Estudantes reconhecem o valor do incentivo para sua formação

Aqueles que não têm apoio superam adversidades com boa dose de motivação interna

Daiane Cavalcant


Seja para a criança de 10 anos ou o adulto de 50, os caminhos que levam à Educação são diferentes para cada indivíduo, mas o que os mantêm ávidos por conhecimento é o incentivo

Seja para a criança de 10 anos ou o adulto de 50, os caminhos que levam à Educação são diferentes para cada indivíduo, mas o que os mantêm ávidos por conhecimento é o incentivo. Mãe, pai, esposa, marido, avós, amigos... os verdadeiros influenciadores podem estar dentro da própria casa, à distância e bem como dentro de si com uma boa dose de motivação interna.

“A minha avó sempre foi uma grande incentivadora na educação de todos os netos, apesar de só ter estudado até a quinta série porque morava na roça”, revela a universitária Elisa Gonçalves, de 24 anos. Em 2018, quando decidiu mudar de área, desistindo da graduação de Letras e matriculando-se no curso de Marketing contando com apoio de uma bolsa de estudo de 60%, foi a avó que teve papel decisivo para permitir que ela ingressasse em uma nova jornada acadêmica. “Pedi o dinheiro da pré-matrícula emprestado e ela nunca me deixou devolver o valor a ela”.

Com a pandemia, veio o desemprego e Elisa, novamente, se viu sem condição de quitar os boletos da faculdade. “Minha avó disse que não queria que eu desistisse do meu curso e assumiu as mensalidades desde então”, conta com gratidão e na expectativa da formatura prevista para dezembro deste ano.

Na casa da administradora e pedagoga Isabele Louise, 35, o estudo está presente na vida de toda a família: do caçula Romeo, de 3 anos, do Lorenzo, 10, e do esposo Carlos Eduardo, 41. Além de incentivar, enquanto professora, o estudo de crianças do 4º e 5º ano do fundamental, Isabele também é a maior incentivadora na sua casa.

Por causa dela, o esposo Carlos se formou em Engenharia Civil. Segundo ele, o apoio motivacional foi crucial para vencer as barreiras na conquista do diploma. “Ela sempre estava dizendo que eu era capaz”, lembra o engenheiro que foi um dos 16 concluintes da turma que começou com 80 alunos. “Passei bastante tempo estudando nas madrugadas e finais de semana”, destaca. Atualmente, Carlos estuda Matemática na modalidade EAD.

O filho mais velho do casal, o Lorenzo, está no ensino básico e é considerado pelos pais um bom aluno. “Ele é responsável nessa parte, faz as atividades e corrige sozinho. Eu confiro e tiro dúvidas”, afirma a mãe. Em casa, a adaptação à nova forma de estudar está sendo bem administrada em família. Lorenzo tem aulas da escola, de idiomas e robótica. Por enquanto, os estudos estão sendo on-line.

O caçula Romeo ainda não está na escola, mas os pais fazem questão de ensiná-lo, desde cedo, o valor da Educação. A mãe é a responsável por passar atividades para ele. “Em casa é muito natural. Eu cobro um pouco, nessa parte tem que ter controle porque, às vezes, me vejo cobrando muito”, pondera Isabele, que não recebeu incentivo que gostaria dos seus pais. “Eu era a caçula rebelde da família, que gostava de ficar no quarto lendo e ouvindo música, mas frequentava sebos e a biblioteca municipal”, justifica.

A professora conta que, ao terminar o Ensino Médio, precisou trabalhar para pagar o cursinho pré-vestibular. “Ia correndo para o cursinho, sempre atrasada e cansada. Não passei por pouco no meu primeiro vestibular”, destaca. Por isso, sua motivação interna foi fundamental para que ela continuasse tentando e, enfim, alcançasse seus objetivos.

Assim como para Isabele, a motivação própria também foi importante na vida de Yuri Henrique, 19 anos. Ele sempre teve vontade de ingressar na faculdade, embora soubesse que suas condições financeiras limitavam a realização do sonho. Foi então que ele soube das bolsas de estudo do Educa Mais Brasil e conseguiu desconto vantajoso na mensalidade do curso Técnico em Enfermagem.

Vencida a batalha de cada mensalidade paga, Yuri precisa percorrer ainda distância de 100km por dia para estudar. “Cansativo é, mas quem tem sonho tem que correr atrás. Nada cai do céu, né? O que vem fácil, vai fácil. A gente tem que lutar para as coisas darem certo”, ensina o estudante.


Fonte: Agência Educa Mais Brasil
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO