Pandemia, imprudência no trânsito e o desprezo pela vida

Alysson Coimbra *

As cenas de praias lotadas em todo Brasil e de aglomeração em bares sem o uso de máscaras durante a pandemia ganharam destaque na imprensa e causaram perplexidade no feriado de 7 de Setembro, celebrado segunda-feira. Mas o descuido com a própria saúde e a disposição em arriscar a vida foram vistos também nas rodovias do país: a cada 14 abordagens feita pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) durante o feriado, houve um flagrante de pessoa sem cinto de segurança ou de motociclista sem capacete.

O fato é que a quarentena modificou a forma como os brasileiros vivem, se relacionam, trabalham e até mesmo se comportam no trânsito. Os veículos passaram a ser cada vez mais utilizados, já que se tornaram um meio de segurança epidemiológica, em detrimento do transporte coletivo, e isso teve consequências no comportamento do motorista brasileiro, com a exacerbação do perfil agressivo e individualista.

O brasileiro passou a entender o trânsito como um espaço individualizado, e não mais coletivo. Isso se reflete em várias situações do dia a dia, como as agressões, a intolerância e o crescente desrespeito à lei. O eu e o meu se sobrepõem ao nosso e ao coletivo, guiado por uma orientação ideológica daqueles que foram eleitos para manterem controles rigorosos e fiscalizatórios sobre todos nós.

O que vemos no trânsito é uma clara sinalização da falsa falta de necessidade de obediência às leis, à cultura, história, ciência e de todos os principais pilares que conduziram a nossa sociedade até aqui. Sim, os brasileiros estão mais intolerantes, agressivos e imprudentes no trânsito.

Segundo balanço divulgado pela PRF, mais de 3646 motoristas foram flagrados sem cinto de segurança e outros 1072 não estavam usando capacete. Estamos falando de regras de trânsito já conhecidas e que se incorporaram há muito aos hábitos de segurança no trânsito. A desobediência a essas normas pode fazer a diferença entre a vida e a morte.
Também chama atenção o número de motoristas alcoolizados flagrados pela polícia: 704. Há 12 anos a Lei Seca foi implantada e, desde então, entidades médicas e governo fazem campanhas sobre a combinação perigosa e criminosa de álcool e direção. Não faltam informações, mas sobra desrespeito.

Outras infrações que revelam o desprezo do brasileiro pela segurança viária foram 5.728 ultrapassagens indevidas e as 531 crianças transportadas sem os dispositivos de retenção (cadeirinha). Se com regras e normas rígidas já temos um desfile de imprudência nas estradas e rodovias do Brasil , o cenário que desponta no horizonte com a flexibilização do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) não é nada promissor.

Durante os dias da Operação Independência, as estradas federais registraram 933 acidentes, que resultaram em 1.103 feridos e 97 mortos. Os índices são altos e justificam o Brasil ser o quarto país com o trânsito mais violento do mundo. A flexibilização das regras e o desprezo pela vida certamente farão crescer o número de vítimas do trânsito.

Por isso, mais do que nunca, é imprescindível lutar para que as leis que tornem o trânsito mais seguro sejam mantidas e aprimoradas. Um exemplo é o PL 98/2015, que prevê a avaliação periódica da saúde mental de todos aqueles que se propõem a conduzir veículos. O ato de dirigir vem exigindo dos cidadãos uma complexidade de sentimentos e de formações que estão sendo deixados de lado com as mudanças recentes na nossa sociedade. Por isso é urgente que cuidemos também da saúde mental dos condutores, o que vai ao encontro do modelo biopsicossocial de saúde, para que não tenhamos cada vez mais mortes e casos de invalidez no trânsito. Precisamos interromper a violência no trânsito que vem vitimando todos os dias cada vez mais jovens.

Onde faltam leis e regras, as pessoas pagam com a vida e a saúde. A desburocratização e a economia de recursos não podem ser usadas como desculpas para afrouxar normas que salvam vidas. Não há como estipular um valor para a vida humana.

* Médico especialista em trânsito
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Natal 12 de setembro, 2020 | 08:47

. falar do povo que está descrente praticamente em tudo , é fácil.
.olha pro lado e verá .
.na política, só falcatruas , roubos , altos salários e desvio de dinheiro.
.na religião, desvios de dinheiros , roubos, falcatruas e lavagem .
.na justiça, vê as milícias que dominam as comunidades, os altos salários dos cabeças.
.o povo já tá cansado de tanta besteiras .
.acho que já chega.
. Eu tô cansado demais .

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO