Defesa Civil de Coronel Fabriciano faz alerta contra as queimadas

Divulgação


As queimadas podem provocar tragédias naturais e humanas, inclusive com risco à vida

Com a estiagem está de volta o perigo das queimadas dentro das áreas verdes urbanas e rurais. O período de baixa umidade do ar favorece os incêndios florestais. Em Coronel Fabriciano, o serviço público já detectou aumento da presença de fogo em terrenos baldios, o que preocupa a Defesa Civil Municipal, que iniciou um trabalho de conscientização.

O gerente da pasta, Luiz Guilherme Amaral Júnior – Juninho Guilherme – disse que a Defesa Civil monitora as áreas mais propícias a incêndios e faz um apelo: “Por mais que a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros se esforcem para conter os incêndios, é preciso que a sociedade entenda que a mudança está em suas mãos”, diz.
Segundo Juninho, a falta de conscientização do cidadão é a grande causa das queimadas. Para tentar mudar o quadro, ele promove conversas e palestras nas comunidades com apoio da Gerência de Meio Ambiente e do Conselho Municipal de Meio Ambiente (Codema).

Perigo

As queimadas podem provocar tragédias naturais e humanas, inclusive com risco à vida, lembra Juninho. O meio ambiente é amplamente afetado, comprometendo a qualidade do solo, da água, da vegetação e do ar. Além disso, a fumaça tóxica pode acentuar os problemas de doenças respiratórias, agravando o quadro da pandemia do novo coronavírus.

O município de Coronel Fabriciano tem uma área remanescente de Mata Atlântica, incluindo a Serra dos Cocais. A proteção dessas áreas preocupa as autoridades, visto que ficam em terras particulares ou anexas a regiões reflorestadas de exploração comercial. “A Serra dos Cocais é a nossa principal Unidade de Conservação com uma vegetação rica e uma fauna espetacular. Temos de preservá-la”, afirma Juninho.

Conselho vai atuar

O município aprovou este ano a Lei Municipal 4.300/2020 que dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais. Com ele, será possível dinamizar o trabalho nas unidades de conservação e demais áreas protegidas. Quem for pego fazendo queimada ilegal pode responder por crime ambiental com pena de dois a quatro anos de reclusão, processo criminal por uso de fogo sem licença e multa administrativa.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Luiz Guilherme Amaral Junior 29 de julho, 2020 | 15:21
Sr José Antonio da Silveira Drumond,sou o Gerente da Defesa Civil e estamos atentos a tudo isso e queriamos que o sr nos fizesse uma visita para nos ajudar com sugestões!Nosso endereço é na Secretaria de Obras proximo ao Cemiterio Publico Municipal
Abraços e estamos a disposição
José Antônio da Silveira Drumond 29 de julho, 2020 | 11:05
São de sítios e chácaras urbanos e semi-urbanos que os incêndios de grandes proporções normalmente "brotam", mas parece que os órgãos municipais de combate a incêndios ainda não atentaram para este detalhe, principalmente em Cel. Fabriciano onde resido. Não seria o caso da Defesa Civil começar a "visitar" tais locais e passarem desde já as orientações? Seria tudo muito mais fácil.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO