29 de dezembro, de 2020 | 10:00

Entregadores organizam paralisação em busca de melhorias

Arquivo DA
A paralisação dos entregadores está programada para o dia 16 de janeiroA paralisação dos entregadores está programada para o dia 16 de janeiro

Para obter melhorias em seu serviço, um grupo de entregadores organiza uma paralisação da categoria para o dia 16 de janeiro do próximo ano, em Ipatinga. Entre as reivindicações dos chamados “motoboys” estão o aumento na remuneração e proibição de entrar em prédios e condomínios para entrega de encomendas, inclusive, lanches.

Um dos organizadores da paralisação, Dieliston Garcia, informou ao Diário do Aço que a estimativa é que 200 entregadores de Ipatinga participem do movimento. “Estamos estudando ainda um ponto de encontro para o dia da paralisação para os entregadores. Talvez será no bairro Bethânia ou no Cariru, mas vamos definir ainda”, afirmou.
Dieliston, que também trabalha como entregador, fez uma avaliação das condições de trabalho da categoria. “Nossa situação é muito ruim, principalmente agora com a pandemia, na qual tudo ficou mais caro, como a manutenção da moto e a gasolina. Além disso, não recebemos periculosidade, nem horas extras. O aluguel do veículo também não”, ressaltou.

Conforme Dieliston, a maioria dos entregadores é humilhada quando ocorre a demora na entrega do pedido. “Isso ocorre com muita frequência. Também estamos reivindicando não subir mais escadas de prédios para fazer as entregas, a não ser que o cliente esteja doente ou não tenha condições de descer a escada. Gostaria de destacar que o salário da categoria está muito ruim. Trabalhamos em média sete horas para ganhar R$ 50 e mais o quilômetro rodado, sendo que às vezes nem ganhamos lanche. Por isso, estamos organizando essa paralisação para o dia 16, na expectativa de obter melhorias”, destacou.

Estudo

Um estudo de sete pesquisadores realizado nesse ano, publicado na revista Trabalho e Desenvolvimento Humano, entrevistou entregadores de aplicativos em 29 cidades durante a pandemia. O trabalho mostrou que mais da metade (54%) dos entregadores atuam entre nove e 14 horas por dia, índice que aumentou em 56,7% durante a pandemia. Entre os ouvidos, 51,9% relataram trabalhar todos os dias da semana.

Segundo a pesquisa, houve um aumento do número de entregadores como alternativa de pessoas que perderam renda durante a pandemia, mas apesar do aumento no número de entregas, os valores de hora/trabalho ou bonificação caíram.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Zoiudo

14 de janeiro, 2021 | 07:26

“Pessoal, parem mesmo, não percam tempo explicando, apenas parem, assim todos verão o valor que vocês tem, com os caminhoneiros foi assim.”

Oseias Motoboy

29 de dezembro, 2020 | 21:25

“Gente boa noite sou motoboy e moto taxista já a alguns anos vejos várias pessoas reclamando do serviço dos entregadores e dizendo que está paralisação e árbitraria pois não pois não somos reconhecido pelo nosso valor pelo nosso trabalho as pessoas nos trata com muita indiferença até mesmo com muita arrogância com nível de superioridade não somos mas que ninguém o mesmo sangue que core nas minhas veias core nas suas além de ser motoboy sou doador de sangue quantas pessoas já receberão meu sangue talvez pode ser vc aí que esta com arrogância para cima de mim pode ter o sangue de um entregador né não desfas de ninguém por que todos nós precisamos um dos outros pense nisso
Um conselho pediu seu lanche então separa o dinheiro ou seu cartão e fica no aguardo do seu lánche a sim vc evita aborrecimentos e evita que outro cliente espere vc procura sua carteira para pagar sua conta antes de criticar um motoboy se coloca um pouquinho no lugar dele ouvindo dez quinze vez por dia nossa vcs demora de mas ou nossa não quero mas ou quero não e por aí adiante me respeita da mesma forma que eu te respeito só queremos aquilo que achamos justo pela classe sou motoboy mas não sou escravo de ninguém sou trabalhador a sim com vc
##fica aí minha dica e minhas palavras##”

Anônimo

29 de dezembro, 2020 | 16:53

“Boa iniciativa, porém deve-se ter consciência que com os 'direitos" vem as obrigações e deveres. Jamais irei generalizar, mas boa parte dos entregadores não possuem o mínimo de respeito à Legislação vigente de Trânsito. Perdi as contas, de quantas vezes fui ultrapassado pela direita por entregadores na BR em frente o Shopping quando estou indo trabalhar, fazem zig zag's com as motos entre os carros, cortam pelo acostamento e tantos outras infrações de trânsito que presencio todos os dias. Deus abençoe a profissão de vcs!!!”

Manel Galinha

29 de dezembro, 2020 | 15:44

“primeiro ponto,se o problema é com os donos, que resolvam com os donos .

se vão entregar ou não é problema seus que não irão receber o dia, e os donos que não irão vender .

o cliente é quem paga pelo serviço, se vão entregar com qualidade é problema de vocês . se coloquem na condição de cliente ...

voces so querem direitos e esquecem dos deveres, um monte de motoqueiro irresponsável não são todos, mas a maioria, imprudentes, furando semaforos, cortando pela direita, subindo em canteiros, querem respeito desta forma?

e vem por a culpa no cliente por apressar? culpar o patrão ? a responsabilidade pela vida da gente é nossa e não dos outros .

sou a favor dos pais de familia que utilizam deste meio para trabalhar e sustento .

quem discordar do que eu disse simples , VÃO PRA PQP !!!”

Motoka

29 de dezembro, 2020 | 13:07

“Faço bico de entregador e sempre procuro estar bem apresentável e tratar bem os clientes. Muitos da classe trabalham de qualquer maneira, chinelo de dedo no pé, moto barulhenta. São esses "moleque doido" que representam mal aqueles que trabalham honestamente e gastam o seu dinheiro pra manter a moto em dia e manter o mínimo de profissionalismo. Quem reclama da pressa do entregador é um babaca, por que deveria pelo menos dar espaço pro cara passar. Não quer que ultrapasse pela direita, então dê passagem pro entregador, porque quem está em cima da moto é que sabe do que tem que entregar, às vezes saindo da lanchonete com pedidos atrasados de horas e ainda tem que aguentar cliente reclamando da demora, como se ele que tá ali na correria fosse o culpado.”

Henrique

29 de dezembro, 2020 | 13:04

“Não concordo. Não há poder diretivo das empresas para com os entregadores, caso estes estejam vinculados por exemplo ao ifood. Apenas a título de exemplo.

O ifood não escolhe os entregadores, apenas solicita dados, documentos e pronto, você está cadastrado. O entregador vinculado a estes aplicativos podem desligar o app e trabalhar o horário que quiserem.

Agora para os entregadores vinculados diretamente ao estabelecimento de alimentação, concordo plenamente com a busca pelos seus direitos, porque aí há uma discricionariedade para que o empregador o contrate.

Mas é isso se os entregadores consideram fazer suas reinvidicações devem mais é fazer mesmo.
A gente que pague a taxa de 10, 15, 20 reais que estamos vendo agora.

Aí a gente começa a buscar os pedidos, porque fica mais barato se deslocar, aí a demanda por entregadores cai, e acabam sendo mandados embora. É um ciclo, um depende do outro.”

Cachorro Louko

29 de dezembro, 2020 | 11:47

“Muita gente desvalorizando os motoboy e não vive sem nós bando de preguiçoso reclama da taxa , mas pq vcs não vão busca , se o cliente for zbct nós vai sacudir sua coca cola sim e balança seu lanche de cabeça pra baixo pra vcs não pedi nunca mais e os nosso direito os dono de lanchonete sabe que na justiça e sem massagem bobo e quem não corre atrás do seu e fica com medo de patrão fala mau pode continua pagando pouco mas quando sai a gente conversa sobre nossos direito trabalhista , adicional noturno , periculosidade , aluguel do veículo , e vários outros direito que nos temos mas não recebemos o juiz sabe que se a gente trabalha por mais de 90 dias ou 3 vezes por semana na cria o vínculo trabalhista”

Anonimo

29 de dezembro, 2020 | 11:44

“Mas na hora que sua entrega atrasa vc reclama ne.... E vc que deve ser um idiota no transito”

Soares

29 de dezembro, 2020 | 11:39

“Parabéns pela iniciativa!!!!! Vcs merecem todo respeito!!! Cada um buscando o pão de cada dia!!!!! É a profissão muito desfavorecida !!!! São poucos q reconhece o valor de vcs!!!! Nessa pandemia vcs carregou a cidade nas costas não parou nem um dia se quer!!!! Ficou firme junto com a área de saúde!!!!! Acho um absurdo as pessoas pedir um lanche e não ir receber!!!! Os pobres motoboy leva a comida até a mesa do cliente e ainda muitas das vezes é acusado !!! Principalmente se sumir alguma coisa no condomínio!!!! E não tiver uma câmera pra provar ....o motoboy ainda leva a culpa!!!! Parabéns a toda a galera pela iniciativa!!!!”

Gustavo

29 de dezembro, 2020 | 11:32

“Estamos lutando por melhorias pra nossa classe ..
Se tem bardeneiros ou nao ai eu ja nao sei ..
Agora o cara falar qie agente e isso e aquilo queria ver se fosse um filho dele em cima de uma moto se ele iria falar essas asneiras ..
Tem gente que tem e que fechar a boca e ir trabalhar que ele ganha muito mais..
Sou moto boy to na paralizaçao e se prescisar vamos para por tempo indeterminado pra consseguir oque queremos chega de escravidao e levar desaforo de patrao ..
16/01 vamos mostra a vcs que donos de lanchonete e vcs clientes prescisam sim de nos inclusive esse otario babaca que ta converssando pelo cotuvelo ai”

Talles

29 de dezembro, 2020 | 11:14

“Quem quer respeito tem que dar respeito!
Cuidado heim ! Com Direitos tbm vem os deveres, deveres esse que a classe não gosta de cumprir! Feitiço vai virar contra o feiticeiro heimmm se liga ......”

Rick

29 de dezembro, 2020 | 10:55

“Quem não chora não mama... Deus abençoe o serviço de vocês... Mas vê se o pessoal (pequena parcela) para de entregar lanche nessas motos estaladeiras, para se ter respeito e valorização tem que se dar ao respeito também.”

Thiago Pereira

29 de dezembro, 2020 | 10:47

“Acho que uma paralisação dessa seja fundamental para o reconhecimento dos entregadores "motoboys/motogirls". Se puder informar quais as reivindicações, seria extremamente importante para a população ter conhecimento e dar o apoio necessário, já que essa profissão atende a todos, seja ela por entregas de lanches, refeições, mercadorias, entre outros.
Estamos vendo um número elevado de acidentes nas ultimas semanas, fato é que precisa ser estudado e tirar o melhor para todos.
Os estabelecimentos de alguma forma deveriam "participar" da manutenção do veiculo de cada profissional fornecendo EPI's adequados, como: luvas, joelheiras, cotoveleiras, capacete (aprovado pelo inmetro), entre outros. Fazer um exame periódico desses profissionais, a fim de ter ciência da capacidade do mesmo em pilotar motocicletas.
Nós vemos que o retorno para com os entregadores/entregadoras são pequenos com salários/comissões pequenas e sem atrativos.
Enfim, acho válido essa reivindicação, contudo a população com conhecimento poderá e irá apoiá-los perfeitamente!

Afinal, em algum momento precisamos de serviço de entrega!!”

Chico Marcelo

29 de dezembro, 2020 | 10:26

“Deveriam é voltar para auto escola, ultrapassam pela direita, avançam o semáforo no vermelho, não respeitam absolutamente nada .

Querem respeito e não respeitam !

Trabalhar sob pressão não justifica ser imprudente e irresponsável .

Metade deveriam ser é presos por crime de direção perigosa .”

Envie seu Comentário