Animais de rua têm condições checadas em Ipatinga

Divulgação


Zoonose realiza testes para identificação de casos de leishmaniose e aplica vacina antirrábica em cães de catadores e moradores de rua

A administração de Ipatinga informa que executou, nesta sexta-feira (24), uma ação de caráter extraordinário que tem como objetivo a manutenção da saúde pública e sanitária no município. O Departamento de Vigilância em Saúde realizou testes de leishmaniose e vacinou contra a raiva aproximadamente 20 cães de moradores em situação de rua e acumuladores de lixo reciclável.

A ação se concentrou no fim da rua onde está localizado o ginásio do Centro Esportivo e Cultural 7 de Outubro, no bairro Veneza I. O ponto é um local onde vivem diversos moradores em situação de rua que, em sua maioria, pernoitam e percorrem a cidade acompanhados de cães, detalhou o governo.

Em diversos momentos do ano, o Executivo realiza ações que buscam o cuidado com o animal de rua e também a proteção da saúde pública. Contudo, esta ação específica foi desencadeada pelo município após o recebimento de diversas denúncias e ouvidorias relacionadas à saúde dos animais e também as condições de higiene do local.

O veterinário Milton Max Madeira de Oliveira, do Centro de Controle de Zoonoses, explica como foram feitos os testes para identificação da Leishmaniose Visceral e, em paralelo, a aplicação da vacina. “Fazemos um teste rápido, inicialmente, e naquele animal que apresentar resultado reagente é feito um segundo exame, mais completo, para confirmação. Encaminhamos o material coletado para o laboratório e, mediante o resultado, são transmitidas as orientações para o proprietário do cão”, explicou.

O profissional também salientou a importância da ação no que diz respeito às condições sanitárias. “Por sua natureza, o ambiente em questão oferece muitos riscos para o desenvolvimento da doença. Trabalhamos para identificar os reservatórios da doença, passando uma orientação para a população local em relação ao manejo do ambiente. É preciso tomar muito cuidado com a matéria orgânica, fezes, bananeiras, entulhos e lixo de um modo geral. Tudo isso favorece a multiplicação do mosquito palha, transmissor da leishmaniose visceral”, detalhou.

Orientação

Após a testagem e a aplicação da vacina, a equipe do setor de zoonoses reuniu os proprietários dos animais e repassou algumas orientações, além de realizar a entrega dos exames com os respectivos resultados.

O animal que no teste rápido apresentou resultado reagente para leishmaniose visceral foi novamente testado. Mas, o segundo procedimento é um exame mais completo. Uma amostra de sangue é coletada e enviada para análise em laboratório.

O veterinário Milton Madeira explica que, no caso de nova confirmação em relação à doença, o recomendado pelo Ministério da Saúde é a eutanásia do animal. “Com a autorização do proprietário, o município recolhe o animal para a realização do procedimento. Contudo, é necessário lembrar que isso não resolve o problema, porque a causa precisa ser solucionada. Por isso a importância do manejo ambiental. A manutenção da limpeza do local é fundamental, porque o mosquito precisa de matéria orgânica para o seu desenvolvimento”, explicou.

Também foi orientando aos proprietários dos animais que, além da limpeza do local, é necessário que eles mantenham alguns cuidados diferenciados com os cães. “É necessário adquirir coleiras e sprays repelentes contra o mosquito transmissor da Leishmaniose. Se a pessoa quer ter o animal, é preciso cuidar bem dele”, concluiu Milton.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO