Prazo para municípios aderirem ao Tempo de Aprender é prorrogado para final de junho

3,4 mil municípios já aderiram ao programa, segundo o MEC

Divulgação


Lançado em fevereiro pelo governo federal, o programa é nas as principais deficiências da alfabetização no país. Inicialmente, a previsão para adesão era até 30 de maio

Vai até 30 de junho o novo prazo para que estados e municípios possam aderir ao programa Tempo de Aprender. Lançado em fevereiro pelo governo federal, o programa é focado nas principais deficiências da alfabetização no país. Inicialmente, a previsão para adesão era até 30 de maio. O Ministério da Educação não explicou os motivos para a prorrogação.

Segundo a Secretaria de Alfabetização (Sealf) do MEC, que é responsável pelo Tempo de Aprender, até o momento 3.433 municípios já fizeram a adesão. O número representa 62% das cidades brasileiras. Para participar, os municípios, através dos secretários de Educação, devem preencher um formulário eletrônico.

Criado a partir da Política Nacional de Alfabetização (PNA), o programa tem como foco a pré-escola e os 1º e 2º anos do ensino fundamental das redes públicas estaduais, municipais e distrital. É voltado ainda para o aperfeiçoamento, o apoio e a valorização a professores e gestores escolares dessas etapas de ensino. O Tempo de aprender possui 10 ações, estruturadas em quatro eixos.

Para a construção do documento, foram detectadas as áreas da alfabetização que necessitam de mais investimentos que são: formação pedagógica e gerencial de docentes e gestores, materiais e recursos para alunos e professores e o acompanhamento da evolução dos alunos.

*Com informações do MEC

(Agência Educa Mais Brasil)
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO

LEIA MAIS