Levando o teatro para casa

De segunda-feira a domingo, montagens especiais no #EmCasaComSesc

O Sesc São Paulo transmite diferentes trabalhos cênicos, direto da casa dos artistas, às segundas, quartas, sextas-feiras e domingos, às 21h30, dentro da série Teatro #EmCasaComSesc.

Roberto Setton/Divulgação/ACS SescSP


Soraya Ravenle interpreta o solo teatral Instabilidade Perpétua
Neste domingo (2), a atriz Soraya Ravenle vai apresentar uma adaptação do solo teatral Instabilidade Perpétua. Baseado no livro homônimo do filósofo e poeta paulistano Juliano Garcia Pessanha, a obra apresenta uma coletânea de ensaios filosóficos e historietas.

Assinando a dramaturgia com Diogo Liberano, Soraya instiga o público com aspectos filosóficos da existência humana em sociedade, oferecendo ao espectador uma maneira de enxergar a vida através das próprias feridas.

Na segunda-feira (3), o ator Kenan Bernardes encena Medea Mina Jeje, um poema-pranto de uma mulher negra, escravizada na Vila Rica de Nossa Senhora de Pilar de Ouro Preto, nas Minas Gerais do século 18.

Julieta_Bacchin/Divulgação/ACS SescSP


Em Medea Mina Jeje, Kenan Bernardes e o poema-pranto de uma mulher negra
Ao saber que seu filho Age seria perseguido, mutilado e de novo preso à boca de uma mina de ouro, Medea decide sacrificá-lo, numa tentativa de libertá-lo da própria sina.

Com dramaturgia de Rudinei Borges e direção de Juliana Monteiro, a peça parte da jornada mítica de Medeia, do dramaturgo grego Eurípedes, batendo fricção com alguns dados históricos de negros escravizados na época do Brasil Colônia.

A peça reconstitui a trajetória de uma mãe negra escravizada que opta pela decisão mais difícil a fim de livrar o filho do penoso trabalho nas minas de ouro que moveram a economia do Brasil durante séculos. O monólogo é indicado para maiores de 14 anos.

Lenise Pinheiro/Divulgação/ACS SescSP


Isabella Lemos mostrará fatos marcantes da trajetória de Cacilda Becker
Na quarta-feira (5), em Viva Cacilda! Felicidade Guerreira!, Isabella Lemos mostrará fatos marcantes da trajetória de Cacilda Becker, um dos maiores nomes do teatro brasileiro, que completaria cem anos em 2021.

O espetáculo solo foi criado a partir do texto escrito e encenado por Zé Celso Martinez Corrêa. A adaptação do roteiro e direção são da fotógrafa Lenise Pinheiro, especializada em teatro.

Nesta versão especial, com ambientação criada na casa da atriz Isabella Lemos, Marcelo Pellegrini assina a trilha sonora composta e gravada exclusivamente para a transmissão, na qual o músico José Miguel Wisnik interpreta o tema de abertura em voz e piano.

Formada na Escola Superior de Artes Célia Helena (SP), com especialização em duas importantes academias de artes e dramaturgia de Londres e Nova York, Isabella Lemos atua no teatro e no cinema. A classificação indicativa de Viva Cacilda! Felicidade Guerreira! é 16 anos.

Quitéria Kelly e Henrique Fontes estão em A Frasqueira de Jacy


Wlademir Alexandre/Divulgação/ACS SescSP
Uma frasqueira encontrada no lixo contendo vestígios da vida de uma mulher de 90 anos é o enredo do monólogo que será mostrado na sexta-feira (7), com Quitéria Kelly e participação de Henrique Fontes.

A Frasqueira de Jacy é um novo recorte de uma história real que resultou na peça de teatro documental Jacy, que estreou há sete anos, fruto de uma investigação do Grupo Carmin, de Natal (RN), na qual Quitéria e Henrique fazem parte. O encontro da frasqueira pela companhia teatral completa uma década em 2020, ano em que Jacy faria 100 anos.

A versão é uma transcrição da peça original para o formato online, sob direção de Henrique Fontes, que também assina a dramaturgia com Pablo Capistrano, e terá interação de documentos gravados. O espetáculo é livre para todas as idades.

Divulgação/ACS SescSP


Eduardo Moscovis conta a história de um homem que recebe um livro do pai
E no próximo domingo (9), o ator Eduardo Moscovis dará continuidade ao encontro artístico com a encenadora e diretora Christiane Jatahy, que assina a dramaturgia e a direção desta adaptação de O Livro.

O texto de Newton Moreno conta a história de um homem que recebe um livro do pai, mas o presente é o anúncio de que ele chegará em breve, talvez em algumas horas, em alguns minutos... ali.

Nesta versão, a peça propõe novos diálogos com o texto original e com quem assiste, caminhando na fronteira da realidade e da ficção. Um monólogo para refletir sobre o momento em que vivemos, os cortes abruptos e as transformações inevitáveis.

AGENDA:
Domingo (2) - Soraya Ravenle, em Instabilidade Perpétua
Segunda-feira (3) - Kenan Bernardes, em Medea Mina Jeje
Quarta-feira (5) - Isabella Lemos, em Viva Cacilda! Felicidade Guerreira!
Sexta-feira (7) - Quitéria Kelly, do Grupo Carmin, em A Frasqueira de Jacy
Domingo (9) - Eduardo Moscovis, em O Livro
Saiba mais em Sesc Digital.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO