Transformação Cultural

Wanderson R. Monteiro *

“Uma mudança começa na Filosofia, reflete-se nas artes e chega ao homem comum, na forma de cultura popular”, Francis Schaeffer.

Se olharmos para a sociedade brasileira de alguns anos atrás e a compararmos com a atual, será fácil notar as enormes mudanças ocorridas. E, mesmo que essas mudanças tenham ocorrido lentamente, ao analisarmos a sociedade brasileira do fim do século passado e compararmos com a atual, veremos que essas mudanças geraram um abismo entre essas duas culturas, separadas por tão poucos anos.

Ao longo desses anos, planos foram feitos, ideais foram traçados, e metas foram estabelecidas, com o único propósito de derrubar as grandes barreiras culturais, morais, e religiosas existentes, juntamente com seus valores e princípios. Tais barreiras, aos poucos, foram cedendo espaço, e sendo transpostas, para a implantação do caos social, fazendo com que todos os pilares da moral, da ética e do respeito ao próximo, fossem derrubados, destruídos, e tripudiados por uma minoria que detém o poder, utilizando de todos os meios possíveis para que, devagar, fizessem com que a população fosse nada mais do que bonecos nas mãos de um ventríloquo, sendo usada segundo a vontade daqueles que detém as rédeas do poder, e que, conseguiram, até mesmo, controlar a maneira de pensar da população. Ou melhor, lhes ditam o que, e como, cada um deve ou não pensar, segundo à sua vontade.

Segundo Francis Schaeffer, uma mudança na sociedade começa com a formação de uma nova filosofia, que regerá a época e trará um novo contexto para tais mudanças, servindo de base para aquilo que será o novo modo de pensar da sociedade, uma nova forma de enxergar o mundo, que será passada para a população. Nossa sociedade é dirigida por ideais e padrões pré-fabricados, idealizados e criados com o simples propósito de manipulação do povo, para a satisfação de desejos egoístas de uma minoria, sendo usados aí todos os meios possíveis para a propagação de tais ideais.

Mas não podemos mais viver assim. Precisamos tentar mudar a forma de como as coisas acontecem e, consequentemente, mudar o curso que nossa sociedade tem seguido. Tenho plena consciência de que tal mudança de curso não é tarefa fácil, e nem tarefa para ser realizada em pouco tempo. A tarefa de mudar o curso de nossa sociedade demanda que cada um de nós tome posição diante da correnteza que nos arrasta para a lama da corrupção total do homem, e da desvalorização do ser humano. Mudar tal curso consiste na tarefa de andarmos na contramão do sistema que hoje prevalece no mundo, que conspira contra a moral, os bons costumes, e todo e qualquer tipo de princípio que tenha a capacidade de fazer do ser humano um ser melhor.

* Bacharel em Teologia pelo ICP - Instituto Cristão de Pesquisas.
(São Sebastião do Anta – MG)dudu.slimpac2017@hotmail.com
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Tião Aranha 07 de agosto, 2020 | 10:45
'Até os 40 anos todo cidadão tem muita esperança de mudar o mundo'. O maior desafio é como passar a fé bíblica às futuras gerações, se nem à presente geração estão conseguindo...

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO