Fiemg mobiliza recursos para desenvolvimento de vacina contra a covid-19

Divulgação


Federação vai apoiar estudos de vacina elaborada pela Covaxx

Diante da necessidade de estimular o desenvolvimento de pesquisas que buscam uma vacina para proteger a população contra a covid-19, a Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) destaca que se une a empresas brasileiras que vão contribuir para o desenvolvimento da imunização que ganhou o nome de UB-612. Elaborada pela Covaxx, uma unidade da United Biomedical, empresa internacional com unidades nos Estados Unidos, China e Taiwan, a vacina terá estudos clínicos no Brasil, conduzidos pelo laboratório Diagnósticos da América (Dasa). A previsão é que o protocolo de testes seja submetido à Anvisa em dezembro, informou a Fiemg.

“Estamos em um momento da história em que não podemos ficar esperando que as soluções venham apenas do poder público. Os empresários estão se unindo para ajudar a minimizar os impactos dessa pandemia. Foi assim para a elaboração e recuperação de respiradores mecânicos, equipamentos de proteção individual, a construção de estruturas para atendimento aos pacientes da covid-19 e será assim neste momento em que buscamos uma vacina para imunizar a população. Tudo isso comprova o compromisso da indústria e da classe empresarial em impactar positivamente na vida dos mineiros e dos brasileiros”, afirma o presidente da Fiemg, Flávio Roscoe.

Outras empresas já participam com doações que chegam a R$ 30 milhões para o desenvolvimento de estudo clínico para validar a vacina. A Fiemg ressalta que vai mobilizar empresas com interesse em colaborar financeiramente para a realização do estudo.

Roscoe destacou ainda a participação do governo mineiro. “Parte dos testes, da tecnologia, das pessoas voluntárias e dos laboratórios será despendida aqui em Minas Gerais por meio da Fundação Ezequiel Dias (Funed). O governo de Minas está junto e empenhado, atuando de forma rápida e proativa neste trabalho. Ao participar da pesquisa, o estado terá prioridade na compra, o que nos possibilita uma vantagem temporal e pode ser que tenhamos a vacina disponível em um prazo mais curto”, destacou.

Como será o estudo

A fase 2 e 3 será realizada com, no mínimo, três mil brasileiros para avaliar se a vacina provoca resposta imune, para definir as doses de segurança necessárias e a eficácia da UB-612. Dependendo das respostas dos estudos clínicos, a vacina poderá ser aplicada em dose única.

O líder industrial lembrou ainda que o Serviço Social da Indústria (Sesi) tem experiência e capilaridade para contribuir no processo de aplicação da vacina contra a covid-19. “O Sesi conta com profissionais de saúde extremamente capacitados na área de imunização, já reconhecidos por toda a indústria mineira. Além disso, tem uma robusta estrutura física com capacidade de atender todo o Estado de Minas Gerais. Mais uma vez, teremos condições de contribuir com essa batalha que estamos travando contra o novo coronavírus”, finalizou o presidente da Fiemg.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO