Cinco coisas que você deve evitar na hora de financiar um imóvel

Conheça e evite alguns problemas que podem impedir a realização do seu sonho

Divulgação


Atualmente o mercado oferece soluções simples para comparar financiamento imobiliário e, em algumas delas, é possível deixar todos os trâmites a cargo de especialistas

Uma das modalidades mais rápidas, práticas e acessíveis do mercado, o financiamento imobiliário oferece aos que buscam investir em um novo imóvel uma jornada cheia de detalhes. É preciso estar atento durante cada etapa do processo para que nada lá na frente se transforme em um impeditivo e você tenha que voltar alguns passos ou até mesmo começar tudo de novo.

Hoje em dia, o mercado oferece soluções simples para comparar financiamento imobiliário e em algumas delas, é possível inclusive deixar todos os trâmites a cargo de especialistas que irão conduzir o seu pedido durante todo o processo. Vale a pena pesquisar! Veja abaixo alguns dos principais motivos para que um financiamento não seja aprovado pelas instituições financeiras.

1. Problemas com órgãos de proteção de crédito

Na hora que você entrega toda a papelada que reuniu, o banco irá fazer uma série de consultas com outras instituições financeiras para entender a situação do seu nome na praça. Muitas vezes você nem sabe, mas o seu nome pode estar positivado.

Para resolver essa questão basta entrar em contato com o órgão onde consta o seu nome (Serasa e SPC são alguns exemplos), levantar a informação sobre qual empresa o cadastrou por falta de pagamento e quitar sua dívida. Uma vez em dia, o seu nome automaticamente sai da lista do órgão.

2. Valor da entrada além do previsto

Muitas pessoas desconhecem a natureza de como se aprova o crédito de um financiamento e não levam em consideração detalhes relativamente simples como esse.

Tenha em mente que o valor médio que deverá ser quitado na entrada gira em torno de 30% do valor total do apartamento que você deseja financiar. Ou seja, se o imóvel dos seus sonhos custa R$ 500 mil, é preciso economizar pelo menos R$ 150 mil para esse passo inicial. Lembrando que quanto maior o valor pago na entrada, mais leves ficam as prestações do seu financiamento a longo prazo.

3. Documentação errada ou ausente

As instituições bancárias exigem uma série de documentos no momento em que você dá entrada no requerimento para um financiamento. É importante atenção para reunir tudo que o banco pediu com o objetivo de não perder tempo no seu processo.

As exigências variam, mas geralmente a lista envolve documentos pessoais como RG ou CPF, comprovante de estado civil, comprovante de renda e a CQTF, a Certidão Negativa de Débitos Relativos aos Tributos Federais e à Dívida Ativa da União.

4. Questões envolvendo o imposto de renda

É de suma importância estar em dia com a Receita Federal na hora de pedir o seu financiamento imobiliário. Portanto, entregue a declaração de renda ao órgão de maneira correta. Outro ponto que merece a sua atenção é se por acaso o seu CPF estiver envolvido com uma dívida ativa de impostos em atraso.

Para resolver essas questões, entre em contato com órgão e explique a sua situação. Um funcionário indicará a você o caminho mais rápido para ajustar essas pendências e você poderá continuar de forma tranquila o seu processo de financiamento.

5. Reserve o valor referente às taxas extras

Em empreendimentos urbanos, o valor total destinado ao pagamento de taxas extras é de até 8% do valor do imóvel que será financiado. É aí que entram os gastos com o ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis), taxas administrativas diversas como o registro da compra e a escritura e, caso você tenha feito sua negociação com a ajuda de um corretor de imóveis, o valor de sua comissão.

Prepare-se com atenção para esse grande capítulo da sua vida e boa sorte na busca do seu novo lar.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Hamilton Domingues da Silva 29 de junho, 2020 | 22:01
Acho um absurdo os valores cobrados com as taxas para escritura, registro e esse roubo chamado de ITBI. Reservar 8% sobre o valor do imóvel, é um ROUBO.
Walter 29 de junho, 2020 | 17:38
Excelente dica !
Corretor Sincero 29 de junho, 2020 | 16:32
Outra coisa importante no momento de fechar o contrato com o proprietário caso o apartamento ou casa não estiver pronto e colocar no contrato o tempo para entrega da construtora, pois uma obra pode demorar até um ano após o previsto pelo construtor.
Fazer uma avaliação e identificar reparos e solicitar a correção no imóvel antes de assinar a documentação é importante, pois após o dinheiro no bolso do corretor ou construtora será difícil resolver.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO