Telessaúde ativado em Ipatinga já realizou mais de 800 monitoramentos

Divulgação


Atualmente, 360 pacientes - entre suspeitos da doença, positivados e que fazem uso da hidroxicloroquina - estão em acompanhamento diário

Criado por meio de parceria público-privada entre a Secretaria de Saúde de Ipatinga e a Faculdade de Medicina do Vale do Aço (Univaço), o programa de Telessaúde já realizou o monitoramento de mais de 800 pessoas, no município, em condições suspeitas ou confirmadas por contaminação da Covid-19.

Atualmente, 360 pacientes - entre suspeitos da doença, positivados e que fazem uso da hidroxicloroquina - estão em acompanhamento diário. Outros mais de 450 já receberam alta do monitoramento.

O acompanhamento é feito no Espaço Qualifica, no Centro de Ipatinga, por alunos dos 7° e 8° períodos do curso de medicina, orientados por professores médicos capacitados.

Acompanhamento

Do total de monitorados atualmente, 126 são pacientes com mais de 60 anos, 226 estão na faixa etária de 30 a 59 anos e seis são pacientes que fazem uso da hidroxicloroquina. O monitoramento padrão se estende até que esteja completado o 14° dia de sintoma do paciente. Contudo, pode ser prorrogado, caso a pessoa não apresente melhora em relação a algum sinal da doença.

“O paciente é acompanhado até que se tenha certeza que ele não está mais em risco. A maioria dos usuários é monitorado até completar 14 dias de início dos sintomas. Caso ele não apresente melhora, o monitoramento pode ser estendido por até 28 dias, até que tenhamos segurança de considerar sua alta. Caso a pessoa seja identificada com qualquer sintoma de alerta, a equipe de monitoramento orienta o usuário a se dirigir para avaliação presencial nas unidades básicas de saúde ou na UPA, de acordo com a potencial gravidade do caso. Nessas situações, os gerentes dos serviços de saúde são imediatamente notificados para que mobilizem suas equipes e seja certificado de que o indivíduo realmente teve sua condição de saúde avaliada. Orientamos a população de Ipatinga que prestem as informações necessárias durante as ligações para que possamos ser assertivos, e seja possível surpreender o agravamento de pessoas que estão em casa e que não procuraram os serviços de saúde em momento oportuno”, explica o médico Leonardo Ennes Carrilho, idealizador do programa de monitoramento e responsável técnico da Atenção Básica da Prefeitura de Ipatinga.

Novos paradigmas

A coordenadora do curso de medicina da Univaço, Letícia Guimarães Carvalho de Souza Lima, observa que a pandemia trouxe novos paradigmas comportamentais tanto no âmbito pessoal quanto na vida profissional da humanidade, estando dentro desse contexto a prática do Telessaúde, modalidade de atendimento amplo utilizando ferramentas tecnológicas.

“Ao participar desse projeto, o curso de medicina exercita seu papel social, apoiando a saúde da comunidade, e cumpre também seus objetivos de ensino, com o aprendizado dos alunos para essa modalidade recentemente mais atuante e regulamentada pelo Conselho Federal de Medicina. Os alunos estão fazendo o monitoramento da saúde dos pacientes e prestando as orientações necessárias, contribuindo para a prevenção, controle e tratamento da doença à distância”, explica Letícia, acrescentando que a instituição entende a necessidade de educar seus alunos para que se familiarizem com a tecnologia de Telessaúde.

“E que eles compreendam a lógica, vantagens e limitações” - projeta. “Certamente esse modelo de atendimento deverá fazer parte do projeto pedagógico do nosso curso de medicina”, finalizou a coordenadora.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO