Homem passa mal e morre na delegacia de Ipatinga

Ele havia caído de moto e apresentava sinais de embriaguez ao ser encontrado pela polícia, em Timóteo; morreu e teve constatada hemorragia interna

Wôlmer Ezequiel/Arquivo DA


Cela do correcional na Delegacia de Ipatinga Ipatinga

Wanderson Arlen Silva Santos, de 37 anos, morreu ao passar mal no interior da cela correcional da 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil (DRPC), em Ipatinga. Ele havia sofrido um acidente de motocicleta, em Timóteo, e apresentava sinais de embriaguez por isso a condução dele para o plantão da delegacia, no domingo (27).

Uma equipe da Polícia Militar realizava uma operação no bairro Cruzeirinho, em Timóteo, e viu o condutor da moto Suzuki Yes caído no chão depois de perder o controle direcional do veículo na rua 105. Os policiais observaram que Wanderson estava com sinais de ter ingerido bebida alcoólica.

O resgate do Corpo de Bombeiros foi acionado e socorreu o motociclista encaminhando à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no bairro Primavera. Ele apresentava apenas leves ferimentos no corpo e, depois de ser medicado, liberado para os policiais militares darem sequência à ocorrência.

Enquanto a moto, que teve vários danos na queda, foi liberada para uma pessoa habilitada, Wanderson foi encaminhado para a delegacia de Polícia Civil. O motociclista se recusou a assoprar o etilômetro (bafômetro), mas alegou que tomou duas latinhas de cerveja e vinho no fim da manhã de domingo.

O motociclista ficou à disposição da Polícia Civil, na Regional de Ipatinga. Por volta das 21h30, o caso foi entregue à delegada plantonista, Lívia Athaíde, que depois de analisar o caso arbitrou fiança no valor de R$ 1,1 mil. O pai de Wanderson foi informado da situação para que o filho fosse liberado.

Assim que os policiais civis foram buscar o conduzido, eles depararam com Wanderson desacordado na cela. Uma equipe do SAMU foi acionada, mas apesar dos esforços dos profissionais socorristas, o motociclista morreu. O corpo dele foi encaminhado ao Instituto Médico-Legal (IML) de Ipatinga para análise da possível causa da morte. No fim da tarde dessa segunda-feira a reportagem do Diário do Aço apurou que a causa da morte foi hemorragia interna.

Resposta

Procurado pela reportagem, o Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus, que faz a gestão da UPA Geraldo dos Reis Ribeiro enviou a seguinte nota oficial:

"O HMTJ está examinando os fatos em questão, mas ressalta que a UPA onde foi prestado o atendimento é dotada de todos os recursos a tanto necessários, e conta com profissionais de qualidade técnica comprovada".
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Bolso 31 de julho, 2020 | 13:52
upa ou iml.... da ate medo de ir pra esses lugares
Tanacar 29 de julho, 2020 | 11:31
Sempre opinioes maldosas sem de fato saber do ocorrido,aqui nao e local para suposicoes,ate pq ninguem acompanhou o caso, para aqui emitir opinioes pessoais.
Quem esta apto p falar de atendimento medico?
Ha algum profissional da saude p dizer o que deveria ter sido feito?
Engenheiros de Obra pronta......
Oliveira 28 de julho, 2020 | 17:37
Se o motociclista não estivesse embriagado, ajudaria muito. Sempre culpamos a fatalidade. Nos eximimos das responsabilidades. Assim é o povo brasileiro.
Duvido 28 de julho, 2020 | 15:47
Tem mato nesse coelho.
Alguma coisa errada não está certa.
Mas o certo mesmo no momento é acionar o município na justiça.
E investigar as circunstâncias da liberação do paciente pela UPA.
Robson Lima 28 de julho, 2020 | 09:31
infelizmente esse é o Sus.
não tem capacitação profissional, os impostos que nós pagamos serve pra negligenciar situações e por a vida das pessoas em risco, não tem melhora infelizmente.
mais uma vítima do sus essa é a verdade.
Descance em paz meu amigo.
Curto e Franco 28 de julho, 2020 | 08:48
Na verdade tambem , sempre os policiais nao esperao os medicos fazeren o procedimento correto , nao tem essa de cupar a saude publica nao , essa historia ta mal contada .
Soares 28 de julho, 2020 | 07:55
tem q apurar melhor esta situação muito estranho.
Jaqueline Santos 28 de julho, 2020 | 05:17
Infelizmente isso não é problema só da rede publica. Tive há algum tempo também um acidente de moto, onde relatei estar sentindo muita dor no abdômen ao chegar de SAMU no hospital da rede privada, fizerem apenas um RX e me liberaram para casa, visto que não havia quebrado nada, me deram 3 dias de atestado mesmo ainda sentindo muita dor abdominal, mas falaram que era normal. Após 48hs tiver que voltar ao Pronto Socorro, pois estava com muita dor , onde constatou por ultrassom que eu estava com hemorragia no baço e 30 % já em estado de necrose. Resultado, fiquei vários dias internada e tomando antibiótico na veia, devido a incompetência médica na hora de avaliar o acidente. O médico que me atendeu no PS, disse que se tivesse esperado mais 1 dia em casa, não teria sobrevivido e que o correto era eles terem feito o exame de US assim que eu cheguei com o SAMU.
Natania 27 de julho, 2020 | 20:09
Que fatalidade. Como sempre o atendimento na rede pública impecável né, sempre a mesma história só medicação e tchau, nunca fazem exame para checar

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO