Ex-técnico da seleção feminina, Vadão morre aos 63 anos

Vadão também comandou diversos times do Brasil, além de ter atuado no Japão

Assessoria / CBF


Vadão morreu vítima de um câncer no fígado

O ex-treinador da seleção brasileira feminina de futebol, Oswaldo Fumeiro Alvarez, o Vadão, morreu nesta segunda-feira (25), aos 63 anos. Ele estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Albert Einstein, em São Paulo (SP), desde meados de maio, por causa de complicações decorrentes de um câncer no fígado, diagnosticado no início deste ano. Vadão será sepultado em Monte Azul Paulista, no interior de São Paulo.

Vadão tem uma extensa carreira no futebol, tendo comandado diversos times paulistas, como Mogi Mirim, Guarani, Araçatuba, XV de Piracicaba, Guarani, Matonense, Corinthians, São Paulo, Ponte Preta, São Caetano e Portuguesa. Ele também passou por Atlético Paranaense, Bahia, Vitória, Goiás, Sport, Criciúma e Tokyo Verdy, do Japão.

O trabalho mais recente de Vadão é o comando da seleção brasileira feminina. Ele comandou a equipe pela primeira vez entre 2014 e 2016 e teve sua última passagem entre 2017 e 2019.

No comanda da seleção canarinho, conquistou a Copa América (2014 e 2018), Copa CFA YongChuan (2017), Jogos Pan-Americanos (2015) e Torneio Internacional de Futebol Feminino (2014 e 2015). Vadão deixou a seleção em julho de 2019, um mês depois de a equipe ser eliminada pela França na Copa do Mundo daquele ano.

Os títulos de Vadão no futebol também incluem o Campeonato Catarinense com o Criciúma (2013); Supercopa do Japão com o Tokyo Verdy (2005); Torneio Rio-São Paulo com o São Paulo Futebol Clube (2001); Campeonato Paranaense 2000 com o Atlético Paranaense e título do Campeonato Brasileiro - Série C em 1995, pelo XV de Piracicaba.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO