Quatro investigados por latrocínio são presos

Divulgação


A polícia acredita que essa arma foi usada em um latrocínio em Barão de Cocais

Quatro indivíduos investigados por suspeita de envolvimento em um latrocínio (roubo seguido de morte da vítima), em Barão de Cocais, com 19, 20, 39 e 49 anos, além de um adolescente, de 17 anos, foram detidos pela Polícia Militar em Barão de Cocais. O latrocínio foi praticado no sábado (20) e, no total, seis homens são investigados como suspeitos de envolvimento. Falta a prisão do último envolvido.

Com os homens os policiais aprenderam uma pistola calibre 380 com 20 cartuchos intactos e três carregadores de munição.

A PM apurou que o crime foi motivado por informações segundo as quais Fernando Tavares de Oliveira, 50 anos, teria quantia de R$50 mil em espécie em casa.

Pois acreditando que haveria esse dinheiro no imóvel, os criminosos planejaram o crime. Um deles invadiu a residência na rua Afonso Pena, no bairro Capim Cheiroso, na tarde de sábado. Armado e usando uma touca ninja, o assaltante gritou para o morador: “passa tudo que você tem”.

A vítima, que estava na companhia de dois filhos, um de 11 e outro de 8 anos, tentou reagir ao assalto. Ao caminhar em direção ao bandido o morador foi atingido por um tiro no lado esquerdo do peito e caiu. Os filhos dele não ficaram feridos.

Com a situação criada no interior da casa, o ladrão fugiu sem levar nada.

Os vizinhos da vítima escutaram a confusão e saíram para ver o que estava acontecendo, quando depararam com Fernando Tavares ferido a tiro. Eles ainda tentaram socorrer Fernando, que foi levado para o Hospital Municipal, mas ao dar entrada foi constatado que estava sem vida.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO