Deputados criticam reforma da previdência em plena pandemia

Defensores das mudanças, no entanto, consideram proposta essencial para equilibrar as contas do Estado

Guilherme Dardanhan


Comissão de Constituição e Justiça analisa proposições em reunião realizada de maneira remota em razão da epidemia de covid-19, causada pelo Coronavírus

A pressa em analisar o projeto de reforma da previdência dos servidores do Estado, sem amplo debate e sem participação popular, no momento em que o Parlamento mineiro está de portas fechadas à população, por conta da pandemia de Covid-19, foi criticada por diversos parlamentares em reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Na ocasião, foram aprovados os pareceres do relator e presidente da comissão, deputado Dalmo Ribeiro Silva (PSDB), pela constitucionalidade das duas proposições do governador Romeu Zema que contêm a reforma: a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55/20 e o Projeto de Lei Complementar (PLC) 46/20.

A comissão rejeitou requerimentos do deputado Sargento Rodrigues (PTB) e da deputada Ana Paula Siqueira (Rede) pedindo o adiamento da discussão.

Além de discordarem de vários pontos constantes das matérias, parlamentares contrários à realização da reforma neste momento, questionaram a forma como o processo de discussão e votação está sendo conduzido, lembrando o estado de exceção imposto pela pandemia.

Sargento Rodrigues apontou trechos do parecer em que o próprio relator admite que o tema requer “amplos debates com as categorias envolvidas”. Citou também o artigo 5º da Constituição Federal, que trata da livre manifestação do pensamento, de locomoção e de reunião, prejudicada no contexto da pandemia. Ele disse que vai impetrar mandado de segurança contra a tramitação da matéria.

Segundo o deputado, a voz do cidadão está sendo calada “na Casa que se diz do povo”, já que os recursos tecnológicos à distância não substituiriam a participação presencial. Ele lembrou, ainda, que desde o início da pandemia outros prazos relevantes da vida política, civil e administrativa do País têm sido adiados ou prorrogados, entre os quais as datas das eleições municipais.

A proposta de reforma previdenciária do Estado de Minas Gerais deverá atingir também 220 municípios mineiros que possuem regime próprio de previdência.

Protesto

Por medida de segurança, devido à pandemia, servidores não puderam acompanhar a reunião. Do lado de fora da ALMG, eles manifestaram contra os projetos Álbum de fotosPor medida de segurança, devido à pandemia, servidores não puderam acompanhar a reunião.

A representante do Bloco Democracia e Luta na CCJ, deputada Ana Paula Siqueira (Rede), alegou que “a temática é complexa e o tempo curto” para analisá-la. Segundo ela, os pareceres apresentados são “robustos” e introduzem alterações importantes, mas ainda assim não contemplam a perspectiva dos servidores e deixam dúvida sobre garantia dos direitos, com grande impacto sobre os funcionários do Estado, principalmente as mulheres. A deputada defendeu que a CCJ usasse o prazo regimental de até 40 dias para analisar as proposições.

Para defensores, reforma é essencial para equilibrar contas públicas

Os parlamentares que defendem a reforma consideram que a mudança no sistema previdenciário é essencial para garantir a sustentabilidade do equilíbrio fiscal e atuarial, do crescimento econômico, da geração de empregos e do próprio pagamento dos benefícios atuais e futuros aos servidores. Essa é a posição sustentada pelo líder do Governo na Assembleia, deputado Raul Belém (PSC).

Para o líder do Governo na ALMG, a reforma é essencial para garantir a sustentabilidade do equilíbrio fiscal Para o líder do Governo na ALMG, a reforma é essencial para garantir a sustentabilidade do equilíbrio fiscal.

O deputado Bartô (Novo) reconheceu que a pandemia traz desconforto pela falta de participação popular para discutir os projetos, mas ponderou que o Estado passa por uma situação financeira calamitosa, agravada com a expansão da Covid-19, o que justificaria a necessidade de se prosseguir com a discussão. “Cabe a nós (parlamentares) discutirmos com as entidades (de trabalhadores) e equacionar o projeto”, sugeriu.

Bartô considerou a reforma tímida, por proporcionar um impacto financeiro de R$ 2,3 bilhões para um déficit de R$ 20 bilhões.

O deputado Bruno Engler (PSL) lembrou que o governo não consegue nem mesmo pagar o salário dos servidores em dia, ao salientar que os direitos devem se adequar à realidade das contas públicas.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Cristina 05 de julho, 2020 | 14:09
E pior que nem se sabe o que está sendo discutido. Isto é traição ao trabalhador.
O servidor não é culpado de desvios de dinheiro público e má gestão, mas sempre acaba pagando o preço da histórica forma de governar no Brasil: Tirando de quem já tem pouco e dando para quem já tem muito.
Roberto 04 de julho, 2020 | 23:47
Infelizmente esse governador ñ valoriza o servidor público, talvez ele esqueceu q eles ñ recebem fgts, seguro deseprego ou seja, se mandado embora com 20 anos de trabalho saí com 1 mão atrás e outra na frente( injustiça) ai com isso q perde é a sociedade, ñ tem nenhum reconhecimento so querendo prejudicar eles ,ai como querem q eles trabalhem com alegria e dedicação .se esse governador continua assim coitado da sociedade . Valorização do servidor público é essencial pra sociedade.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO