16 de fevereiro, de 2021 | 09:33

Viola Paulista ganha cinco EPs

Projeto especial conta com curadoria e direção musical de Ivan Vilela

A viola caipira teve origem nas violas portuguesas, datadas de antes do século 18 e trazidas ao Brasil por colonos lusitanos de diversas regiões, e tem descendência remota de instrumentos árabes como o alaúde, do século 15.

Chamada no Brasil de viola sertaneja ou viola cabocla, o instrumento é muito popular no interior do país, em especial na região Centro-Sudeste, e é um dos símbolos da música popular brasileira sertaneja de raiz.

Paula Rocha/Divulgação/SescSP
De Pirajuí (SP), Levi Ramiro gravou a composição autoral ?Na Mourada?De Pirajuí (SP), Levi Ramiro gravou a composição autoral ?Na Mourada?
Do Brasil sertanejo que canta e dança, seja em pracinhas e coretos do interior, shows nas capitais e até em salas de concerto, a viola é um movimento cultural.

A viola está presente da música sertaneja caipira à sertaneja universitária, valorizando a cultura de quem mora no campo, em toda a sua diversidade.

Neste mundo rural onde a tradição oral se faz mais presente do que a escrita, esta música tem por característica o tempo de escutar o outro falar. Uma cultura que, a cada ano, ganha mais adeptos, seja de músicos que debulham a viola ou mesmo de público.

A convite do Selo Sesc, o professor Ivan Vilela, músico, compositor e pesquisador de cultura popular e da viola caipira no país aceitou o desafio de criar um mapa etnográfico do uso do instrumento em São Paulo, com a seleção de diversos tocadores e compositores de música de viola residente no estado.

A iniciativa deu origem ao Viola Paulista (Selo Sesc), projeto que teve a primeira edição em 2018 e que apresentou ao público as múltiplas sonoridades deste instrumento, congregando, em faixas instrumentais e cantadas, artistas e grupos diversos, tendo em comum a paixão pela história e o som da viola.

Agora, a gravadora do Sesc São Paulo lança a segunda coletânea de Viola Paulista com a participação de 20 violeiros e violeiras que já têm uma carreira consolidada. E no mapeamento de Vilela, os músicos selecionados são tocadores das regiões de Avaré, Bauru, Campinas, Piracicaba, São José do Rio Preto e Sorocaba.

Paula Rocha/Divulgação/SescSP
A paulistana Adriana Farias interpreta a música “Canto e Danço Catira”A paulistana Adriana Farias interpreta a música “Canto e Danço Catira”
Em texto de apresentação do álbum, Ivan Vilela afirma que esses “artistas deixam claro que a força de elementos da cultura popular se renova nas mãos contemporâneas das violeiras e violeiros, certificando o caráter vivo e dinâmico das nossas tradições, uma marca da cultura do povo do Brasil”.

O lançamento do Viola Paulista - Volume II está dividido em cinco EPs. Cada dá voz a diferentes sotaques do instrumento no estado.

O primeiro, abrangendo as regiões de Araraquara, Bauru e São Carlos, conta com os artistas Levi Ramiro, Zé Eduardo Medeiros, Arnaldo Freitas e Adriana Farias, e chega às principais plataformas de streaming nesta quarta-feira (17), incluindo a plataforma Sesc Digital, que oferece o conteúdo de forma gratuita e sem necessidade de cadastro.

O lançamento dos próximos EPs será nos dias 24 de fevereiro, 3, 10 e 17 de março. Para ouvir, acesse https://sesc.digital/colecao/viola-paulista2.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário