Bolsonaro cumprimenta populares em solenidade de 7 de Setembro

Sem desfile militar, presidente participou de cerimônia no Alvorada

Sem desfile militar por causa da pandemia de covid-19, o presidente Jair Bolsonaro cumprimentou populares numa cerimônia de cerca de meia hora no gramado do Palácio da Alvorada para celebrar o Dia da Independência. Acompanhado da primeira-dama Michelle Bolsonaro, do vice-presidente Hamilton Mourão, de ministros e do presidente do Senado, Davi Alcolumbre, o presidente assistiu ao hasteamento da bandeira e a manobras de sete aviões da Esquadrilha da Fumaça.

Pouco antes das 10h, Bolsonaro saiu do Palácio da Alvorada no Rolls Royce presidencial acompanhado de um grupo de crianças. Depois de percorrer 400 metros até a Praça das Bandeiras, ele se dirigiu ao alambrado e cumprimentou apoiadores.
Logo depois de o presidente se posicionar diante da bandeira, a Esquadrilha da Fumaça escreveu no céu a palavra “Brasil”, marcando o início da cerimônia de hasteamento, que ocorreu sob o som do Hino Nacional, executado pela Banda do Batalhão da Guarda Presidencial.

Em seguida, a banda tocou o Hino da Independência, para marcar a celebração do Sete de Setembro. Por volta das 10h15, a Esquadrilha da Fumaça voltou a executar uma série de acrobacias sobre o Palácio da Alvorada.
Por volta das 10h20, o presidente começou a caminhar de volta para o Alvorada, mas voltou ao alambrado, onde cumprimentou um jovem sentado numa cadeira de rodas e apertou novamente a mão de populares. Em seguida, Bolsonaro retornou ao palácio, enquanto tirava fotos com convidados. O presidente não discursou nem falou com a imprensa.

Cerca de 20 minutos antes do início da cerimônia, às 9h40, a primeira-dama Michelle Bolsonaro também cumprimentou o público que estava no alambrado. Ela tirou selfies com apoiadores e permaneceu cerca de cinco minutos próxima às grades.

O dia do presidente começou às 7h50, com um café da manhã com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e com os chefes das Forças Armadas. Os convidados começaram a chegar ao Palácio da Alvorada às 9h15.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Isaac Júnior 09 de setembro, 2020 | 20:13
Não confieis em príncipes, e nos filhos de homens em que não há salvação.
Roberto 08 de setembro, 2020 | 12:07
Impressionante como o Diário do Aço quase demonstra ser conivente com as atitudes deste senhor que ocupa a presidência da república.

Durante a visita dele a Ipatinga, o jornal divulga vídeo com mais de 10 minutos com o sujeito desrespeitando todas as regras sanitárias e cumprimentando apoiadores sem máscara. Isso na mesma semana em que o "capitão" disse a um repórter que queria encher-lhe a boca de porrada.

Vocês já foram maiores, Diário do Aço...

Cadê o senso crítico para tratar um ser aberrante desses? Cadê a dignidade de órgão de imprensa? Imagino que isso não será aprovado pela moderação, mas o recado tá dado. Tenham mais orgulho e respeito por vocês mesmo e pela imprensa....
Carlos Roberto 08 de setembro, 2020 | 06:50
O Brasil conseguiu, em tempo recorde, produzir a droga mais letal do mundo, capaz de escravisar, destruir a fé, a moral e os bons costumes, ela também é poderosa que conseguiu destruir até o cristianismo. O nome? BOLSONARO - Bozobidiol - mais conhecida como A DROGA DOS CRENTES, ela é distribuída pelos líderes evangélicos em troca do apoio e da defesa do Messias por parte dos dependentes. Grandes distribuidores como Edir Macedo, RR Soares, Valdomiro Santiago, Silas Malafaia, Marco Feliciano entre milhares ja estão lucrando, até dívidas milionárias com o FISCO eles tiveram perdoadas. E a moral, oh! ?
Carlos Roberto 08 de setembro, 2020 | 06:39
"Daí pois, a Bolsonaro o que é de Deus, e a Deus o que é de Bolsonaro" - Evangélicos 1:1

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO