Unidades de Saúde de Ipatinga vão realizar eletrocardiogramas

Divulgação


Estrutura disponível nas próprias UBS's, dará respaldo a protocolo de tratamento aos pacientes de covid-19

A partir desta semana, as 21 Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Ipatinga passarão a realizar exames de eletrocardiograma com telelaudo. A novidade foi anunciada nesta terça-feira (28), pelo prefeito Nardyello Rocha, ao destacar que a chegada dos aparelhos representa economia aos cofres do município. Isso porque o custo para realização do exame sob contratação, antes da aquisição dos equipamentos, era de R$ 15 por laudo. Com a estrutura disponível nas próprias UBS’s, agora o serviço unitário sairá no valor de R$ 4,50, detalhou o chefe do Executivo.

“Nunca existiu em nossas Unidades Básicas de Saúde a possibilidade de se fazer um exame de eletrocardiograma e, mais, com resultado praticamente imediato. Esse procedimento traz comodidade para a população, que não precisa realizar grandes deslocamentos, e também segurança ao médico e ao paciente que precisar fazer o uso de medicamentos para tratamento precoce da covid-19”, ressaltou o prefeito.

Agilidade

Mais uma vantagem é a agilidade e a comodidade para realização do exame. Antes, eles eram feitos no Hospital Márcio Cunha, Policlínica ou por agendamento em clínicas conveniadas. Agora disponíveis nas UBS’s, o paciente poderá realizá-los na unidade de referência, próximo de sua residência.

Conforme o governo, outro fator benéfico é a rapidez para entrega dos resultados. Após a realização do exame, o paciente recebe em poucos minutos, na própria UBS, o laudo médico com as informações do eletrocardiograma.

Novo protocolo

A realização do eletrocardiograma nas UBS’s é referente a pacientes em tratamento da covid-19, detalha o governo. Desde o mês de junho, médicos que atendem nas Unidades Básicas de Saúde de Ipatinga já são orientados, por meio da nota técnica 01/2020, publicada no Diário Oficial, ao uso da hidroxicloroquina e azitromicina para o tratamento precoce contra o coronavírus. Os pacientes, mesmo com quadro ainda de suspeita de contágio pela doença, passaram a receber os medicamentos, sob prescrição médica.

Porém, o médico Leonardo Ennes Carrilho, responsável Técnico da Atenção Básica, ressalta que o eletrocardiograma é um exame que trará mais segurança ao profissional para prescrever a medicação e, também, ao paciente. “É sabido que alguns pacientes que tenham determinados problemas de saúde não podem usar essas medicações. Mas, com o eletro, aquele médico que, com o aval de seu paciente, decidir utilizar a hidroxicloroquina e azitromicina, estará mais seguro para a prescrição”.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO