PM de Meio Ambiente efetua prisão de quatro pessoas por causar incêndio florestal

Divulgação Polícia Militar


O fogo atingiu pastagens e uma área de mata nativa

Quatro homens, com idades de 40, 46, 53 e 57 anos foram presos por atear fogo em uma área verde, ao longo da rodovia LMG-758, no município de Belo Oriente. Os quatro indivíduos perderam o controle do fogo e as chamas atingiram mais de quatro hectares entre pastagens e área de mata nativa. A Polícia Militar de Meio Ambiente foi para o local, identificou os envolvidos e efetuou a prisão dos quatro.

Os homens foram apanhados utilizando bomba-costal para colocar líquido combustível e com isqueiros para atear fogo e limpar um terreno destinado à agricultura. Contudo, com os ventos, as chamas se espalharam rapidamente, saíram do controle, e atingiram uma área de mata nativa, além de uma pastagem, totalizando cerca de quatro campos de futebol.

O material utilizado no crime ambiental foi apreendido com os quatro homens e recolhidas as ferramentas (enxada e foice) que eles usavam. Os quatro foram encaminhados para o plantão da 1ª Delegacia Regional de Ipatinga, onde foi ratificado o flagrante. Além da fiança de R$ 5 mil para cada um, os autores foram também terão que pagar multas, de aproximadamente R$ 5 mil cada um.

O tenente Moura, comandante do Pelotão de Meio Ambiente, orienta a não utilizar o fogo para limpar terrenos, pois nessa época do ano, a possibilidade de se provocar incêndios florestais incontroláveis é muito grande. “Solicitamos à comunidade que ligue para o 190 ou 181 e repasse Informações de pessoas que estão provocando incêndios criminosos. O sigilo da fonte é garantido”.

Além disso, as técnicas ambientais modernas desaconselham o uso de fogo para a limpeza de áreas destinadas à qualquer tipo de cultivo. Trata-se de uma prática primitiva e contraproducente, uma vez que o fogo, além da vegetação, também pode danificar a parte fértil da terra.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

MAIS FOTOS

Comentários

José Antônio 09 de setembro, 2020 | 14:48
Aconteceu o mesmo no Bairro Caladão em Fabriciano, como acontece, lamentavelmente, todo ano. No momento do incêndio comuniquei a ocorrência à Prefeitura, que me encaminhou para o meio-ambiente, que por sua vez me encaminhou para o corpo de bombeiros que me perguntou se era área privada ou pública. Mediante tantos "encaminhamentos" desisti e vi com enorme tristeza a queimada que está à vista de todos no alto da serra. Deveriam também, os "queimadores" serem descobertos e multados.
Vanderley Guimarães 09 de setembro, 2020 | 12:27
Os valores das multas são muito pequenos e insignificantes diante do prejuízo e impacto causados ao meio ambiente.
Para servir de exemplo e inibir a ação de outros, o terreno dos mesmos deveria ser arrestado, assim, outros pensariam mil vezes antes de cometer esses crimes.
Outra, esse papo de que os incêndios florestais iniciam a margens de rodovias por guimbas de cigarros, é a mais pura mentira que se usam, pois, a chance de uma guimba de cigarro iniciar um incêndio florestal é uma em mais de um milhão de chances, pois, deveria a brasa da mesma estar em contato com o elemento combustível que seria o Mari seco e uma ventilação contínua naquele único ponto, fato esse que, os veículos pesados quando passam faz um vento maior e acaba espalhando, o.pedindo o processo. Essa narrativa é simplesmente para se esquivar da culpa e assim, continuar cometendo os crimes e como o nosso país é terra de ninguém onde as Leis não funcionam, essas pessoas fazem o que bem quer!!!
No ano passado mesmo, um grande incêndio que teve nessa área, diversas árvores de grande porte, inclusive eu uma delas era peroba do campo, o fogo queimou a base jogando as mesmas na estrada impedindo o tráfego, onde pessoas que estavam largando o plantão e outros a pegar, fora os o ônus de viagens atrasaram completamente. Tem de fazer as leis serem cumpridas, pois, leis temos para isso...

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO