Cruzeiro é condenado a pagar técnico Mano Menezes

Vinnicius Silva/Cruzeiro


Mano Menezes entrou na Justiça do Trabalho contra o Cruzeiro

O Cruzeiro foi condenado na Justiça do Trabalho, em ação movida pelo técnico Mano Menezes. Sentença da 42ª vara, proferida na sexta-feira (31/7), condenou o clube mineiro ao pagamento de R$ 2.843.679,61 ao ex-treinador devido ao não cumprimento do termo de rescisão e outros valores atrasados.

Ao valor determinado, ainda serão acrescidas correções monetárias. Por isso, o valor total sofrerá alterações. Cabe recurso ao clube mineiro. O despacho de intimação já foi enviado às partes. A reportagem tentou entrar em contato com o Cruzeiro, mas não obteve o retorno até o momento.

Valores que, somados, chegam a pouco mais de R$ 2,8 milhões da condenação. O Cruzeiro ainda teve o ônus de pagar os honorários advocatícios, na ordem de R$ 24.404,24, segundo a sentença. O valor da causa (ou seja, dos pedidos de Mano), que corre na 42ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, é de R$ 4,3 milhões aproximadamente.

Na ação, a juíza também nega o benefício da justiça gratuita ao clube mineiro. A sentença ainda negou alguns pedidos de Mano Menezes: multa em dois artigos da CLT, e pedido de pagamento de FGTS em decorrência das diferenças de férias proporcionais acrescidas de um terço.

Uma segunda ação também foi protocolada por Mano também em maio. Em nome de sua empresa, o treinador cobra direitos de imagem, em uma quantia total de R$ 1 milhão.

Ainda no fim de maio, a Justiça citou o Cruzeiro a pagar, em 15 dias, a quantia a Mano Menezes. O clube, no entanto, entrou com embargos. O processo, que corre na 27ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, segue em andamento. O clube mineiro disse que "tem mapeado e acompanhado todas as ações que envolvem o Clube e se manifestará quando considerar pertinente". Com informações do globoesporte.com.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO