21 de fevereiro, de 2021 | 10:00

Peixarias esperam aumento de até 30% no consumo de peixes na quaresma

Comerciantes informam que os preços dos pescados subiram, aproximadamente 40% em relação a março de 2020

Arquivo DA
Na hora da compra, os consumidores devem avaliar o aspecto dos peixesNa hora da compra, os consumidores devem avaliar o aspecto dos peixes
(Tiago Araújo - Repórter do Diário do Aço)

Um período de reflexão e de penitência. É assim que muitos católicos definem a Quaresma, que tradicionalmente dura por 40 dias, iniciando-se na Quarta-Feira de Cinzas e encerrando no Domingo de Ramos, ou seja, uma semana antes do Domingo de Páscoa. Esse período é marcado pela realização de jejuns e orações, além de abstinências, como de carne vermelha. Com isso, muitos católicos preferem consumir carne de peixe durante a Quaresma, o que faz com que as vendas nas peixarias aumentem no decorrer desses dias.

Com o início da Quaresma no dia 17 deste mês, as peixarias já aguardam um aumento no número de vendas, conforme apurado pelo Diário do Aço. O proprietário de uma peixaria de Ipatinga, com unidades nos bairros Cidade Nobre e Centro, Fernando Oliveira Silva, informou que espera um aumento significativo no consumo do pescado, o que irá refletir em suas vendas.

“Temos uma expectativa de aumento de 30% nas vendas durante a Quaresma. Os peixes com melhor saída são os utilizados em pratos como moqueca, como a piratinga (dourada e rosada), surubim e também peixes que podem ser consumidos fritos e grelhados como peroá, sardinha, filé de tilápia e bacalhau”, citou.

Aumento do preço

Fernando Oliveira também disse que, devido ao cenário de pandemia, houve um aumento nos preços de sua mercadoria. “Em alguns produtos houve um aumento entre 15% e 25%. Além disso, os peixes maiores como surubim, dourada e até mesmo o cascudo estão tudo em falta. Estão aparecendo em pouca quantidade, o que está contribuindo para que o preço dispare. O filé de tilápia, por exemplo, teve uma alta acima do normal, de 31% nos últimos três meses, por causa da oferta e demanda. Mas de qualquer maneira, estamos preparados para atender nossos clientes nesta pandemia, tomando todos os devidos cuidados”, informou.

Falta de mercadoria

Conforme Fernando, essa falta de peixes no mercado é devido a fatores relacionados à natureza e à ação humana. “A cada ano que passa, o peixe está ficando mais escasso e quando chega a piracema (período de reprodução de peixes), muitos não respeitam o tempo correto e ocorre muita pesca. Isso é algo que já vem ocorrendo há muitos anos”, destacou.

Apreensão

Para Marcos Gabriel de Sousa, proprietário de uma peixaria no bairro Santa Cecília, em Timóteo, a expectativa também é de uma melhoria nas vendas nesse período da Quaresma, tendo um aumento de 30%, mas devido ao cenário de pandemia, não se sente muito confiante. “Nesse período ainda estou apreensivo, tenho expectativa positiva, mas me sinto inseguro pela falta de recursos financeiro das pessoas no momento atual”, ponderou.

Procura

Marcos Gabriel ainda relatou que no caso da sua peixaria, as pessoas buscam por todos os tipos de peixes, e não um específico. “A procura é mais por peixes com o preço mais em conta e que servem para serem usados em caldos como moqueca e peixadas, para assar e outros para fritar. E desde o início da pandemia, em março do ano passado, os preços dos peixes têm subido em média de 40%”, detalhou.

Orientações

Conforme Marcos Gabriel, quando os consumidores forem comprar seu pescado, devem avaliar o aspecto dos peixes, se está com uma coloração vistosa, cheiro agradável e os olhos salientes. “É bom não comprar produtos que estejam expostos, sem embalagem, para evitar contaminação. Os nossos produtos, mesmo os frescos, ficam em sacos plásticos transparentes para que o consumidor possa ver o peixe e ter segurança de não estar exposto à contaminação”, contou.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário