Lockdown no Vale do Aço não está descartado, diz Romeu Zema

Em entrevista à CNN Brasil, governador falou da situação do estado no combate à covid-19

Reprodução CNN Brasil

Governador diz que o aumento de casos registrados na região pode levar ao fechamento total das atividades

O aumento de casos de covid-19 nas cidades do Vale do Aço virou motivo de preocupação não apenas para os prefeitos locais, mas também para o Governo de Minas. Em entrevista à CNN Brasil na manhã desta sexta-feira (5), o governador Romeu Zema disse que se a curva de infecção pelo novo coronavírus não diminuir, pode ser adotado “algo como lockdown” (bloqueio total das atividades) na região.

“Estamos com uma lupa na mão acompanhando os casos no estado. O Vale do Aço, na cidade de Ipatinga e vizinhas, nos preocupa muito um grande crescimento de caso nos últimos dez dias. Todos os prefeitos e secretários da saúde da região já estão alertados, caso a essa curva não mude, não descartamos ter algo como um lockdown”, afirmou o governador, ressaltando que essas seriam situações eventuais e pontuais dependendo da curva em cada região do estado.

No dia 25 de maio, o boletim epidemiológico divulgado pela administração municipal de Ipatinga apontava 125 casos confirmados para covid-19. Desse total, 48 estavam curados, 68 em isolamento social, 8 internados e havia o registro de um óbito. Dez dias depois, os casos positivos da doença subiram 296%. No dia 4 de junho o boletim do município mostrava 370 casos positivos, dos quais 192 estavam curados, 153 em isolamento social, 19 internados e seis óbitos haviam sido registrados.

Os números fizeram com que o Comitê Gestor de Crise de Ipatinga determinasse restrições a diversos segmentos do comércio varejista na última segunda-feira, 1º de junho. Somente estabelecimentos que prestam serviços essenciais funcionam regularmente, os demais estão de portas fechadas e só podem atuar com entrega em domicílio.

A decisão de flexibilizar ou não o funcionamento do comércio é dos prefeitos, como explicou o governador durante entrevista à CNN Brasil. “Os municípios devem seguir o Minas Consciente, protocolo criado pelo governo. Não podemos tratar de forma genérica situações diferentes, porque o prefeito sabe bem a situação da cidade dele”, disse Romeu Zema, lembrando que 50% das cidades mineiras não tiveram sequer um caso confirmado de covid, até o momento.

Testagem

Minas Gerais tem mais de 13 mil casos confirmados de covid-19 e 323 mortes. Na quinta-feira (4), o estado registrou um novo recorde: em 24 horas, 1.017 pessoas receberam diagnóstico positivo para a doença, segundo a Secretaria de Estado de Saúde.

De acordo com a comunidade científica, a melhor forma de conter o vírus no momento é o isolamento social e a testagem em massa, o que também evitaria a subnotificação de diagnósticos.

Porém, o governador disse que a situação financeira do estado não permite a testagem em massa. "O ideal seria testarmos os 21 milhões de mineiros diariamente. Mas [com] a situação financeira do estado, tínhamos que priorizar entre testar ou ter equipamentos para salvar vidas. Acabamos optando pelo segundo", contou Zema, acrescentando que Minas Gerais recebeu 510 mil testes. "Só agora temos ampliado os testes porque estamos recebendo do governo federal uma quantidade maior deste tipo de medicamento [testes]".

Romeu Zema disse que o valor repassado pelo governo federal será de R$ 3 bilhões, dividido em quatro parcelas de R$ 750 milhões, a primeira deve ser enviada na próxima semana. Ele afirmou ainda que esse dinheiro não será destinado apenas ao setor de saúde, mas para pagar todas as despesas correntes, já que o estado teve uma queda na arrecadação avaliada em mais de R$ 1 bilhão.

A falta de testes no estado gera uma das maiores subnotificações do país. Segundo uma pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), divulgada no dia 13 de maio, o número de casos da covid-19 no estado pode ser 16 vezes maior do que o número divulgado oficialmente. Haveria 16,5 casos subnotificados do novo coronavírus para cada caso confirmado. O estudo aponta que a subnotificação em Minas é quatro vezes maior que a registrada no país. No Brasil, a estimativa é de que há 3,8 pessoas com a covid-19 para cada caso confirmado.

Apesar da pouca testagem, o governador ressaltou o trabalho feito em Minas no combate à covid. “Minas Gerais representa 10% da população brasileira e tem cerca de 1% do número de mortos por covid-19 registrados em todo o país. Claramente, o trabalho aqui foi conduzido de forma mais adequada. Nada mais lógico do que fazer uma reativação da economia com muita segurança e muito critério”, destacou, lembrando que, se se houver um aumento expressivo no número de casos confirmados da doença em alguma região mineira, pode haver um recuo na flexibilização.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Zé das Couve 07 de junho, 2020 | 21:52
Tanto Timóteo quanto Ipatinga possuem empresas de grande porte que garantem as receitas do município. Cel Fabriciano não. Se o comércio fechar, não havera dinheiro para saúde e muito menos para pagar servidores públicos. Sem economia não há saúde. A situação é muito complexa ....
Silvio Antonio Maia 06 de junho, 2020 | 21:16
Comércio aberto, comércio fechado. Prefeito certo, prefeito errado. Amanhã mudam os resultados e o prefeito de que estava certo passa a ser o errado. Fato é que bares estão cheios e pessoas estão sem máscaras. Não é racional dar tanta sopa pro COVID. Acorda Coronel Fabriciano!!!
Shesheu 06 de junho, 2020 | 16:01
Engraçado,assisti uma entrevista desse governador na Jovem Pan no programa Pânico, e ele disse que em Minas Gerais estava tudo tranquilo! Os leitos estão praticamente todos desocupados! Ainda criticou o prefeito de B.H, dizendo que ele era radical demais. Como ele agora está mudando a conversa? Políticos são uma cambada de....
Melhor ele perguntar pro prefeito Maisdinheiro onde está o hospital de campanha. Vai construir quando acabar a pandemia?
Divino Martins de Paula 06 de junho, 2020 | 15:15
NÃO ADIANTA O PREFEITO DE TIMÓTEO E IPATINGA FAZEREM TUDO CERTO,PORQUE O DE CORONEL FABRICIANO NÃO ESTÁ NEM AI,SÓ TEVE UMA SEMANA DE ISOLAMENTO EM CORONEL FABRICIANO,TÁ TUDO FUNCIONANDO AQUI.
Paulo Dias 06 de junho, 2020 | 08:12
Governador mg zema esta sendo ótimo governo mg,ele vai reconvocar inativos com idades abaixo de 60 anos da pmmg,cbmmg p serviço ativo mais segurança população bh em todas cidades mg
Derli Lemos da Silva 06 de junho, 2020 | 06:35
Prefeito de Coronel Fabriciano, vem agindo PENSANDO na Saúde FÍSICA E ECONÔMICA dos Munícipes, Ipatinga fez o contrário... os números aumentaram, mostra que todos Prefeitos que FORAM FLEXÍVEIS, e tiveram ótimos resultados. Um gde rde Supermercado, foi inteligente contratou mais caixas, que é onde aglomeram mais assim, as compras foram agilizadas,no gargalo, saída. Está claro que o isolamento horizontal não deu certo em São Paulo, nem outro lugar. Parabéns ao Prefeito de Coronel Fabriciano.
Juca 05 de junho, 2020 | 16:50
O aumento de coronavirus e motivo de preocupacao dos prefeito do vale do aco segundo o governador de minas.mas quem nao esta preocupado com esta situacao e o prefeito de fabriciano liberou geral o comercio o que ele esta preocupado e com a eleicao liberando o comercio ele pensa que vai da voto enquanto outras cidades fecham.e ai o povo se lasca sr. Prefeito e melhor nao ser individualista porque esta colocando a saude das pessoas em risco.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO