17 de novembro, de 2020 | 13:54

O amor cura: a família e o tratamento de câncer

Jaqueline Chagas *

Receber o diagnóstico do câncer nunca é fácil. Quando se recebe o diagnóstico, a pessoa é acometida pelo sentimento de medo, insegurança e uma queda significante da autoestima. Mas, para superar dilemas e dificuldades, o apoio incondicional da família é indispensável.

Há aqueles que nunca viveram a situação no ciclo familiar e não sabem bem como lidar com o paciente. E não é cabível julgar. Afinal, nunca é fácil enfrentar o desconhecido. Mas é com a mudança de hábitos e com a busca por um único ideal que a luta pela cura se torna mais esperançosa.

Primeiro, é preciso entender que excesso de zelo não é uma solução. A superproteção familiar pode ser um problema, mesmo que o objetivo seja apenas cuidar. O limite da proteção acaba quando a pessoa não sabe mais como é ser independente, quando não desenvolve sua própria autonomia, o que pode causar estresse e ansiedade.

Por isso, o ideal é que a pessoa e a família pesquisem sobre a doença, busquem conhecimento com profissionais da área como, por exemplo, médicos, enfermeiros e psicólogos, para entender o que pode ou que não pode acontecer. É importante também saber como auxiliar o familiar doente. Quando se trata de câncer, a necessidade é ainda maior, porque a doença mexe muito com a parte neurológica.

Sem o apoio da família tudo se torna cada vez mais difícil ou quase impossível. Às vezes, somos desenganados pela medicina, mas se temos o acolhimento de pessoas que tanto amamos, que tentam elevar nossa autoestima, nos tornamos mais confiantes durante o tratamento. Quando se tem ajuda e amor, tudo muda.

Portanto, ter a base da família por perto é essencial para que o paciente não se sinta sozinho ou desamparado, principalmente num momento tão delicado e quando tudo que passa a importar é a vida e as relações pessoais. O zelo sadio e o amor podem se tornar importantes fatores para a cura.

* Contabilista, paciente que luta contra o câncer e fundadora do Grupo Unidas para Sempre, que tem como objetivo dar suporte e apoio ao paciente com câncer e outras patologias.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Jussara

18 de novembro, 2020 | 21:00

“Meu irmao esteve internado no HMC com cancer estagio IV caiu nas maos de bandidos ficou incomunicavel com os familiares.Nao cuidei,despedi e sepultei meu irmao por maldades de seres que se dizem humano.Ha dois anos uma dor que nao passa.Uma lacuna que nada e ninguem vai preencher.”

Envie seu Comentário