Sem radar, motoristas pisam fundo e colocam vidas em risco

Moradores do Parque Caravelas, em Santana do Paraiso temem volta de tragédias no cruzamento da pista no trevo que dá acesso ao bairro

Alex Ferreira


Moradores do bairro Parque Caravelas, em Santana do Paraíso, reclamam do risco de acidentes na travessia do trevo do bairro, na BR-381, depois que foi retirado o radar localizado nas proximidades da entrada do bairro. Reclamam os moradores que o local já foi palco de “acidentes horríveis”, reduzidos consideravelmente depois que a concessionária do serviço de controle de velocidade instalou um radar naquele ponto.

Ocorre que desde o ano passado, sem a renovação do contrato pelo governo federal, os radares começaram a ser desligados e no começo desse mês os equipamentos foram removidos. Sem o radar no local aumentou a velocidade no trecho que é uma reta com descida no sentido a Governador Valadares. Com isso o risco de novas tragédias no trevo tem assustado quem precisa atravessar o local.

Além de moradores o trevo é usado também para quem sai do bairro Parque Veneza, onde estão o supermercado Mart Minas e várias outras empresas de grande porte.

A presidente da associação de moradores do Parque Caravelas, Glauce Cristina Fernandes, afirmou ao Diário do Aço que, se o radar não puder voltar, a entidade vai pedir um quebra-molas no local. “Não podemos permitir a volta desses acidentes que já levaram vidas”, conclui.

A dirigente comunitária não descartou a possibilidade de uma mobilização dos moradores em um baixo assinado, para pedir ao Dnit (que tem jurisdição sobre o local), a tomada de providências no sentido de proteção à vida.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Adair Eller Gonçalves 26 de maio, 2020 | 07:05
Se quebra molas resolvesse o problema, Timóteo não teria acidentes de trânsito, o que falta é mudança de hábito de pedestre e motoristas ora um trânsito mais humano. Rotatória seria a solução mais viável ..
Ferreira 25 de maio, 2020 | 11:47
Já começaram as tragédias, esses dias mesmo uma moça foi atropelada, na BR381, no Novo Cruzeiro, infelizmente as pessoas só respeitam os radares, porque mexe com o bolso, ainda mais no Parque Caravelas, que tem um mercado grande, com movimento constante de pessoas e veículos, aguardemos novas notícias
Oliveira 25 de maio, 2020 | 10:29
Para solucionar em definitivo este problema, instale/construa uma rotatória. Atenderia a todos, inclusive a motoqueiros que não respeitam o limite de velocidade. A rotatória obriga a todos reduzirem a velocidade. Quebra-molas são ineficientes para motoqueitos. O radar tem fins arrecafatório também.
Cidadão 25 de maio, 2020 | 09:28
A opção de instalar quebra molas é retrógrada. Causa o aumento do desgaste do veículo, com gasto de pneus e pastilhas durante a frenagem, e combustível e pneus na retomada da aceleração. Punindo assim, o motorista que respeita os limites das vias. Somente a educação (incluindo a do trânsito) permitirá um tráfego seguro, tanto de veículos quanto dos pedestres. E, infelizmente, essa educação se faz no Brasil mexendo no bolso do contribuinte (neste caso o que não respeita a velocidade de tráfego na via). Placas de advertência deveriam ser respeitadas. A vida deveria ser respeitada. No entanto, o que vejo, são reclamações sem perspectiva de mudança por parte de cada um de nós.
Brasil 25 de maio, 2020 | 08:03
É colocar quebra molas ao menos em três pontos daquela reta, pronto, resolvido o problema sem precisar sacrificar o bolso das pessoas que já é muito assolado pelos impostos.
Natal 24 de maio, 2020 | 19:33
.... COLOCAR UM QUEBRA MOLA URGENTE .
....nao precisa nem esperar .
Bolsonaro 24 de maio, 2020 | 13:57
COMECEM A FAZER PROTESTO NA BR QUE RAPIDINHO ELES SE TOCAM DO PROBLEMA.
BLOQUEIO DA BR SERIA UM BOM PROTESTO.
Shesheu 24 de maio, 2020 | 11:22
Reclamem com o bolsonario. O decreto é dele de acabar com os radares nas estradas! Atitude louvável essa, para quem é um lunático como o presidente do Brasil.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO