Cenário de pandemia impede realização de festas de São João

Wôlmer Ezequiel


Um dos símbolos bastante conhecidos do Dia de São João é a queima de fogueira

Amanhã, 24 de junho, será celebrado o Dia de São João, data atribuída ao nascimento de João Batista, conhecido como o “Santo Festeiro”. Com isso, o Dia de São João é comemorado tradicionalmente com festas, fogueiras, pratos típicos e brincadeiras. Na região Nordeste do Brasil a tradição da festa de São João chega ter mais importância que o carnaval. No interior de Minas Gerais não é diferente. Entretanto, devido a pandemia de covid-19, as famosas celebrações não serão realizadas em 2020, já que provocam grandes aglomerações.

De acordo com o artigo 6º da Deliberação 17, do Comitê Extraordinário Covid do Estado, publicada no dia 22 de março, os municípios, no âmbito de suas competências, devem suspender serviços, atividades ou empreendimentos, públicos ou privados, com circulação ou potencial aglomeração de pessoas, em especial, eventos públicos e privados de qualquer natureza, em locais fechados ou abertos, com público superior a 30 pessoas.

A Deliberação dispõe sobre medidas emergenciais de restrição e acessibilidade a determinados serviços e bens públicos e privados cotidianos, enquanto durar o estado de calamidade pública em decorrência da pandemia do novo coronavírus (covid-19) em todo o território do Estado.

Fogueiras

Em Santana do Paraíso, em função da pandemia, e respeitando os decretos que proíbem eventos que causam aglomeração, a administração municipal informou que a Festa de Santana, em que ocorre a queima da tradicional fogueira, não será realizada este ano, assim como outros eventos de mesmo cunho da Prefeitura. As festividades são uma celebração à Nossa Senhora Santana, comemorado no dia 26 de julho. A santa, que empresta seu nome à cidade, também é padroeira do local.

No município de Mesquita, já não foi possível realizar a famosa festa de Santo Antônio, que ocorreria no dia 13 deste mês (dia do santo), com a queima da tradicional fogueira. Em Entrevista ao Diário do Aço, o prefeito de Mesquita, Ronaldo Oliveira, lamentou a falta da festividade. “É muito triste. Já tem décadas que acontece essa festa com a fogueira. Várias gerações já presenciaram esse momento. É muito triste, no entanto, não tínhamos condições de fazê-la, mas se Deus quiser, vamos ter muitas festas nos próximos anos”, lamentou. Promovida na cidade há mais de 80 anos, esta foi a primeira vez que não houve a queima da fogueira.

João Batista

Filho de Isabel e Zacarias, João Batista nasceu na Judeia no ano 2 a.C., e se tornou popular. Vivendo como um nômade e pregando, conseguiu cativar as pessoas para se batizarem. São João é considerado o santo mais próximo de Cristo, pois além de ser seu parente de sangue, Jesus foi batizado por João nas margens do rio Jordão.

No ano 27 d.C. João Batista morreu decapitado a mando de Herodes, que vivia em adultério com a mulher de seu irmão, Herodíades. No aniversário de Herodes, a filha de Herodíades dançou de forma tão surpreendente que, admirado, Herodes prometeu dar o que ela quisesse. Orientada por Herodíades, a filha pediu a cabeça de João Batista numa bandeja, porque João condenava o comportamento adúltero do casal.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO