28 de novembro, de 2020 | 15:04

Acesso à Lagoa da Prata passa a ser controlado

Alex Ferreira
Lagoa da Prata está localizada nas proximidades do bairro de Ipaba de Santana do Paraíso Lagoa da Prata está localizada nas proximidades do bairro de Ipaba de Santana do Paraíso

A partir de agora é proibido acesso de carro até à beira da praia da Lagoa da Prata, no bairro de Ipaba de Santana do Paraíso. O acesso só é permitido para pessoas a pé ou em bicicletas. Os carros precisam ficar estacionados a 200 metros, antes de uma porteira, em uma estrada no meio da plantação de eucaliptos. Veja vídeo no fim do texto.

A porteira delimita até onde os carros podem ir e funcionários de uma empresa de vigilância patrimonial atuam no local. Na entrada, os vigilantes orientam sobre as normas de uso da lagoa. Além disso, as placas são claras em relação às restrições na área de preservação.

A série de medidas restritivas que visa à preservação do meio ambiente foi colocada em vigor essa semana pela Cenibra, empresa proprietária do terreno onde está inserida a lagoa natural e a mata ciliar. Além das proibições já sabidas, de descarte de lixo, soltar animais domésticos e captura de animais silvestres, também fica proibido acender fogueiras e churrasqueiras, consumir bebidas alcoólicas, acampar, montar tendas e barracas, coletar plantas, acesso de veículos no entorno, lançamento de embarcações de qualquer natureza, o que inclui as motonáuticas.
Toda a área no entorno da Lagoa da Prata foi cercada e não é mais possível descer os barrancos nas margens da lagoa para pescar. Também foi fechado o acesso à estrada alternativa que margeava a área de preservação.
Alex Ferreira
Medidas restritivas para uso da lagoa da Prata, na área de preservação, estão mostradas em placas Medidas restritivas para uso da lagoa da Prata, na área de preservação, estão mostradas em placas

Muvuca

A Lagoa da Prata tinha virado um ponto de concentração de pessoas nos fins de semana e feriados, uma muvuca se formava no local periodicamente. Vídeos publicados nas mídias sociais e encaminhados à redação do Diário do Aço, na forma de denúncia, mostram a aglomeração de pessoas no local, em cima e ao lado de carros com aparelhos de som executando “funk proibidão” no volume máximo. Entre as dançarinas que “iam até o chão”, não faltavam menores de idade.

Conforme uma fonte do jornal, em um fim de semana o público foi estimado em 1.500 pessoas. Isso em plena pandemia de covid-19, em que a concentração de pessoas é desaconselhada.

Outro vídeo mostra pilotos de motonáuticas fazendo manobras a poucos metros dos banhistas na praia de água doce. "No fim de semana passada veio um cara e lançou uma lancha aqui. Não há fiscalização alguma e não se sabe se esse pessoal que está pilotando aqui tem licença para essa atividade", denuncia um cidadão. Um terceiro vídeo enviado mostra uma operação da Polícia Militar no local.
Sem coleta no local, lixo deixado pelos frequentadores da lagoa se acumulava no meio do mato Sem coleta no local, lixo deixado pelos frequentadores da lagoa se acumulava no meio do mato

Lixo por todos os lados

Embora a lagoa esteja dentro de uma área de preservação ambiental, até então não havia qualquer tipo de manejo de uso. Como resultado, os resíduos deixados pela multidão viraram um problema para a natureza. Recentemente, em uma ação voluntária, ciclistas se uniram para recolher o lixo do local. Uma semana depois a sujeira voltou a se acumular.

Conforme constatou a reportagem do jornal, sacolas plásticas, restos de alimentos, vasilhas descartáveis, garrafas de bebidas entre outros poluentes podiam ser vistos por todos os lados, tanto na areia da praia quanto no entorno da lagoa.

Como também as pessoas tinham o hábito de acender fogueiras e churrasqueiras no chão, junto às árvores, os troncos não resistiram e duas árvores caíram. Uma delas, um eucalipto antigo e de grande porte, tombou sobre a praia e a água. Outra árvore caiu fora da faixa de areia e outras duas estão condenadas porque tiveram parte da base do tronco queimada.



Alex Ferreira
Porteira delimita o ponto até onde carros podem ir, na entrada do acesso à praia da lagoaPorteira delimita o ponto até onde carros podem ir, na entrada do acesso à praia da lagoa

Fogo de churrasqueiras improvisadas junto aos troncos levaram árvores a tombar à beira da lagoa Fogo de churrasqueiras improvisadas junto aos troncos levaram árvores a tombar à beira da lagoa

Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Rogério

29 de novembro, 2020 | 16:28

“A Celulose Nipon Brasileira,está de parabéns pela boa iniciativa de colocar limite na entrada da Lagoa da prata. os vermes só sabia sujar a área é ir embora sem levar seu lixo.??????????”

Ricardo

29 de novembro, 2020 | 09:18

“Podem esperar amigos da pesca esportiva. A próxima que a Cenibra vai v fechar vai ser a do piau”

Ricardo

29 de novembro, 2020 | 06:44

“Não não demorar a restringir o acesso à lagoa do piau.”

Vanderson

28 de novembro, 2020 | 21:22

“Justo justíssimo, um ditado antigo que diz quem não sabe assar queima os dedos, brasileiro não tem educação é capaz de destruir um local tão lindo, vermes imundos acabou,a farra lixeiros”

Jorge Luiz Dias

28 de novembro, 2020 | 20:36

“Concordo com as medidas de preservação e manejo de uma forma geral. Só lamento, e, acho que outros também não aprovam, é a proibição da pesca esportiva. Espero que reavaliem essa medida. .”

Natal

28 de novembro, 2020 | 17:14

“.......... DEMOROU DEMAIS ..........
. Parabéns pela atitude tomada .
. Nao estamos acostumados com a liberdade que as vezes nos é aferecida .
. Vamos olhar outros locais e fazer a mesma coisa .
. Parabéns a CENIBRA.”

Envie seu Comentário