Ipatinga afirma que Estado solicitou atendimento a pacientes transferidos de Fabriciano

Divulgação


O governo municipal noticiou que a taxa de ocupação de leitos de UTI em Ipatinga vem caindo sucessivamente e já baixou de 100% para 76%

O governo de Ipatinga informou que recebeu, nesta quarta-feira (5), uma comunicação oficial da Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG), com solicitação para disponibilização de vagas emergenciais para transferência de pacientes de Coronel Fabriciano – que estejam ou não com covid-19 –, "devido à interdição cautelar nos leitos de UTI realizada pela Vigilância Sanitária de Minas Gerais no Hospital José Maria Morais", localizado na cidade vizinha.

A administração de Coronel Fabriciano reafirmou, por meio de nota, que o hospital permanece apto para receber pacientes e contesta a necessidade de transferir pacientes para outras cidades.

Entretanto, em nota publicada no começo da noite a Secretaria de Estado da Saúde reafirmou a interdição no hospital em Coronel Fabriciano e explicou que, sanadas as inconformidades, o hospital volta a ter internações liberadas.

Preocupação

Afirmando estar preocupado com a situação, que tende a sobrecarregar o sistema de saúde municipal num momento em que ele apresentava sinais de alívio, o prefeito de Ipatinga, Nardyello Rocha, disse que o poder público local será solidário a Coronel Fabriciano, esperando que a questão seja solucionada o mais rápido possível.

"Nós temos acompanhado nos últimos dias este imbróglio que virou essa discussão referente à interdição ou não das UTIs covid e não covid do Hospital de Coronel Fabriciano. Estávamos e continuamos torcendo muito para que tudo isso seja solucionado, pois o reflexo pode ser muito grande dentro do nosso Vale do Aço. Por alguns dos posicionamentos das autoridades da cidade vizinha, entendíamos inclusive que isso já havia sido resolvido, mas hoje fomos surpreendidos com esse documento oficial da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais".

"Ficamos assustados porque nós estamos falando de uma cidade como Ipatinga que já atende quase meio milhão de habitantes, pertencentes à nossa micro, e temos uma micro na nossa cidade vizinha que atende mais de 200 mil pessoas. Então, nós passaríamos, a partir de agora, a ter todos dentro de uma só micro, a nossa", afirmou o prefeito.

Reprodução

Secretaria de Estado da Saúde enviou ofício à administração de Ipatinga solicitando apoio


Índices reduzidos

O Executivo ipatinguense lembrou que o município conseguiu, depois de várias semanas trabalhando a 100% de leitos de UTI ocupados, baixar este índice para 90%, depois 80%, “e hoje nós estamos em 76%, ou seja, estamos em franco esvaziamento no que se refere a número de leitos de UTI ocupados. E quando a gente começa a ter esse resultado positivo, que pode refletir em decisões mais flexibilizadoras a serem tomadas aqui, nos deparamos com um quadro destes. É óbvio que a tendência é saturar não apenas os leitos de Ipatinga, mas também de outras cidades que têm hospitais para os quais os pacientes de Coronel Fabriciano possam ser transferidos, como Caratinga”, afirma Nardyello.

“O que tenho a dizer neste momento é que estamos solidários à comunidade de Coronel Fabriciano e a todos que lá estão trabalhando para resolver esta situação. Ipatinga não vai abdicar de sua posição de cidade-polo no Vale do Aço, e vamos trabalhar de todas as formas para acolher os pacientes que nos forem encaminhados, enquanto este dilema não for resolvido. É bom que se registre que muitos deles, assim como das demais cidades do Vale do Aço, já têm sido atendidos em nossa cidade”, destacou o prefeito.

Atendimento

“Na terça-feira (4) tivemos uma surpresa, porque recebemos comunicado do Susfácil para receber um paciente inclusive não covid, de Coronel Fabriciano. De início ficamos sem entender muito bem, e foi quando tivemos conhecimento mais claro desta situação na cidade vizinha. Naquele momento, ainda não tínhamos um documento oficial, mas mesmo assim autorizamos o recebimento, claro, porque temos este cuidado com a vida humana. Não vamos medir esforços para colaborar porque, como sempre entendemos, o Vale do aço é um só”, concluiu o prefeito.

Coronel Fabriciano reafirma que HJMM está capacitado para atendimentos



A Secretaria de Governança da Saúde de Coronel Fabriciano informou, por meio de nota no fim da tarde dessa quarta-feira que é inverídica a informação de que os leitos de UTI Covid e clínicos do Hospital José Maria Morais (HJMM) estão inoperantes.

“Conforme já divulgado pelo município no domingo (2), o Tribunal de justiça de Minas Gerais, suspendeu a liminar deferida a pedido do Ministério Público que pleiteava a interdição total dos leitos”, informou a nota.
A nota acrescenta que, na decisão, a desembargadora de plantão, Sandra Fonseca, afirmou que no Hospital Dr. José Maria Morais, "há plenas e totais condições de acolhimento integral contando com máquinas de hemodiálise e diálise em pleno funcionamento para os pacientes em UTI Covid".

Por fim, a Prefeitura de Coronel Fabriciano, “desconhece qualquer tipo de documento enviado por outro município. Seguimos firmes recebendo de forma humanizada nossos pacientes, ainda que o SUSFÁCIL insiste em descumprimento da decisão da Desembargadora, que foi clara de que o Hospital Dr. José Maria Morais oferece todas as condições necessárias para atendimento a todos os pacientes covid”.

E conclui afirmando: “O que ocorre é apenas a Superintendência Regional de saúde (SUS) que não está enviando pacientes para o HJMM por motivos obscuros e em claro descumprimento de ordem judicial. Lamentamos a utilização política deste momento sensível onde a prioridade do município é salvar vidas”.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Hehe 07 de agosto, 2020 | 14:58
VAI MARCOS VINICIOS SUA REELEIÇÃO E CERTA VC TA FAZENDO OQ O POVO QUER
Guilherme Pedroso 06 de agosto, 2020 | 21:45
O prefeitodeCoronel Fabriciano precisa aderiraoMinasconsciente. Enquanto continuareste descontrole na cidade, os casos irão aumentar em todo Vale do aço
Fabiano Cezar 06 de agosto, 2020 | 21:19
O prefeito de Coronel Fabriciano tem que ser mais humano e compreensivo neste momento de pandemia. Bares e comércio aberto, pessoas sem máscara pelas ruas, muito descaso com a população. Covid não é brincadeira. Acorda prefeito! O senhor é médico formado onde??? Vergonhoso.
Renata 06 de agosto, 2020 | 16:07
È um absurdo a gestao de coronel fabriciano. PREFEITO irresponsàvel com a populaçâo. EM PLENA PANDEMIA DEIXAR O COMÈRCIO ABERTO e a populaçâo sem assistencia necessaria. Me envergonho de ser fabricianense. ESTE PREFEITO DEVERIA DER DEPOSTO.
Guilherme 06 de agosto, 2020 | 12:39
Pois é Maria, tanto que a unica cidade que aderiu ao Minas consciente foi Coronel fabriciano.
Ronaldo 06 de agosto, 2020 | 07:49
Fabriciano abre tudo e quem paga o pato é Ipatinga?!...Assim fica fácil abrir comércio. A Prefeitura de Ipatinga tem que oficiar o Estado e arrumar alguma outra cidade pra dividir os doentes de Fabriciano... e parte desses vereadores de Ipatinga que estão mais preocupados com eleição tem que agir e parar de politicagem midiática... Ipatinga já esta cansada dessa politicagem baixa de sempre, mesmo mudando alguns "personagens" a cidade nunca cresce na cultura política.
Clara 06 de agosto, 2020 | 07:37
Enquanto o demônio do prefeito de Fabriciano finge q não tá nada acontecendo e deixa tudo aberto, os hospitais de ipatinga serão tomados de fabricianenses tirando os nossos leitos de hospitais sendo q aki estamos seguindo os protocolos. Palhacada
Maria de Lourdes Costa 05 de agosto, 2020 | 19:17
Enquanto a gestão de Coronel Fabriciano continuar resistente à adesão ao Minas Consciente, deixando o comércio aberto, aglomerações, não exigindo o uso de máscaras, os casos no Vale do aço irão aumentar. Falta de responsabilidade!!!

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO