Jornalista celebra vitória sobre a covid-19

Danilo Emerich Garcia, de 34 anos, chegou a ser internado, mas se recuperou da doença

Álbum pessoal


Morador do bairro Veneza II, Danilo postou esse registro em suas mídias sociais

Uma postagem em tom de alívio foi feita pelo jornalista e servidor público Danilo Emerich Garcia, nesta terça-feira (23). Ele, que mora no bairro Veneza II, em Ipatinga, celebrou a vitória sobre a covid-19 e relatou como foram os dias de quarentena. Apesar de não fazer parte do grupo de risco (tem 34 anos e não possui comorbidades), chegou a ficar internado por causa dos sintomas da doença. Livre dos efeitos do vírus, Danilo deixa uma mensagem para aqueles que não levam o novo coronavírus a sério.

Danilo explica que começou a apresentar sintomas em uma terça-feira, dia 9 de junho. Na quarta (10), com febre e dores, procurou o hospital, quando foi colhido material para teste. “O diagnóstico saiu no domingo (14), me ligaram para avisar e dar recomendações. Eu já estava com certeza que seria testado como positivo, pois dias antes minha namorada também apresentou sintomas. O dela deu positivo na sexta-feira (12), dois dias antes do meu”, recorda.

A certeza que estava infectado veio antes mesmo do resultado do exame. No terceiro dia de sintomas (antes do resultado), o jornalista perdeu o olfato. Durante a quarentena Danilo ficou confinado no quarto, para não infectar o restante da família. Utilizou apenas um prato, talher e copo.

“Eu já estava em esquema de home office desde o início da pandemia, em março, então, continuei trabalhando assim. Foi opção minha, quis ocupar a cabeça. Na segunda semana de infecção a doença piorou e cheguei a ficar internado por falta de ar. Coisas simples, como brincar com o cachorro, era proporcional a correr 5 km sem parar. Fiz uma tomografia e o médico me falou que havia alterações nos pulmões, em seguida me colocaram no oxigênio, confesso que tive medo sim. Pensei: pronto, agora é só ladeira abaixo”, pontua.

Apesar do atendimento médico, Danilo não precisou ficar entubado e apresentou melhoras já no dia seguinte, recebendo alta. “Meus sintomas foram considerados até brandos, em comparação aos casos mais graves, mas assusta, pois não sou grupo de risco. Talvez, se eu pertencesse, a história fosse diferente. É um susto e tanto receber o diagnóstico, pois milhares já morreram. E cada pessoa reage de uma forma, os sintomas surgem do nada. Em um dia você está bem e no outro está ofegante, por subir um único lance de escada”, relembra.

Superação

O jornalista destaca que sua namorada passou pelos sintomas de uma forma mais tranquila do que ele e não teve falta de ar. Danilo frisa que sempre teve a filosofia de viver o presente. “Se estou com covid, vou enfrentar e focar na recuperação. Depois penso como vai ser a vida. Agora, recuperado, só quero continuar a viver essa mesma vida. Viver os momentos, isso continua. Vamos conviver com a doença até que a vacina se torne realidade e acessível. Meu medo é a reinfecção. Então, vou continuar a tomar os cuidados. Minha mensagem para quem não leva a sério é: você pode até contrair a doença e se safar sem sintomas, mas pode retransmitir para outras que podem não ter a mesma sorte. Não queira ter na consciência o peso de contribuir para a contaminação e morte de alguém”, alerta.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Paulo 24 de junho, 2020 | 08:08
Que bom que o Diário do Aço vai começar a publicar matérias dos curados, contando suas histórias e como eles venceram essa doença.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO