13 de outubro, de 2020 | 14:23

A cidade dos cabeludos

Rodrigo Alves de Carvalho *

Naquela cidade todos os moradores se vangloriavam de seus cabelos. Lá quanto mais vastas e bonitas fossem as cabeleiras, mais importante e respeitado era o cidadão. Por isso, quem tinha dinheiro ostentava um cabelo extremamente bem cuidado, cheiroso, macio, comprido, que causava inveja. Quem tinha cabelos curtos e malcuidados não eram bem vistos pela sociedade, geralmente eram considerados a ralé, os pés raspados, enfim, a gentalha.

E a pessoa que possuía o cabelo mais invejado por todos era Otaviano. O rapaz boa pinta, filho de família nobre e cabeluda, tirava o fôlego das mocinhas na cidade. Dono de uma cabeleira sem igual, Otaviano era um sujeito culto, sorridente e amigo de todos. Estudou Artes Dramáticas e logo trabalharia como ator, inclusive uma grande emissora de TV estava prestes a contrata-lo.

Um dia Otaviano usou um shampoo que seu amigo lhe presenteara dizendo ser a novidade do momento fabricado na China. No outro dia Otaviano acordou careca.

Desesperado, ele procurou médicos e dermatologistas, mas para sua infelicidade, foi informado que seu cabelo nunca mais iria crescer novamente.

Quando a cidade ficou sabendo do acontecido, Otaviano tornou-se motivo de piada, foi discriminado, ofendido e até sofreu agressão física. Ninguém respeitava o ex-cabeludo bonitão, pois para os moradores daquela cidade, não ter cabelo era sinal de não ser ninguém. Otaviano foi embora.

Alguns anos depois, com vários prêmios na bagagem e o papel de protagonista na novela das nove, Otaviano era um ator famoso e querido em todo país. Com tantas conquistas em sua vida, ele decidiu voltar para sua cidade natal rever os amigos e quem sabe receber um pedido de desculpa dos moradores pelos atos do passado.

Quando chegou, uma festa o esperava, todos os moradores cabeludos seguravam faixas com palavras de carinho, Otaviano desfilou em carro aberto e no final houve discursos e homenagens no coreto da praça. Finalmente os fantasmas do passado pareciam exorcizados.

O prefeito todo exibido com os cabelos até o chão entrega um presente para o famoso ator careca. Otaviano abre a caixa e fica confuso, o prefeito sorridente agracia o rapaz com as palavras:

- Querido filho desta terra, o povo da cidade em meu nome lhe presenteia com essa bela e longa peruca magnifica, para que você possa, em outras oportunidades que for visitar nossa cidade, sentir-se igual perante seus conterrâneos. Otaviano foi embora novamente, só que nunca mais voltou.

* Nasceu em Jacutinga. Jornalista, escritor e poeta possui diversos prêmios literários em vários estados e participação em importantes coletâneas de poesia, contos e crônicas. Em 2018 lançou seu primeiro livro individual intitulado “Contos Colhidos” pela editora Clube de Autores
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: [email protected]

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

Envie seu Comentário