Ex-presidente será indenizada por uso indevido de sua imagem

Justiça condenou cursinho por exercício abusivo do direito à livre expressão

Foto ilustrativa


Ex-presidenta Dilma Roussef reclamou de uso de imagem junto a artigo pejorativo distribuído por cursinho em campanha
(Ascom TJMG)
A Estratégia Concursos Ltda. foi condenada a indenizar em R$ 60 mil a ex-presidente da República, Dilma Rousseff, por danos moras e danos à imagem. O cursinho iniciou uma campanha publicitária em seu site que associava uma foto de Dilma ao texto "Como deixar de ser burro".

Ex-presidenta Dilma Roussef reclamou de uso de imagem junto a artigo pejorativo distribuído por cursinho em campanha.

A defesa da ex-presidente ajuizou uma ação para que a empresa fosse condenada a indenizá-la em R$ 150 mil por dano moral, R$ 150 mil por dano à sua imagem e que se retratasse em todos os meios onde a propaganda foi veiculada.

Segundo o estabelecimento, a campanha tinha o objetivo de atrair o público para um debate sobre a educação no Brasil produzindo humor, e não de ofender alguém. Em seus argumentos, disseram ainda que o uso da imagem de Dilma Rousseff não diz respeito à sua vida pessoal, e que o fato de se tratar de uma figura pública dispensaria a necessidade de autorização para o uso de sua imagem.

Exercício abusivo do direito

Para a juíza da 17ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte, Gislene Rodrigues Mansur, a liberdade de expressão e a livre manifestação são direitos fundamentais, mas não estão isentas de punições quando usadas de forma abusiva. A magistrada afirmou em sua sentença que, "o humor tem sua utilização aceita quando empregado como instrumento de crítica política e de costumes", porém, no caso da campanha em questão, o objetivo teria sido unicamente o de ridicularizar a pessoa.

No que diz respeito ao argumento de que a utilização da imagem de figuras públicas não exige autorização, a juíza disse "uso da imagem de outrem, mesmo sendo considerada figura pública, depende da autorização do seu titular ou de quem possa agir em seu nome principalmente quando veiculada.". Logo, quando feita sem consentimento, configura conduta ilegal que deve ser condenada.
Indenização

Diante do exposto, a Justiça concluiu que houve violação do direito da imagem e da honra, devendo haver reparação. No entanto, após análise, a juíza entendeu que o valor de R$ 60 mil é suficiente para compensar a vítima pelos danos causados.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Arthur 01 de junho, 2020 | 12:49
"Muito emprego"? rsrsrsrs aiai... lembrando que o preço da gasolina começou a subir em meados 2012... pesquisa ai desemprego Brasil 2015...
Cristina 01 de junho, 2020 | 08:53
Quando a Dilma governava e era "burra", a gasolina era 2,30, tinha muito emprego, imagem do Brasil era alta no exterior com isto vinha investidores para o Brasil, os brasileiros viajavam, direitos trabalhistas assegurados, as riquezas do Brasil eram nossas e havia preservação ambienta
Agora que o "inteligente" governa é o brasil só ladeira abaixo....

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO