indiciados, inquirir testemunhas sob compromisso”. (art. 2°)

Aliados do presidente tentaram manobrar e criar, sob as mãos do Senador Eduardo Girão, uma CPI paralela para investigar prefeitos e governadores. A hipótese, além de risível, vez que não pode haver uma CPI para investigar 26 estados, o Distrito Federal e 5.570 municípios é, claramente inconstitucional, pois, pelo princípio do federalismo, o controle político dos atos do poder público no âmbito parlamentar deve ocorrer na Casa Legislativa respectiva do ente federado. Não compete ao Senado federal investigar atos do Estado federado, sob pena de romper de pleno o princípio do federalismo.

Numa saída um tanto à brasileira e bem mineiramente, Rodrigo Pacheco determinou que a CPI intentada por Girão fosse apensada (que significa anexada) à do Senador Randolfe Rodrigues, mas tão somente para apurar fatos conexos (ligados) aos recursos federais entregues aos estados e Municípios.

Certo é que o povo tende a ganhar com as investigações e quem gosta de acompanhar os fatos políticos, terá material de sobra para analisar.

Ficam dúvidas: Será que teremos novas frases históricas, como a de Roberto Jefferson? Lembram-se dele? Ele agora é bolsonarista guindado ao posto de bastião da moralidade por seguidores do Presidente. Mesmo tendo sido condenado no mensalão. Certo é que ele, olhando fixamente para José Dirceu (também condenado no mensalão), homem forte do Governo Lula e disparou: “Vossa Excelência desperta em mim os instintos mais primitivos”!

Será que teremos prisão em flagrante como a do ex-presidente do Banco Central que se recusou a assinar o termo de compromisso de dizer somente a verdade?

É possível, vez que esta CPI começa com traços de ser, realmente, a maior de todos os tempos. Já começa com duas judicializações: Uma para implantar e outra, criada pela Deputada Carla Zambelli que foi ao Judiciário, numa tentativa, não menos risível que a de investigar 5.570 municípios, tentar impedir que um senador, Renan Calheiros, fosse impedido de “concorrer” ao cargo de Relator da comissão. Não há no Regimento Interno do Senado norma que coloque a função de relator submetida a voto. O Relator é nomeado pelo Presidente. A manobra governista fracassou. O Tribunal Regional Federal suspendeu a decisão do juiz de primeiro grau. Assim, Omar Aziz foi eleito Presidente, Randolfe Rodrigues, vice e Renan Calheiros foi nomeado Relator.

Vale usar aqui um bordão já muito usado, mas ainda reinante: CPI se sabe como começa, mas não se sabe como termina.

E podem apostar. Podemos morrer de covid, que, nesta data já matou mais de 380 mil pessoas, mas de tédio, esta CPI não nos permitirá morrer. E se Deus quiser, evitará mais morticínio por esta doença.

*Advogado, especialista em Direito Processual e Ciência Política. Conselheiro Estadual da OAB/MG
**Advogado, especialista em Direito Tributário e Processo e Técnica Legislativa
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário