Acusado de feminicídio vai a júri popular

Crime aconteceu no ano passado no Bairro Santa Amélia, em BH

Foto ilustrativa


Toda a ação, no dia do crime, foi acompanhada pelo acusado, segundo a denúncia do MP; réu vai aguardar o julgamento preso
(TJMG)
O juiz sumariante do 1º Tribunal do Júri de Belo Horizonte, Marcelo Rodrigues Fioravante, pronunciou o réu R.V.N., acusado de matar a namorada de 21 anos no Bairro Santa Amélia, região da Pampulha, na capital. A data do júri popular ainda não foi definida pela Justiça.

O crime ocorreu em dezembro do ano passado, na Rua Alair Marques Rodrigues, quando dois homens entraram no escritório da vítima, perguntaram por ela e a mataram com um tiro no rosto.

Os dois executores agiram, segundo o Ministério Público (MP), a mando do namorado da jovem. O casal tinha um filho e mantinha relacionamento amoroso havia três anos.

A quebra de sigilo telefônico da vítima revelou as desavenças e a intenção dela de colocar fim ao namoro. Inconformado com o término, o rapaz arquitetou o assassinato.

Toda a ação, no dia do crime, foi acompanhada pelo acusado, segundo a denúncia do MP. O mandante também teria auxiliado os executores na fuga, quando eles embarcaram no carro conduzido pelo então namorado da vítima.

Pouco antes do assassinato, ele fez contato com a namorada, via aplicativo WhatsApp, dizendo que um despachante lhe entregaria um documento e solicitou que ela abrisse o estabelecimento comercial. A mulher foi surpreendida e morta com um tiro.

Motivo torpe

O réu será julgado por um júri popular. O juiz Marcelo Fioravante o pronunciou por homicídio, praticado contra a mulher, por motivo torpe, com dissimulação, tendo ele concorrido e organizado o crime, com corrupção de menor e adulteração de veículo automotor.

O réu vai aguardar o julgamento preso.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO